31 maio 2009

MONUMENTO AO CAMÕES

1


2-Cabeça de Lince


3- Brazão de Malcata


4


5

O espaço que rodeia o Busto de Camões já está diferente, disso ninguém duvida, pois, as fotografias mostram que de facto a Junta de Freguesia melhorou a apresentação do monumento. Contudo, penso que as obras ainda não estão acabadas. Para que a obra fique mais perfeita, no meu entender, é necessário repôr as letras que estão em falta no texto que está inscrito na placa. E porque não retirar dali o masmarracho da paragem das camionetas?
Uma sugestão: Deitar abaixo o abrigo e construí-lo no Largo da Fonte Velha.
Haja vontade e coragem para engrandecer o Camões e valorizar o património da aldeia. Tenho a certeza que a Filomena ( senhora) também apoia esta sugestão.

MALCATA: JARDIM É NOTÍCIA



Um espaço que recebe bem quem visita Malcata.O espaço não é novo, mas
destaca-se pela forma como se apresenta: muito bem cuidado. Saiba mais aqui:

http://www.novaguarda.pt/noticia.asp?idEdicao=182&id=12071&idSeccao=2480&Action=noticia


E para complementar a notícia do jornal Nova Guarda aqui vos deixo um pequeno vídeo produzido ontem, 29 de Maio, ao fim da tarde.


25 maio 2009

MALCATA: 19ª FESTA DA CARQUEJA




Ainda não foi este ano que participei na Festa da Carqueja, realizada pela ACDM (Associação Cultural e Desportiva de Malcata), que há 19 anos se encarrega de organizar um dia passado na Serra da Malcata, promovendo a carqueja e o fortalecimento das relações humanas entre todos os participantes. Segundo escreve LRC no Jornal Cinco Quinas, a festa começou logo cedo e cerca de 200 pessoas deslocaram-se até ao Espigal, mesmo lá no alto da Serra da Malcata, para de lá observarem a albufeira da barragem e procurarem cada um a sua casa, a sua rua.

Aqui vos deixo o link para verem as fotografias que o Jornal Cinco Quinas publicou:

http://www.cincoquinas.com/index.php?progoption=news&do=shownew&topic=3&newid=1467


20 maio 2009

A "GRIPE ESPANHOLA" EM PORTUGAL

Eugénio dos Santos Duarte, autor dum livro recentemente editado a que lhe deu o título de "O Baú da Memória...O Soito de Antigamente", numa das suas páginas escreveu:

«Quando a Guerra terminou surgiu uma epidemia em Portugal chamada gripe pneumónica ou “gripe espanhola”. Esta gripe matou mais de 50.000 portugueses, num curto espaço de tempo.
A nível mundial consta que este surto epidémico tenha feito perder a vida a entre 20 e 40 milhões de pessoas.
Esta gripe estava, intimamente relacionada com a Guerra, a pobreza e a falta de higiene, então existentes no nosso país.
Em Lisboa, os hospitais não conseguiam dar resposta às necessidades dos doentes. Certos edifícios tiveram que ser transformados em hospitais. Foi o que aconteceu com o Convento das Bernardas, onde foram instaladas 300 camas.
No Soito a gripe pneumónica provocou, também, várias vítimas. Um dia houve um funeral com cinco pessoas, todas vítimas dessa terrível doença.
O próprio pároco da freguesia do Soito, Padre António, faleceu vítima da gripe pneumónica, nesta época».


Hoje o mundo luta contra a "gripe mexicana". O nome desta gripe deve-se a ela ter tido início no México. Tal como nos anos da Gripe Espenhola, também esta gripe está intimamente relacionada com a pobreza, a falta de higiene das populações que habitam junto das grandes explorações criação de porcos, destacando-se uma das maiores multinacionais do ramo.
Será que a História se vai repetir em Portugal? É urgente e importante que as autoridades sanitárias nacionais visitem as várias explorações de porcos instaladas no nosso país e verificarem as condições em que estas trabalham. Prevenção e informação podem ajudar a diminuir o aparecimento de pandemias como a da gripe suína.

