24 dezembro 2011

BOAS FESTAS PARA TODOS

21 dezembro 2011

MALCATA, UMA ALDEIA COM HISTÓRIA


 Ir a Malcata, não fosse a família e os amigos, não seria uma viagem lá muito atractiva para fazer. E agora, com o pagamento de portagens mais desanimador se torna visitar uma terra do interior do nosso país e que continua desconhecida por muita gente.
   Malcata é uma aldeia aconchegada por montes verdes de um lado e um enorme espelho de água do outro. Para que a aldeia não caia, está amparada de um lado pela Serra das Mesas e do outro pela alta e fria Serra da Estrela, ficando a Serra da Malcata e a sua Reserva Natural  um pouco escondidas e talvez por esse motivo as torres eólicas estão lá a  crescer quase ao mesmo ritmo das árvores, sendo até uma espécie preferida pelos engenheiros em detrimento da plantação e preservação de outras espécies, como os sobreiros, as medronheiras e até destruindo o habitat natural do lince ibérico, aquele que já foi o mais ilustre habitante da serra da Malcata.
   A aldeia sempre esteve ligada à serra e durante muitos anos não as pessoas souberam tratar dela e ainda hoje é um dos locais mais conhecidos. Mas as pessoas não viviam na serra porque é muito alta, fria no inverno e então construíram as primeiras casas ali entre a Rua de Baixo e a Rua da Ladeirinha, indo também morar para a Rua do Meio. Os casais nessa altura trabalhavam as terras e passavam as outras horas à volta da lareira, à luz das candeias de azeite, mais tarde dos candeeiros de petróleo. Como não havia electricidade, ninguém tinha televisão e deitavam-se mais cedo do que agora. Ora os casais novos, deitados naqueles colchões de palha, duros, com cobertores por cima por causa do frio, enroscavam-se um no outro e muitas nove meses depois a família estava mais numerosa. Daí que a aldeia teve necessidade de se expandir até ao Cabeço, para o Carvalhão, para a Moita, para o Soitinho e ainda hoje continua o seu crescimento, mas muito mais lento.  Mas os braços já chegam à Rasa, à Senhora dos Caminhos e à Fraga.
   Apesar deste seu crescimento, continua a manter o seu núcleo central na Praça do Rossio, também conhecida por Torrinha e que se espalha até à Igreja Matriz. A Rua da Ladeirinha está ainda rodeada por casas construídas em pedra de xisto. Atrevo-me a afirmar que juntamente com a Rua da Moita, são o centro histórico da aldeia. Não é um núcleo rico, mas o património ainda ali existente, é um precioso testemunho histórico que merece ser protegido, preservado e é fundamental  manter como lugar de atracão para quem  visita a povoação e também para as gerações vindouras da terra.
  

CANTO E CORELA

Os nomes dos lugares, sítios, caminhos, ruas, becos, travessas, praças, avenidas ou de quaisquer outros espaços urbanos ou rurais constituem uma referência, quase sempre associada à história da localidade, que importa preservar como património cultural. Por vezes, o topónimo tem um valor expressivo de singular beleza e profundo significado. Alguns nomes de lugares sofreram alterações, consoante as designações do povo ou os registos escritos. Mas outros persistiram, sobretudo porque, consensualmente, a população os aceitou e os transmitiu às gerações seguintes.
 
   Os topónimos constituem, pois, marcas de identidade que merecem ser salvaguardadas.
   Na actualidade, a Junta de Freguesia confronta-se com a necessidade imperiosa de dar nome a todas as artérias da aldeia, para mais eficaz localização dos domicílios. Nesta tarefa de atribuição de nomes, há, no entanto, que respeitar as antigas designações e incorporá-las nos novos arruamentos e não, precipitadamente, colocar nas placas toponímicas ilustres desconhecidos ou com reduzida projecção local.
   Além disso, compete à Junta de Freguesia zelar para que as placas toponímicas das ruas sejam claras, sem erros ortográficos e facilmente compreendidas por toda a gente, mesmo as pessoas que venham à aldeia de Malcata pela primeira vez.
   Hoje venho chamar a atenção para dois casos que podem levar os menos atentos ao engano.
                                       
