15 maio 2012

MALCATA: UMA REGIÃO COM VALOR NATURAL




Com o Decreto-lei nº 294/81, de 16 de Outubro criou-se a Reserva Parcial da Serra da Malcata( . E com o Decreto-lei nº 384-B/98, de 23 de Setembro criou a ZPE ( Zona de Protecção Especial) para Aves Selvagens da “Serra da Malcata”, integrando a Rede Natura 2000.
   Em 1999, foi reclassificada e de Área Protegida passou a Reserva Natural da Serra da Malcata, através do Dec. Regulamentar nº 28/99, de 30 de Novembro, tendo sido também redefinidos os seus limites.
   A Serra da Malcata era nos anos 70/80 considerada um dos últimos refúgios naturais em Portugal de fauna e flora e também um dos habitats do Lince Ibérico, espécie em perigo de extinção. E na sequência da campanha nacional da LPN a que chamaram “Salvemos o Lince Ibérico e a Serra da Malcata” a Reserva Natural da Serra da Malcata passou a ser conhecida pelos portugueses e estrangeiros graças ao enorme trabalho de divulgação pela comunicação social. Malcata ( a serra ) deixou de ser ocupada pelas empresas de celulose e conseguiu alcançar alguma credibilidade e notoriedade. Contudo, passados mais de 20 anos, pouco se fez para preservar os valores então defendidos. A floresta tem crescido naturalmente, as casas florestais, que foram remodeladas, estão há anos abandonadas e sem utilidade nenhuma, cada vez há menos seres vivos e o Lince Ibérico desapareceu do seu espaço natural. Surgiram e em grande número as torres eólicas que ficaratem para m impunemente instaladas a escassos metros dos terrenos da reserva natural. Pela serra e pela Reserva Natural vão andando alguns vigilantes e os sapadores florestais de Malcata. Há ausência de equipas locais que abracem projectos com alma e coração, que os façam avançar. Os decretos governamentais nada valem se depois nada se fizer. O município do Sabugal como responsável por parte da Reserva Natural da Malcata, devia estar disposto a gastar dinheiro. É tempo de se perceber a importância que uma área protegida como é a Serra da Malcata, tem para o desenvolvimento local. Para a cidade do Sabugal, por exemplo, é ou não muito importante poder dizer aos seus visitantes e turistas e até aos seus habitantes, que têm ao lado uma Reserva Natural?
    Até que ponto a natureza pode ser importante para o desenvolvimento local?
    O que é que o Sabugal, como concelho, lucra com a Reserva Natural da Serra da Malcata?
    E a aldeia de Malcata tem ou não sido beneficiada?
    Continuamos a não entender que a paisagem é fundamental para o desenvolvimento económico do concelho do Sabugal, da aldeia de Malcata e para o turismo da região. Aqui no Sabugal, não temos água salgado do Atlântico, mas temos capeias únicas, castelos, muralhas, construções medievais, vestígios judaicos, floresta, rio Côa, muitas aves e repteis, para além de pessoas íntegras, humildes e trabalhadoras.
    Esta semana a senhora ministra do Ambiente defendeu a reintrodução do Lince Ibérico em Portugal e dizia que isso podia atrair pessoas para as zonas desertificadas, tendo sublinhado que as regiões para onde está prevista a introdução do lince serão valorizadas economicamente.
  
 “ Se daqui a uns anos, tivermos na nossa terra o lince ibérico com uma convivência sustentável com as actividades que aqui há, vamos ter zonas muito interessantes para  serem visitadas por portugueses e estrangeiros” palavras da ministra.

    Está a implementar-se o Plano de Acção para a Conservação do Lince-Ibérico em Portugal. A Reserva Natural da Serra da Malcata tem que fazer parte activa deste plano, pois, caso contrário não se justifica a sua existência. 

11 maio 2012

FESTA DA CARQUEJA EM MALCATA

PROGRAMA 2012

   O tempo não pára e a data da festa aproxima-se. Nos dias 19 e 20 de Maio a aldeia de Malcata volta à Serra e por causa da carqueja as pessoas vão divertir-se à brava e rezar a Deus durante a missa campal. Este ano a ACDM ( Associação Cultural e Desportiva de Malcata ) preparou um programa diferente do que apresentou na festa do ano passado. Este ano, a Mostra de Sabores de Malcata vai trazer outro sabor à Festa da Carqueja de Malcata.
   Esta festa da carqueja está viva e o sucesso destes últimos anos deve-se à capacidade de inovar e da procura de novas ideias que a ACDM se tem empenhado. Este é um desafio e uma oportunidade de chegar mais longe, de chamar mais pessoas a participar nesta festa.
  

08 maio 2012

ÁGUA QUE ALIMENTA UM POVO

Todos na aldeia conhecem a Fonte da Torrinha e a água fresca, leve e saborosa que há mais de um século jorra dia e noite nas suas duas bicas. Todos concordam que na aldeia não existe água como aquela. Ainda agora,apesar de haver água canalizada nas casas, muitas pessoas continuam a ir todos os dias a esta fonte encher de água os cântaros de plástico e assim poderem beber e dar de beber desta preciosa água.

   Há uns anos não muito distantes, as cantareiras das casas estavam sempre com os cântaros de barro cheios de água desta fonte. Por comodidade e por serem mais leves, ao lado da cantareira, era costume existir uma ou duas cantarinhas, também de barro, para beber água quando havia sede ou então sempre que alguém amigo ou familiar entrava na casa.

   Ainda me lembro as filas que se faziam ao fim das tardes dos meses de calor. Vinham da Moita, domCimo da Estrada ou do Cabeço com os cântaros vazios à cabeça e enquanto aguardavam a vez para encher, conversava-se e muitos namoros ali tiveram início.
   A água da Fonte da Torrinha era escolhida por todos, ficando a água da Fonte Velha a servir apenas para regar as hortas e os outros campos. Isso explica-se porque a água da Fonte Velha provinha de uma mina mais superficial, era uma água menos saborosa e não gozava do selo de confiança que a água da Fonte da Torrinha sempre soube exibir. Ainda hoje, a água desta fonte é própria para consumo e é sujeita periodicamente a análises laboratoriais.
   A história da Fonte da Torrinha está para sempre ligada à aldeia e à vida dos seus habitantes. Bem que gostava de conhecer histórias de namoricos, cântaros partidos, raspanetes do pai ou da irmã porque o cântaro com água fresca demorava a pousar cheio na cantareira...soltem as memórias e escrevam para nós sabermos mais sobre a importância desta fonte. Vamos lá, sem medos.
 

05 maio 2012

MALCATA NO MÊS DE MAIO

Malcata, terra de encanto e hospitalidade. Com simpatia e singeleza o malcatanho recebe todos os que por lá passam. E não podia ser de outra forma, pois a natureza é um exemplo de beleza e simpatia. Maio é um autêntico raio de luz e as flores da carqueja atraem gente sedenta de ar leve e natural que invade os montes da serra por onde o lince andou, na companhia de coelhos, lobos, raposas, águias e um infindável mundo animal e vegetal.