19 maio 2009

OS CONFRADES DO BUCHO RAIANO

Confraria do Bucho Raiano


Foi formalmente constituída, por escritura pública, no início deste mês de Maio, a Confraria do Bucho Raiano que tem como objectivo divulgar o bucho da zona raiana do Sabugal.

Confraria do Bucho Raiano:

Paulo Leitão Batista, do Sabugal,

José Carlos Lages, de Ruivós,

Paulo Terras Saraiva, da Castanheira,

António Chorão, de Aldeia da Ponte,

José Carvalho Morgado, do Soito,

Horácio Caramelo Pereira, do Sabugal.

Ler mais aqui:

http://www.novaguarda.pt/noticia.asp?idEdicao=180&id=11838&idSeccao=2445&Action=noticia


Saber mais:

Confraria é uma reunião de frades, do latim Fratres, significando irmão. É uma irmandade. Portanto, "confraria do bucho" é um grupo de amigos que se reúnem dentro de um relacionamento fraterno para degustarem, estudarem, comentarem, enfim, apreciarem o bucho, neste caso, o bucho raiano.

Não deve ter sido difícil criar a confraria do bucho. Os confrades já eram amigos e todos gostavam do bucho raiano e a ideia da confraria nasceu.

Esta é a primeira confraria gastronómica no concelho do Sabugal. Nada impede que possa haver outras confrarias, clubes ou associações. É que nem todos cabem numa confraria e no concelho existem outros petiscos gastronómicos que necessitam de serem preservados, por isso, basta outros amigos se juntarem e criarem outras confrarias e entre amigos e copos, estudos, eventos e festivais desenvolve-se a nossa região. Eu lanço algumas confrarias possíveis: Confraria da Truta, Confraria das Milharas, Confraria das Filhós, Confraria do Cabrito da Malcata, Confraria do Queijo de Cabra, Confraria da Castanha.

Todas estas possíveis confrarias podem proporcionar inúmeros benefícios, além de reunir amigos, dá-se a conhecer o melhor do Concelho do Sabugal.


16 maio 2009

A ÁGUA E O POÇO

Esta foto é da minha autoria e retrata a Burra ( cegonha para alguns ) que está no Vale da Fonte. Já tem uns anitos e guardo-a como testemunho, pois hoje burras como esta eu já não conheço nenhuma. Ao clicar na foto a imagem aumenta e dá para observar o monumento mais em pormenor. Se o compararmos com a foto que apresento a seguir, compreenderão imediatamente da urgente necessidade de acautelar o seu futuro. Há quem não se interesse por estas "coisas", mas eu sim e gostava que estas coisas a que eu chamo monumentos não desaparecessem de vez.

Os poços sempre estiveram presentes no dia a dia das pessoas da aldeia de Malcata. A água foi sempre um recurso abundante no subsolo dos terrenos da nossa aldeia. E para que a água pudesse ser utilizada as pessoas abriam poços e minas. A água das minas era fácil ficar armazenada numa presa, pois, bastava que houvesse um rego limpo que o desnível do terreno fazia o resto. O mesmo não se passou com a água que brotava no fundo dos poços. As pessoas engendraram dois métodos para esvaziar os poços: a burra e a nora. Geralmente, os poços eram abertos na parte mais elevada do campo, o que facilitava a rega do campo.Claro que não foram os malcatenses os inventores das Burras ( há quem lhes chame Cegonhas ) e as Noras.
A Burra era um engenho de tirar água a pouca profundidade. Eram feitos de madeira e basicamente eram constituídos por dois troncos articulados. Um deles era fixo na vertical e em cima tinha a forma de um V. Nesta extremidade era colocado um ferro que fazia de eixo em torno do qual rodava o outro tronco que era furado a meio para poder ser trespassado
pelo eixo de ferro.