CASO 1


                             A) Rua Canto? Esta rua sempre foi conhecida pelo nome de Rua do Canto.
                             Ora bem escrito é o nome da Rua da Fonte. É um pormenor, mas um pormenor importante porque a preposição de ou a sua contracção com o artigo definido do, da, dos, das, podem alterar radicalmente o significado de um nome de rua, avenida ou qualquer topónimo.
                              B) Qual é a Rua Canto ( Rua do Canto ) e qual é a Rua da Fonte ? Eu que conheço a aldeia não me engano. O mesmo já não digo de uma pessoa que venha à procura de uma destas ruas. O mais certo é ter que perguntar a alguma pessoa que viva na aldeia.

CASO 2

   Ora neste segundo caso, temos uma placa toponímica bem colocada a indicar o início do Beco da Corela. O mesmo já não acontece com a placa colocada para informar o seu fim. E isto mais complicado fica quando quisermos percorrer este arruamento. Se iniciarmos o passeio pela Rua do Carvalhão, quando chegarmos junto à casa da família do senhor António Rato ( TiTó) damos conta que só podemos continuar a caminhar até à Rua da Fonte, mas passando ao lado da casa da família da minha Ti Esperança. Ora, a outra placa, ali ao lado da casa da família do senhor Raúl Coelho não tem ligação com a casa da família referida atrás. Ou será que há dois "Becos da Corela"? Na minha infância os garotos da minha idade quando queriam jogar a bola combinavam encontrar-se na Corela. Lembram-se daqueles jogos de bola ali naquela terra ao lado da casa da Ti Dulce e do Ti Coelho? Mesmo com uma inclinação do terreno, as duas equipas chutavam na bola e não faltava entusiasmo. Esta era a Corela que pertencia ao Ti João...não me lembro do apelido. A outra terra, que actualmente está ocupada com moradias, além de castanheiros, servia de eira para colocar o centeio no tempo das malhas.


 Beco da Corela ( pela Rua do Carvalhão )


 Beco da Corela ( Pela rua da Fonte )
   Também tenho a dizer que as placas toponímicas já estão colocadas há uns anos e estes dois casos não é da responsabilidade da actual junta. Mas uma vez que é a Junta de Freguesia a entidade responsável pela sua manutenção e conservação, convinha que corrigissem estes pequenos erros.
   Ainda um dia voltarei ao assunto dos jogos de bola na Corela. Talvez o Mário, o Zé Manel, o Tó, o Vitor, o João, o Fausto, o Carlos, o Manel da Corela...me ajudem a lembrar esses campeonatos de jogar a bola com balizas que não tinham poste e muito menos barra!

18 dezembro 2011

AS MINHAS HISTÓRIAS

AS GALINHAS DA AVÓ BI

A avó Bi, carinhosamente assim chamada pelas netas, vivia na pequena aldeia de Malcata. Para esta mulher, que não quis ir para terras de França, como muitas outras mulheres fizeram, a capoeira para ela não tinha segredos, mas mesmo assim entusiasmava-se sempre com as visitas das suas netas e lhes mostrava os feitos e os feitios das suas galinhas e dos seus pintos. As duas crianças ficavam a ver a avó atirar uma mão cheia de milho ou a pendurar na rede umas folhas de couve galega enquanto se riam do alvoroço de penas pelo ar quando a avó tentava agarrar uma das galinhas brancas para a mostrar.
- Posso fazer uma festinha, vó ?
-Eu também quero fazer! Vó, deixas fazer  só uma festinha?
   O aceno afirmativo transformava a pequena galinha num brinquedo, acariciado pelas mãos das duas crianças. Uma delas não resistiu a encostar a cara ao corpo quente e macio, enquanto a outra tentava meter-lhe o dedo pelo bico dentro e dizia:
-Ela morde? Ó vó, as galinhas como comem se não têm dentes?
  E a Ti Benvinda enquanto arranjava o lenço preto que trazia na cabeça, ria-se e não tirava o olhar do bico da ave, não fosse a menina vítima de uma bicada no dedo indicador e respondeu depois de ouvir outra vez a mesma pergunta:
-Comem pois! Então as galinhas têm que comer senão não crescem e depois não tenho para vos dar.
  Bá, vamos deixá-las comer o milho e vamos ali à coelheira ver os coelhos. A coelha tem lá uma ninhada de seis coelhinhos e hoje ainda não lhe dei a comida. Andai lá, vamos.
   E lá iam as três juntas para o quintal. A neve cobria todas as couves e as luvas de lã mantinham quentinhas as mãozinhas das crianças que desciam a saltitar e a cantar aquela canção
 “A todos um Bom Natal
 A todos um Bom Natal!
Que seja um Bom Natal
Pr’a todos nós!

17 dezembro 2011

MALCATA E O FUTURO


                             O futuro da aldeia de Malcata...o futuro é uma porta que está por abrir!

16 dezembro 2011

CEIA DE NATAL NO LAR DE MALCATA

   Pela 16ª vez a ASSM(Associação de Solidariedade Social de Malcata) organizou a Ceia de Natal. A solidariedade e a alegria reinou em todos os utentes do lar, direcção, funcionários, amigos e familiares.
O Jornal Cinco Quinas publicou a notícia a notícia e acompanhoou-a com estas fotografias:





   Quando alguém sonhou que Malcata necessitava de ter uma instituição de apoio aos mais idosos, era um daqueles sonhos que por vezes não passam disso mesmo, sonhos e ilusões. A ASSM começou com um pensamento, um sonho que progressivamente se tornou realidade. A ASSM é uma instituição de enorme alcance social e humanitário e que dia a dia presta variados serviços às pessoas mais idosas de Malcata. O Lar e o Centro de Dia são o trabalho mais visível do seu trabalho. Também a pensar no desenvolvimento da aldeia, nas carências que a povoação possuía quanto a um local amplo, acolhedor e com todas as condições logísticas, para encontros, congressos, convívios, casamentos, baptizados e outras manifestações culturais, a ASSM construiu e colocou à disposição da freguesia um Salão que tem sido palco de muitos eventos.
   A todos os colaboradores da ASSM envio os meus votos de um Natal Feliz.

15 dezembro 2011

MALCATA FOTOGRAFADA DO AR

Malcata fotografada do espaço tem outra dimensão. Clique na foto para ver em todo o ecrã.

Copiado daqui:
                        http://portugalfotografiaaerea.blogspot.com/2011/11/malcata.html

12 dezembro 2011

TDT: MALCATA ESTÁ PREPARADA?



 
  
Em 2012 os portugueses vão ver televisão digital em todo o país, a crer nas notícias, já a partir do dia 26 de Abril de 2012. Nesse dia serão desligados todos os emissores e retransmissores de televisão analógica em Portugal. As pessoas, para poderem continuar a ver televisão têm que ter um aparelho compatível com a TDT (Televisão Digital Terrestre). No caso de ter um televisor antigo, deverão adquirir um descodificador, cujo preço é variável e requer algumas informações suplementares no momento da compra, para que a opção seja a mais correcta. O valor dos descodificadores pode ir de 29,90 euros até aos 179 euros. Podem ser comprados nas lojas de electrodomésticos ou nas Lojas da Portugal Telecom.
      A mudança do sistema de televisão analógica para a Televisão Digital Terrestre (TDT) vai resultar numa melhoria da qualidade da imagem e som e as pessoas vão poder aceder a novas funções, como por exemplo, um menu de navegação, parar a imagem, gravar programas na hora ou programar para gravar a uma determinada hora, consoante o tipo de descodificador que comprou.
     Algumas pessoas, com necessidades especiais, poderão receber um subsídio para apoiar a compra do descodificador. Esse subsídio destina-se aos cidadãos com graus de deficiência igual ou superior a 60%, aos que beneficiem do rendimento social de inserção e aos reformados e pensionistas com rendimento inferior a 500 euros mensais. O valor desse subsídio é de 50% do valor da aquisição do descodificador TDT, até ao máximo de 22 euros e é atribuído pela Portugal  Telecom , uma única vez, por habitação. Quem possuir serviços de televisão por subscrição (paga) , deixa de poder beneficiar desse subsídio.
    A Televisão Digital Terrestre está mesmo a chegar ao Sabugal. O serviço de televisão como aquele a que a generalidade dos sabugalenses estão habituados, tem o seu fim anunciado para Abril de 2012. Todas as pessoas terão que mudar as configurações e adquirir equipamentos, com excepção, como já referi, daquelas que possuam um televisor com descodificador integrado ou usufruam do serviço de televisão pago.
   O concelho do Sabugal está enquadrado na última fase, ou seja, no dia 26 de Abril desliga-se o sinal analógico para sempre.
   É importante e relevante esclarecer os munícipes, para que cada um se possa adaptar a esta nova realidade. A Câmara Municipal e as Juntas de Freguesia podem e devem realizar acções de esclarecimentos dados os riscos e as possíveis fraudes que poderão surgir.
Deixo aqui uma pequena ajuda:

05 dezembro 2011

II JORNADA MICOLÓGICA EM MALCATA

A ACDM  ( Associação Cultural e Desportiva de Malcata ) em colaboração com a Junta de Freguesia de Malcata e com o apoio da Câmara Municipal do Sabugal, organizou pela segunda vez um dia dedicado aos cogumelos. O engenheiro Gravito Henriques, já conhecido na nossa região como um expert no que diz respeito aos cogumelos, orientou os trabalhos de campo. Foram quase uma centena de participantes, novos e menos novos, que participaram nesta actividade. A LocalVisão esteve lá e gravou esta reportagem:

22 novembro 2011

A LENDA DO PORCO




  « No tempo em que os animais falavam, certo dia o porco, vendo entrar na loja o cavalo e o burro com uma grande carga de lenha, de batatas, milho, a transpirar, cansados e desejosos  que lhes tirassem quanto antes, aquela carga, o porco, todo contente, sorridente e satisfeito batia palmas, grunhia de contentamento e, de uma maneira orgulhosa e vaidosa dizia-lhes:

- Vós sois uns autênticos desgraçados, sempre com a carga em cima de vós! Eu aqui como de tudo o que de melhor há e vós, infelizes, puxais pelo coirão, dia e noite sem descanso.
   O cavalo cansado e desanimado mas não convencido daquilo que o porco dizia, presunçosamente, respondeu-lhe:
 
- Olha porquinho duma figa, há-de chegar o dia em que tu, à noite, não vais comer nada, porque os teus patrões te vão negar seja o que for. Sabes porquê, rico porquinho? Não sabes? Mas vais saber, agora e vais ficar cheio de inveja de nós. Um dia, de manhazinha, o teu patrão vai abrir-te a cancela da cortelha. Sabes para quê? Tu vais pensar que é para ir passear, mas, enganas-te! Vão pegar-te pelas pernas, colocam-te em cima de um banco, mais ou menos do teu comprimento, espetam-te um facalhão na goela tu esperneias ali uns segundos, gritas por socorro com toda a força dos pulmões e começa a cair para o barrelhão o teu sangue em jacto...Olha, vaidoso e orgulhoso porquinho, termina nesse dia a tua boa vida. Nós, apesar de cansados, fatigados e, muitas vezes, desanimados, cá vamos andando, roncando, rosnando, algumas vezes, pinoteando, mas continuamos vivos!

  


Diz a lenda que o porco, depois deste diálogo, ficou muito triste e apreensivo, sempre à espera da noite em que lhe iriam negar a ceia. Lá se animava mais quando via entrar, à noite, o caldeiro de vianda e o despejavam na habitual pia de pedra. Então dizia para as suas longas orelhas:
   "Ainda não é amanhã, o meu último dia!"»
Autor deste texto: Manuel Martins Fernandes, no livro "Memórias de Infância...Raízes do Coração, pág.175a184.

13 novembro 2011

A BURRA E AS HORTAS

A BURRA





                 








No Vale da Fonte  muitas eram as hortas onde se cultivava de tudo um pouco: couves, cebolas, feijões, pepinos, nabos, tomates, pimentos… tudo o que faz falta à alimentação das pessoas.


Há muito tempo que estas hortas deixaram de existir, sendo actualmente locais onde proliferam as ervas daninhas, as silvas e demais vegetação espontânea, restando ainda umas poucas. A água excedentária da Fonte Velha era guardada na presa que havia no início da barroca. As primeiras hortas do lado esquerdo tinham necessidade de fazer um poço com mais ou menos profundidade, conforme o local, dado que o terreno estava mais alto do que o fundo da barroca.  Para retirar a água desses poços usavam a "burra", também conhecida noutras terras pelo nome de picota ou cegonha.









A  burra é um aparelho rudimentar, de elevar água dum poço para a superfície, normalmente com fins de irrigação das plantações vizinhas.
 Mas noutras terras tinha outros nomes: Cegonha, balança, burra, picanço, saragonha, varola, zabumba, zangarela, bimbarra, variando de região para região.
             O seu funcionamento baseia-se nas alavancas inter fixas. A burra é composta por um poste de madeira enterrado no chão que é encimado por uma forquilha, onde se coloca uma vara, fixada num eixo. Numa das pontas da vara é colocada uma pedra a servir de contrapeso. Na outra ponta é colocada em posição vertical outra vara mais fina e comprida, de maneira a ser puxada pelas mãos. Na ponta inferior desta vara é colocado um balde preso por uma argola. O peso do contrapeso deve ser de forma que não seja custoso levantá-lo quando se pretende descer o balde vazio até ao fundo do poço e que quando ele estiver cheio de água tenha o peso suficiente que permita retirar o balde cheio de água até à superfície.
   No Vale da Fonte Velha ainda há alguns exemplares destes engenhos. Na época das regas é frequente vermos os donos das hortas a tratar das suas alfaces, dos pimentos, das cenouras e das "tomatas", que é o mesmo dizer tomates, bem como daquela infinidade de legumes típicos da horta raiana.
   Por agora ficamos por aqui. Voltarei ao assunto das hortas daqui a uns dias.
   



  







  
























    


12 novembro 2011

HOMENAGEADOS 2011 NO SABUGAL

Os homenageados de 2011 pela C.M.Sabugal

O Dia do Concelho do Sabugal aconteceu pela primeira vez no recente dia 10 de Novembro. Hastearam-se as 40 bandeiras das 40 freguesias do concelho, celebraram-se os 715 anos da atribuição do Foral pelo Rei D.Dinis e pela primeira vez teve lugar em sessão Solene, no Auditório Municipal, foram homenageadas personalidades e instituições . Aos trabalhadores da Câmara com 15, 25 e 35 anos de serviço foi-lhes entregue a respectiva medalha. A Associação Humanitária dos Bombeiros do Sabugal e a Associação Humanitária dos Bombeiros do Soito foi-lhes atribuída a medalha de Mérito Cívico do Município do Sabugal. Manuel António Pina, escritor e jornalista que nasceu na cidade do Sabugal, foi condecorado com a Medalha de Mérito Cultural do Município do Sabugal.
Para o próximo ano outros homenageados se seguirão.



11 novembro 2011

PINTAR MALCATA 2011

Este ano a iniciativa Pintar Sabugal, Pintar Aldeias, foi como todos sabem, realizado na aldeia de Malcata. Mais de 50 artistas, a maioria em representação da Gart, a convite da ADES estiveram dois dias na nossa terra e cada um pintou na tela o que sentia no seu interior.


 A ARTE DE Lenoviy Klimco

 
Klimco nasceu a15 de Maio de 1951, na Ucrânia, é membro da União dos Jornalistas da Ucrânia.
Desde 1971 até 1975, estudou no Instituto de Tipografia Ivan Federov de Lviv, na Faculdade de Literatura e Redacção, universidade onde absorveu uma atmosfera de grande nível artístico e intelectual que se vivia, considerada das mais prestigiadas na época, em toda a União Soviética.

Trabalhou como correspondente, repórter fotográfico e ilustrador em jornais, e também como redactor técnico-artístico na secção de revisão editorial na editora “Oblpoligrafvdav”, da cidade de Ivano-Frankivsk.

Em 1986 ilustrou cartazes de propaganda e informação sobre temas agrícolas, tendo sido classificado em segundo lugar, no concurso organizado para o efeito.




Em Portugal desde 2000, obteve em 2004 uma Menção Honrosa no concurso de pintura e escultura da Académie Européenne dés Arts.

Participou em inúmeras exposições colectivas em Portugal, entre as quais se podem destacar as realizadas nas cidades de Lisboa, Almada, Torres Novas, Sintra, Lagos, …









Leoniy Klimco, pintor de origem ucraniana, é um dos artistas do grupo Gart que participou no Pintar Aldeias deste ano. Os seus trabalhos têm sido vistos e admirados um pouco por todo o mundo. Homem das artes e homem culto, deixou aos leitores do jornal Cinco Quinas estas palavras:
          "As pessoas estão menos interessadas pela cultura. Os gostos dos portugueses passam por uma garrafa de cerveja, futebol e um televisor"!
                                                       
CONHEÇA MAIS O ARTISTA aqui:

Zenoviy klymco

06 novembro 2011

OBRAS NA RUA

 Aqui termina a Rua Braz Carvalhão

 A Rua Braz Carvalhão termina ali ao fundo, junto ao poste que suporta os fios da luz (EDP). Vindo da Rua do Carvalhão entramos na Rua Braz Carvalhão temos que ter forças nas pernas para continuar até ao fim do arruamento. E já há bastante tempo que as pessoas da aldeia sentem e falam da necessidade de continuar esta rua até se encontrar com a Rua do Cabeço, mesmo ali junto à casa do senhor Mário e da sua oficina de serralharia, que depois nos leva ao antigo quartel da Guarda Fiscal.
 Todo este espaço ao lado direito do muro de cimento foi cedido pelos seus donos, aquando da construção das suas casas, para permitir a abertura da rua, deixando terreno suficiente para se abrir uma via normal e direita.
 O tempo foi passando e o novo arruamento nunca saiu das intenções das pessoas, apesar da grande utilidade e mais valia para a aldeia e em particular para os donos das terras desta zona. Tudo foi deixado fazer, ninguém alertou para a posição da casa que aqui foi construída.


  A foto mostra o erro de construção, pois este arruamento é estreito, não tem continuação e logo não tem ligação com aquele espaço que os outros senhores quiseram deixar livre para a eventualidade de alguma vez a Junta decidir abrir uma rua. Mas como se pode observar, ao lado direito desta casa há ainda terreno para alargar a rua. Interrogo-me porque razão essa opção não foi tomada pela Junta de Freguesia agora que decidiu construir o novo arruamento. E qual a razão deste acesso empedrado e pago pela população da aldeia e que apenas beneficia aqueles que agora se recusam a ceder terreno?



 Esta casa está, a meu ver, mal alinhada pelo espaço de terreno deixado pelos outros proprietários, por exemplo, pelos meus familiares, que na altura pensaram e bem, deixar espaço para futuramente construir-se uma rua como deve ser.

E AS OBRAS COMEÇARAM...mas o que vi, não vai ser assim

Foi o que eu ouvi falar em Outubro. Estive no local e surpreendeu-me a curva da nova rua. Mais tarde, fiquei a saber que a rua vai mais para baixo, alguém não concordou com o traçado e quer que o "mal" seja dividido por todos. Ou seja, a coisa é assim como que "se eu fico sem uns metros de terra, o outro também tem que dar o mesmo terreno"! E as obras estavam assim:








Não sei como vai ser o traçado desta rua, mas tudo isto podia ser evitado. As ruas antigas são como são e todos sabemos que às vezes estreitam demais para alguns tipos de viaturas que actualmente circulam na aldeia. Novos arruamentos têm que ser mais bem pensados e há que fazer um trabalho de sensibilização à população para que estas situações não se repitam. Vamos ver no que esta obra vai dar!