27 novembro 2008

SABUGAL, A CIDADE QUE NÃO É VILA

Sabugal-Uma das entradas(26-11-2008)

Sabugal é ou não uma das 150 cidades de Portugal?
Pelo que sei, foi em 9 de Dezembro de 2004 que a Assembleia da República aprovou a elevação da Vila do Sabugal a cidade. Já lá vão quatro anos e como mostra a fotografia há quem não concorde ou então, esqueceu-se das suas obrigações.
Recuando no tempo, foram os vereadores do PS que em Abril de 1999, apresentaram uma proposta no sentido de elevar a Vila do Sabugal a cidade. A proposta foi aprovada por maioria com a abstenção do senhor vereador Manuel Rito. E na mesma altura, o vereador António Robalo propôs a elevação do Soito a Vila, que foi aprovada por maioria, com a abstenção do vereador Manuel Rito.
Sabugal a cidade sim, mas o Soito vai ser Vila..."se os do Sabugal sobem de estatuto, também os do Soito devem subir",...terá sido este o pensamento de alguns? O que levou as pessoas a querer que a Vila se transformasse em cidade? O estímulo ao desenvolvimento aumentou com esta mudança? Melhoraram as condições dos seus habitantes e visitantes?
Muitos habitantes do Sabugal na altura desta alteração de Vila para cidade, mostraram-se surpreendidos. Hoje continuam sem entender e sem ver diferenças.
As leis em Portugal são fabricadas à medida dos pedidos e dos compadrios políticos. Para ser cidade há uma série de requisitos que devem ser cumpridos. Consultem a Lei 11/82 e verão que o Sabugal não os cumpre. Contudo, os legisladores acautelaram estas situações de imcumprimento dizendo na mesma lei que "importantes razões de natureza histórica, cultural e arquitectónica poderão justificar uma ponderação diferente dos requisitos enumerados".
Agora entendo as razões dos autarcas de Vila de Ponte de Lima, por exemplo, em não querer ser cidade. É melhor ser uma VILA do que uma cidade que não é vila, porque o deixou de ser. E não é cidade porque a Assembleia da República não acompanhou a decisão da criação de condições reais e verdadeiras para que a administração central e regional efectivamente contribuisse para a criação da cidade do Sabugal.

18 novembro 2008

DESPOVOAMENTO E DESERTIFICAÇÃO NO CONCELHO DO SABUGAL

DESPOVOAMENTO

ABANDONO




Despovoada, envelhecida e esquecida pelos poderes públicos, assim é a zona raiana da Beira Interior e da vizinha província espanhola de Salamanca. O retrato consta de um estudo apresentado pela Caritas.

A fatalidade é tal que o documento inclui uma espécie de epitáfio para esta vasta região: "Trata-se de uma das zonas mais desfavorecidas e pobres da Península Ibérica e da Europa, sem presente e sem futuro", conclui-se.


Promovido pela Caritas da Guarda, Salamanca e Ciudad Rodrigo, com a colaboração da Fundación para la Investigación Social Operativa e Aplicada (FINSOA) e do Observatório Económico e Social da Universidade da Beira Interior, o estudo foi levado a cabo em 73 freguesias dos dois lados da fronteira, num território com mais de três mil quilómetros quadrados, tendo sido inquiridos cerca de 150 pessoas, entre autarcas e responsáveis de diversas áreas.
A primeira constatação é a desertificação demográfica registada nos concelhos de Figueira de Castelo Rodrigo, Almeida, Sabugal e Penamacor (no distrito de Castelo Branco), bem como na província de Salamanca. "Desde 1950, esta região perdeu 58 por cento da sua população, passando de 92 mil para os 38.500 habitantes actuais", realça o estudo. Talvez por causa disso, os investigadores verificaram ainda que neste território ultraperiférico "há abandono e um tratamento desfavorável por parte dos governos de Portugal e Espanha".

ENVELHECIMENTO
Também não há "massa crítica por falta de emprego", sendo notória a "ausência de espírito empreendedor e cooperativo entre os residentes", já que a sua grande maioria vive "sobretudo das reformas ou da agricultura".

Face a este diagnóstico, a Caritas propõe-se criar um centro inter-diocesano de intervenção social e desenvolvimento, em Vilar Formoso, para "ajudar os habitantes a concretizar projectos económicos e a criar riqueza, mas também para corrigir a pouca eficácia dos serviços públicos, que não vão ao encontro das pessoas", considera Paulo Neves, da Caritas.
in Jornal de Notícias, 15 de Novembro de 2008








17 novembro 2008

BRICOSOLIDÁRIO NO SABUGAL

A carrinha da Esperança

800 212 008

Arranjo de portas, janelas, mudar um casquilho e a lâmpada,
mudar umas telhas partidas, um vidro partido, arranjar o esquentador, mudar uma fechadura, arranjar uma persiana...
todos aqueles pequenos arranjos que as pessoas não reparam porque a idade já é muita, o corpo anda doente ou não têm dinheiro para pagar os arranjos, não há que esperar pela vinda de França do filho ou do neto. Basta pedir ao vizinho, ao amigo, ao padre da aldeia que ligue para o 800 212 008. É um serviço gratuito, com a garantia da Câmara Municipal do Sabugal e da Pró-Raia.
800 212 008 o número da esperança


14 novembro 2008

OS CAVALOS NÃO VÃO A MALCATA



II CONCENTRAÇÃO INTERNACIONAL
PORSCHE FANS PORTUGAL
Saibam os senhores que elaboraram este cartaz que o Sabugal, quer gostem ou não, desde 9 de Dezembro de 2004 que é uma cidade portuguesa.
Há erros que podem e devem ser evitados. E quem tem guita para ter e manter um Porsche não deve cometer estas gafes.
Para além do erro no cartaz, convido os fans de PORSCHES que inadvertidamente se enganem no percurso e levem os cavalos a beber da água que corre na fonte de Malcata. Digo-lhes que não se vão arrepender e os cavalos vão agradecer.

12 novembro 2008

VIVACI PARA TODOS

























Vivaci na Guarda, Braga, Gaia, Setúbal, Évora e Vivaci nas Caldas da Rainha, Beja, Maia...



AS NOVAS TABERNAS DA GUARDA


As conversas dos nossos dias:
- Então, compadre, bom dia! Tanta pressa porquê?
- Ti Manel, vou à cidade. Vi na televisão que abriu o Vivaci na Guarda. Hoje não sei como passar o tempo e como está de chuva, olha, pensei ir até lá, ver como é aquilo. Olha que deve ser grande, com muitas lojas, restaurantes e tem lá um daqueles supermercados que tem tudo.
- Compadre, compadre, tenha cuidado. Olhe que eles o que querem é que lá gaste dinheiro. Tenha cuidado porque entra lá e sai de bolsos vazios e o carro atolhado de sacas de compras. Tenha cuidado com o que transporta no carrinho das compras.Há dias, o Ti Tó quando chegou a casa foi interrogado pela mulher acerca do soutien que comprou. Ele bem reafirmava que não tinha comprado nada daquilo, que não sabe como isso lá foi parar. Olhe, viu-se à rasca para convencer a Deolinda de que alguém lhe colocou aquilo no seu carro.
- Bem, mas queres vir ou não? Anda, vamos os dois passear e conhecer aquilo.
- Já que tanto insistes, eu vou. Mas, compadre, nada de compras, nada de roupas de mulher. Se for um meio quartilho, isso ainda vai. Vamos lá então...conhecer a nova taberna.

09 novembro 2008

OFÉLIA CLUB EM MALCATA ? SIM, MAS NÃO HÁ TERRENOS EM SALDO.














Será por aqui o Ofélia Club?



Continuam a decorrer as negociações entre a Câmara do Sabugal e os proprietários dos terrenos de Malcata, onde a Existence pretende construir um complexo turístico. A autarquia oferece 0.60 cêntimos e metro quadrado. Dizem eles que é mais elevado do que o que pagam no resto do concelho. Ora, claro está, há proprietários que não aceitam esta proposta. A Câmara do Sabugal, através do seu presidente, Manuel Rito Alves, já disse que "haverá outra reunião no final do mês, porque há pessoas que não querem vender os terrenos, mas penso que estão convencidas. Temos de lhes dar um espaço de reflexão".
Será que 0.60 cêntimos cada metro quadrado é um preço justo e aceitável? Um hectare de terreno equivale a 10.000 metros quadrados. As pessoas ouviram falar em 6000 euros por hectare. É muito euro, mas para 10.000 metros quadrados, as pessoas acham pouco.
Em Abrantes, a Câmara local está a braços com o mesmo tipo de investimento e também vai vender terrenos a 1.25 euros o metro quadrado. Diz a autarquia que este preço é um preço simbólico. E a Câmara do Sabugal não vende porque não tem terrenos em Malcata. Ou, se tivesse, aceitava vender a 0.60 cêntimos o metro quadrado?
Todos sabem a importância que pode ter este investimento em Malcata. Tenho a certeza que todos, mesmo os proprietários que reclamaram mais dinheiro pelo seu terreno, desejam que o empreendimento se construa em Malcata. O que não querem é vender ao desbarato. E lá têm as suas razões para assim agirem. Investir em Malcata, todos concordam e apoiam. Mas desejar "almoçar de graça" nem pensar!
O diálogo entre todos os interessados levará a uma boa decisão. Até ao fim do mês é tempo para reflectir.

07 novembro 2008

JORGE DEIXOU O BENFICA MAIS TRISTE

O Jorge acompanhado da sua família

Faz hoje oito dias. Não deu ainda para esquecer. É ou não a morte o fim de tudo?

A vida do homem é mesmo assim. Os anos vão passando e o corpo humano vai ficando mais frágil, mais fraco e às vezes, por várias razões, os orgãos vitais adoecem e deixam de funcionar normalmente. Não adiantam tratamentos à base de radiações, comprimidos, vacinas...o mal não desaparece do corpo. Foi o que aconteceu ao Jorge. Vivia em França com a Pascale e os seus dois rebentos. Agora, descansa no cemitério de Gesteira, ao lado de Soure.

O Jorge era benfiquista e sócio da Casa do Benfica de Soure. É de louvar a presença da bandeira da águia, solenemente transportada por um elemento da Casa do Benfica, durante toda a cerimónia fúnebre.

Como disse o padre de Gesteira, "Deus não deseja a morte do homem.Os orgãos humanos adoecem e não resistem à doença e deixam de executar as suas tarefas vitais, interrompendo a continuação da vida. Mas há outra Vida para além desta que conhecemos".