Assim era possível a movimentação do caldeiro que ficava suspenso por um gancho metálico na extremidade do braço móvel, para se poder baixar até ao fundo do poço e retirá-lo cheio de água. Na outra extremidade do tronco móvel eram amarradas algumas pedras para fazerem de contrapeso e assim tornar o caldeiro mais leve e mais fácil de manobrar.
Junto aos poços faziam uma pequena presa onde despejavam o caldeiro de água para depois seguir pelo rêgo e assim poder regar o terreno.
No Vale da Fonte havia muitas burras ao longo da barroca que levava a água vinda da Fonte Velha. As hortas que ali existiam eram regadas com as burras ou com a água da fonte. As que ficavam situadas do lado direito tinham que utilizar a burra, dado que ficavam a um nível mais alto que a água vinda da fonte. As hortas e campos situados à esquerda da barroca, aproveitavam o desnível dos terrenos e armazenavam a águas nas presas entretanto construídas.
Normalmente nas hortas regava-se ao rêgo. Eram cavados vários rêgos na parcela de terra a regar. Cavava-se um principal e vários secundários que eram abertos ou fechados com terra, conduzindo assim a água, com a ajuda de um sacho. Chamava-se a isto virar o rêgo.
Água, bom terreno, bem estrumado e amanhado com muito carinho, as alfaces, as “tomatas”, as cebolas e as “cenoiras”, os alhos e os pimentos eram um manjar divino a que nenhum tomate ou pimento espanhol ainda não conseguiu alcançar. Os legumes cresciam nas hortas e quando eram levados para casa, ninguém resistia a uma deliciosa salada a acompanhar o jantar ou a ceia. Ainda hoje a qualidade das alfaces é notória e para demonstrá-lo basta guardar no frigorífico um pé de alface comprado num qualquer super ou hiper e ao lado colocar um pé de alface da horta que o meu pai tem no Vale da Fonte. O resultado é que ao fim de uma semana o bonito exemplar comprado no melhor super dos frescos, apresenta-se com folhas negras, parecem podres e impróprias para consumir e acaba por ir para o caixote do lixo. O mesmo não acontece com o pé de alface cultivado na horta do meu pai. Está sã, faz-se uma saladinha e ainda aguenta mais uns dias para uma boa e apetitosa salada. Não acreditam? Perguntem às pessoas que ainda amanham as suas hortas no Vale da Fonte.

A Burra que resta



Hoje, os hábitos estão a mudar e a agricultura está a sofrer com essa mudança. No meu entender, estas hortas e este tipo de agricultura familiar devia continuar a ser apoiada e até penso que os senhores das cadeias de distribuição alimentar têm aqui a oportunidade de dispôr no seu supermercado uns legumes de excelente sabor e qualidade. Tenho pena que não olhem para estas hortas e esta maneira de cultivar com visão de quem prefere vender produtos realmente de qualidade. Ganhavam todos aqueles que interviessem na cadeia e com certeza as hortas em Malcata seriam uma boa fonte de rendimento.
Como vêem, uma pessoa começa a escrever sobre burras ou cegonhas para tirar a água do poço e acabo a sonhar com os malcatenses a ganhar dinheiro com as alfaces e os tomates da horta.
Como, por agora, sonhar não paga qualquer taxa ou imposto, às vezes escrevo com as letras do alfabeto alguns sonhos que tenho quando daqui do Porto me foco na aldeia de Malcata. São apenas sonhos. Quem sabe se alguém os torna um dia em realidade! Afinal, todas as coisas começam com um sonho…

Nota: Faço um apelo ao dono da "burra" aqui mostrada que a mantenha como foi concebida.Um bom pau não apodrece e o ferro acaba ferrujento e desvirtua o monumento.

14 maio 2009

REGISTO DOS POÇOS DE MALCATA


LICENCIAMENTO DE POÇOS, CHARCOS E MINAS…

De acordo com o Decreto-Lei n° 226A12007, de 31 de Maio, todos os proprietários e arrendatários de utilizações dos recursos hídricos, que à data da entrada deste decreto-lei não disponham de título que permita essa utilização, têm que pedir as devidas autorizações / licenças / concessões de utilização, junto das autoridades competentes.

O pedido de autorizações/licenças/concessões é obrigatório para todos os proprietários de terrenos em que haja qualquer tipo de utilização dos recursos hídricos, existentes e que não esteja legalizada, sejam elas poços, noras, furos, minas, charcas, barragens e ou açudes, quer se destine para consumo humano, rega ou actividade industrial.

Em reunião realizada entre a CAP e o ministro do Ambiente, foi anunciada a decisão tomada ontem em Conselho de Ministros de prorrogar, por mais um ano, o prazo para a regularização das utilizações de recursos hídricos não tituladas. Nesse sentido, os proprietários de poços, furos, charcas, barragens, etc. que até à data não possuíam título de utilização (concessão, licença, autorização ou simples comunicação) poderão regularizar a sua situação até ao dia 31 de Maio de 2010.

De acordo com o comunicado do Conselho de Ministros, «esta prorrogação do prazo deve-se ao facto de as Administrações de Região Hidrográfica terem entrado em funções em Outubro de 2008, o que não permitiu desenvolver ainda uma campanha alargada de divulgação daquela obrigação, de forma a assegurar o maior número possível de adesões, permitindo, assim, atingir o objectivo de dispor de um inventário tão completo quanto possível das utilizações dos recursos hídricos e diminuindo o risco de sanções sobre os utilizadores não titulados.»

Ficou também acordada, na reunião de hoje com a CAP a celebração de um protocolo entre a Confederação e o Ministério do Ambiente, que irá permitir às Organizações de Agricultores colaborarem na tarefa de regularizar as utilizações de recursos hídricos não tituladas. Será, para esse efeito, constituído um grupo de trabalho para acertar as questões logísticas que irão permitir divulgar e executar este serviço aos agricultores.

O decreto-lei saiu em 2007, mas até agora poucos conheciam uma lei que irá permitir fazer um mapa de todos os recursos hídricos existentes em Portugal e da forma como estão a ser utilizados.
Se fosse uma lei em que os poços deviam ter mais condições de segurança aceitava, agora obrigarem ao registo e se não o fizerem pagam multa, é uma vergonha nacional.

Quando vem uma lei de governantes incompetentes a dizer que os poços têm que ser registados e que, se não o fizerem, pagam multa, esses indivíduos é que deviam ser incriminados, porque não legislam em sintonia com o desenvolvimento do País.

O QUE DIZ A LEI:



De acordo com o Decreto-Lei nº 226A/2007, de 31 de Maio, todos os proprietários e arrendatários de utilizações dos recursos hídricos, que à data da entrada deste decreto-lei não disponham de título que permita essa utilização, têm que pedir as devidas autorizações. O pedido é obrigatório sejam poços, noras, furos, minas, charcos, barragens e ou açudes, quer se destine para consumo humano, rega ou actividade industrial.
A Regularização deve ser feita mediante requerimento com as características da captação, localização, exploração e o relatório.
A inexistência deste, deverá ser substituída pela entrega de um relatório de peritagem técnica da captação, efectuada por um técnico com formação na área da hidrogeologia. Após apreciação será emitido o respectivo título de acordo com a legislação (Licença ou Autorização).
Só através de declaração, os serviços da Administração da Região Hidrográfica do Centro, I.P. (ARH Centro) poderão atribuir as concessões, licenças e autorizações necessárias para cada tipo de utilização.
Caso seja detectada qualquer utilização não declarada depois do prazo terminar, o seu proprietário incorre numa contra-ordenação muito grave, cuja coima mínima, para particulares, pode ir de 25 mil a 37.500 euros. No caso de pessoas colectivas, a coima pode ir de 60 mil a 2,5 milhões de euros.


A lei que está em vigor há dois anos quer fazer uma espécie de mapa de todos os recursos hídricos que existem no país. O que, no fundo, quer dizer que poços, noras, furos, minas, charcas, barragens, açudes ou descargas de águas residuais, assim como as fossas, têm de estar registados. O prazo era até ao fim deste mês. Resultado: muitas filas e falta de informação.

De acordo com uma directiva Europeia, Portugal tem que fazer uma lista de tudo o que existe debaixo da terra e a forma como esses recursos hídricos estão a ser utilizados.

Apesar de a lei ser desconhecida para muitos, está em vigor há dois anos e prevê penalizações muito pesadas.

A situação caótica nos serviços, com o aproximar do fim do prazo, levou o Governo a decidir por um alargamento. Um alívio para quem acorreu aos serviços nas últimas semanas.

O prazo para a regularização foi alargado até Maio de 2010. Os serviços sublinham que o processo é gratuito.

Será que estão a acabar com o pouco que resta do mundo rural?
Os políticos já encontraram mais uma maneira de o povo pagar mais um imposto e assim garantir o salário aos administradores das várias ARH deste país.

A Junta de Freguesia de Malcata devia informar convenientemente a população em relação a este tema.

09 maio 2009

AS ÁRVORES DE PORTUGAL

Em Portugal vamos começar a ouvir falar da " Associação Árvores de Portugal".
Trata-se de uma organização não governamental, sem fins lucrativos, criada muito recentemente por um grupo de pessoas que se uniram para proteger e dignificar as árvores de Portugal.
A primeira actividade pública desta nova associação será a organização de um seminário sob o título de "Árvores Monumentais - Importância e Conservação", a decorrer na cidade do Sabugal, nos próximos dias 25 e 26 de Junho.
Para mais informações sobre este seminário podem ser obtidas neste sítio:
Nota: Felicito a constituição desta nova associação "Árvores de Portugal" e tenho a certeza que a aldeia de Malcata saberá acolher e valorizar o trabalho desta associação.

03 maio 2009

OFÉLIA CLUB DE MALCATA: O PROJECTO DA EQUIPA DE PROJECTOS

Finalmente temos alguma informação relativa ao Ofélia Club de Malcata. Na Assembleia Municipal do Sabugal, efectuada no já passado mês de Fevereiro de 2009, o senhor Joaquim Brázia aproveitou o seu "tempo de antena" para tirar umas dúvidas que tinha na sua cabeça. E a conversa ficou assim registada na acta da dita assembleia:


A S S E M B L E I A M U N I C I P A L D O S A B U G A L
ACTA Nº 1/09
SESSÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 27 DE FEVEREIRO DE 2009

«Joaquim Brázia depois de cumprimentar os presentes disse:
Será que efectivamente nós merecemos aquilo que ganhamos aqui?
Quanto aos projectos âncora: Ligação à A23, o Cró, e o Parque de Campismo, exactamente por esta ordem. Estou perfeitamente de acordo que é extremamente importante para o nosso concelho todos estes projectos.
Agora, eu queria perguntar uma coisa, e desculpem eu voltar a insistir nisto,
mas penso que também será de primordial importância, não para o Sabugal,
não para Malcata, mas para o Concelho do Sabugal. Em que ponto de situação está o Ofélia Clube?

Em resposta o Presidente da Câmara disse “ Ofélia Clube - tive na 2ª Feira da semana passada, uma reunião com os promotores, que já têm uma equipa de projecto a fazer o projecto. Se o estão a fazer é um bom indicador, pois é porque estão interessados. Não iam gastar dinheiro no projecto se não continuassem interessados. Também sei que o projecto dos mesmos investidores, em Vila Real já arrancou, e o de Abrantes se não arrancou deve estar a arrancar. Nós continuamos com indicações de que os promotores estão interessados, e como já aqui disse, se falhar não há-de ser por culpa da Câmara.
Já se fizeram algumas escrituras, entretanto houve uma complicação, que estamos a tentar resolver, porque a senhora Conservadora entendeu agora que não é possível fazer as escrituras se não houver registo prévio. Antes entendia e fizeram-se algumas, com certidão negativa da Conservatória, mas a partir de anteontem, pelos vistos, deixou de ser possível. Estamos a ver o que se passa, para tentarmos resolver essa questiúncula, porque obviamente que é muito mais simples quer para as pessoas quer para a Câmara, fazer as escrituras com certidão negativa, do que se tiverem que previamente fazer o registo, que vai demorar uma eternidade….estamos a tentarresolver o problema. »


Ou seja, pouco mais ficou a saber o senhor Joaquim Brázia e eu também fiquei a saber que o empreendimento Ofélia Club está em projecto...disseram ao Presidente da Câmara que "está uma equipa de projecto a fazer o projecto". Claro, como a água ? Para mim não é tão claro assim. E mais pensativo fico ao saber que "como já se aqui disse ( em alguma assembleia? ), se falhar não há-de ser por culpa da Câmara.
Alguém tem alguma ideia para que a culpa não morra solteira?