08 setembro 2014

A FESTA DO VERÃO


A “Festa Grande” é a principal festa de Malcata. Escrevo este texto depois desta se ter realizado. Para  mim e para muitos malcatanhos e muitas outras pessoas, emigrantes em França ou noutro país qualquer e imigrantes numa qualquer região portuguesa, participar nesta Festa Grande tornou-se num ritual e num dos momentos mais esperados por todos.
É uma festa que já se realiza há muitos anos e eu tenho o orgulho de pertencer a uma das famílias que durante anos, aceitaram a missão de organizar a Festa Grande de Malcata.
Desde 1959 que o relógio da torre marca o tempo, ali na Praça do Rossio ou na Torrinha, como também é conhecida. Os ponteiros por vezes imobilizam-se e até que se arranje a avaria, o povo de Malcata deixa de ouvir o badalar das horas e mesmo vendo que as horas no relógio não passam, o Tempo corre e não volta para trás. O nosso mundo continua a movimentar-se e passam as horas e os anos e todos ficam mais velhos. O mundo está sempre em mudança, incluindo festas e mordomos. Mas a vida continua e as festas também.

José Rei, nosso conterrâneo, filho de gente séria e humilde, dotado de rara inteligência e com conhecimentos de história, deixou-nos um testemunho escrito sobre a Festa Grande de Malcata, a festa do mês de Agosto como muitos lhe chamam também. Para ajudar a compreender o presente, conhecer o passado e o modo como os nossos antepassados  viviam a Festa é necessário recuarmos no tempo das nossas memórias e dessa forma ficamos mais informados para compreender as festas de hoje.

No seu livro, Malcata e a Serra, José Rei escreve assim acerca da Festa Grande de Malcata:

“Actualmente…entende-se a Festa como dos emigrantes. Ainda que a festividade mantenha uma componente religiosa, a vertente profana é, sem dúvida, muito mais expressiva. É o momento e pretexto para regressar à Terra e reencontrar amigos e familiares. Constitui um ponto de referência para a marcação das férias daqueles que trabalham e vivem nas grandes cidades ou noutros países.
Até às alterações introduzidas pela emigração, a Festa assumia um papel cimeiro nas manifestações da religiosidade e da vivência profana. Era também o momento certo para mostrar as roupas novas. A premência de estrear roupas era tal que muitas raparigas mostravam uma roupa nas cerimónias religiosas, outra no baile da tarde e uma terceira no baile da noite. Muitos rapazes não dormiam na noite anterior. Tinham por hábito esperar acordados a chegada da Música. Porque só havia música no dia da Festa, a sua chegada era aguardada por todos com grande ansiedade, sendo por isso a sua chegada anunciada com o rebentamento de três foguetes morteiros ( cada um só com uma bomba ). E seguia-se a alvorada, momento de especial encanto, em que eram lançados centenas de foguetes de diversos tipos. A Alvorada determinava desde logo a qualidade da festa. Fogo forte e abundante  era garantia de festa valente. Terminada a alvorada, a Música começava a tocar em passo marcado, pelas ruas da aldeia, parando em casa dos mordomos, onde lhes eram servidas bebidas e petiscos, doces e salgados. Enquanto estrelejavam foguetes no ar…À frente da Música seguiam os mordomos e o fogueteiro. A comitiva integrava também os miúdos e alguns moços com canas de foguetes já apanhadas nos campos . Abundava o fumo e o barulho, misturados com a azáfama própria e o som melodioso da música”.
José Rei, retirado do livro "Malcata e a Serra"

Continua...


Sem comentários: