19 junho 2015

COSTUMES E TRADIÇÕES EM MALCATA

 Procissão na Fonte Velha(1984)

   O nosso planeta Terra está sempre em rotação e não pode parar de percorrer esse caminho porque as consequências seriam catastróficas e tudo acabaria para todos. E porque o mundo não pára, a vida continua, mesmo que a cada instante ocorram mudanças. Dou razão ao poeta que escreveu que “mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”.

   Toda e qualquer mudança afecta em maior ou menor escala a nossa consciência e depressa chegamos à conclusão que tudo neste nosso Mundo é transitório e nada é para sempre. E esta transitoriedade aplica-se aos regimes políticos, aos governantes, aos lugares, aos costumes e às pessoas e todos seres vivos.
   Aquilo que foi já deixou de ser. Aquele lugar, aquela rua ou aquela casa mudou, desapareceu e deixámos de ver como víamos, deixámos de ver como era. O mesmo no que respeita ao desaparecimento de pessoas, porque são mortais, mas pelo seu carácter, ensinamentos e originalidade de vida, deixaram marcas em Malcata; também desapareceram profissões e estilos de vida com o desaparecimento das pessoas que aprenderam uma arte e a invasão tecnológica ajudou a que fossem substituídas por ferramentas mais produtivas e mais ao alcance de mais pessoas. Também desapareceram algumas expressões e palavras que foram substituídas por outras, algumas até estrangeiradas e que acabaram com outras mais simples mas carregadas de realismo.
   Acredito que o tomarmos consciência de uma Malcata em desaparecimento, porque a nossa aldeia também está em constante mudança, torna-se urgente e importante salvaguardar os costumes, os usos e as memórias desta terra, destas pessoas. É importante salvaguardar o passado e esta coisa dos usos e costumes interessa a todos. Aos mais velhos, dá-lhes a oportunidade de reviver e lembrar as suas vidas e que ainda vivem quotidianamente; para as gerações mais jovens, esta salvaguarda e registo é mais uma ferramenta ou instrumento de contacto com as suas origens e em que assenta o seu presente e identidade; para os outros cidadãos desligadas de Malcata, mas interessados por alargar os seus conhecimentos, é a oportunidade de conhecer um conjunto de valores que levou à construção da comunidade malcatenha e que faz de cada pessoa,em especial, de cada malcatenho, aquilo que hoje é na vida.

Albufeira da Barragem do Sabugal
(Foto by Liliana Corceiro)

   

11 junho 2015

APOIOS AOS EMIGRANTES QUE QUEIRAM INVESTIR NO CONCELHO DO SABUGAL - E HÁ TANTO PARA FAZER !



  É costume dizer que a vida está cheia de oportunidades e que o importante é estar atentos e quando elas nos surgem, o melhor a fazer é apanhar a oportunidade que pensamos ser a nosso favor.
   Li um jornal desta semana que o Governo quer apoiar os emigrantes portugueses que desejem e queiram criar negócios em Portugal.
   “Vamos ajudar as pessoas a estruturar as suas ideias  a sair com um dossier, ou podemos ser nós a dizer às pessoas: “Olhe, não avance, o projecto precisa de ser afinado”, disse um secretário de Estado português.
   Trata-se de promover o regresso de portugueses ao nosso país. Há apoios para grandes projectos e micro-projectos, que não existiam para os emigrantes. Os projectos  ligados às regiões e os empreendedores que conheçam a realidade empresarial dos locais onde se quer realizar o negócio assumem enorme importância  para a concretização dos mesmos.
   E as coisas vão passar-se assim: as comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional vão dirigir ao Alto Comissariado para as Emigrações um convite, com as medidas que querem ver executadas.
   Cerca de três milhões de euros  até 2017 estão inscritos nos Programas Operacionais Regionais(POR) para apoiar as iniciativas dos emigrantes no nosso país, na nossa região do Sabugal também. E para além deste dinheiro, outros milhões também vão estar ao dispor dos emigrantes para concretizarem negócios, alguns mais pequenos, através de concursos de ideias, como o VEM-Valorização do Empreendedorismo Migrante. Outra parte servirá para criar um sistema que ajude os emigrantes a concorrer com as suas ideias a outros programas de financiamento comunitário do Portugal 2020, nomeadamente o POISE ( Programa Operacional Inclusão Social), e o POCH (Programa Operacional Capital Humano) com muitos milhões disponíveis para apoio de iniciativas.
   Ora, sendo o nosso concelho, o Sabugal,  uma região com um grande número de emigrantes, esta pode ser uma excelente oportunidade para que alguns dos nossos conterrâneos regressam à nossa região e nela decidam investir, criar negócios que gerarão trabalho, desenvolvimento, bem estar para todos.
   Os emigrantes do nosso concelho devem estar atentos a estas oportunidades e aqueles que se acharem com capacidade empreendedora, têm aqui uma boa ajuda.
   No aproveitar é que está o ganho!