28 setembro 2015

MALCATA COM FUTURO



AMCF nasceu de uma iniciativa de cidadãos livres, desejosos de exercer uma cidadania pró-ativa, fora das lógicas político-partidárias- administrativas habituais....
Aos espíritos receosos queremos frisar e deixar claro que não pretendemos substituir, mas complementar, juntando, cooperando. Não pretendemos constituir uma ameaça, mas antes ser uma oportunidade. Não pretendemos enfraquecer, mas fortalecer. Haja vontade politica e tudo será mais fácil, para todos, a bem da Malcata.
Parte superior do formulário
Parte inferior do formulário


Na sua primeira reunião alargada a Direção da AMCF, tomou 7 iniciativas:

1
) Para, simbolicamente, contrariar a dinâmica de envelhecimento e desertificação social e económica:
Passar a atribuir, mediante determinadas condições, cheques – brindes a jovens famílias residentes.

2) Para progredir no conhecimento do nosso território e enaltecer o contributo científico de um saudoso malcatenho:
Estabelecer o prémio “José Rei”, para uma tese de mestrado, na Universidade da Beira Interior (UBI), que, partindo dos estudos realizados e traduzidos em livro, por aquele nosso conterrâneo, identifique os potenciais de crescimento e as barreiras ao desenvolvimento do nosso território

3) Para pugnar pela ampliação de valores de cidadania:
Avaliar, anualmente, a possibilidade de atribuição de três menções honrosas, a pessoas que se distinguiram, no nosso território, pela prática de valores sociais, ambientais, económicos, desportivos, etc, sendo uma para uma pessoa singular, outra para grupos de pessoas singulares e a terceira para pessoa coletiva. A decisão será anunciada no início de cada ano e será reportada ao ano anterior. Em cada ano a Direção reserva-se o direito de não atribuir alguma ou todas.

4
) Para valorizar a beleza da nossa aldeia:
Estabelecer um Prémio a atribuir, em finais da Primavera de 2016, a proprietário (a) de casa com o melhor enquadramento floral.
Será uma realização conjunta entre a AMCF e a ACDM (Associação Cultural e Desportiva de Malcata)
5) Para divulgar Malcata:
Lançar um concurso de fotografia em 2016 
Será uma realização conjunta entre a AMCF e a ACDM (Associação Cultural e Desportiva de Malcata)

6) Para apresentar oportunidades de investimento:
Divulgar, desde já, nas redes sociais, e no site da AMCF (www.malcatacomfuturo.pt), o conjunto de projetos que a AMCF se propõe apoiar, estimular e valorizar.
Veja "Oportunidades" no site www.malcatacomfuturo.pt

7) Para envolver a população na preparação do Plano de Atividades 2016:
Efetuar, em meados de Outubro, uma audição pública, centrada no tema: “Como gostaria de ver Malcata daqui a 10 anos?”
 Consultem a página da AMCF aqui:

18 setembro 2015

O PAREDÃO SALVADOR

Planta da albufeira da barragem do Sabugal
 A Barragem do Sabugal foi concluída no ano 2000 e integra o projecto de Regadio da Cova da Beira. A albufeira desta barragem funciona como reservatório de água, permitindo a transferência da água para a albufeira da Barragem da Meimoa, através do túnel de ligação existente entre estas duas barragens.
   A albufeira da Barragem do Sabugal tem capacidade para armazenar 114 milhões de metros cúbicos de água e uma superfície inundável de 732 há, ao nível de pleno enchimento.
   Tratando-se de uma albufeira situada numa zona de protecção ambiental, como é a Reserva Natural da Serra da Malcata e dado que a sua água também é utilizada para abastecimento de populações, foi necessário aprovar o Plano de Ordenamento para a albufeira.
   A 11 de Setembro de 2008 o então Conselho de Ministros aprovou o POAS (Plano de Ordenamento Albufeira Sabugal).
   A 19 de Março de 2015, o Conselho de Ministros aprovou a alteração do Plano de Ordenamento da Albufeira do Sabugal, deliberação que foi recebida com satisfação pelo presidente da câmara que iniciou o processo em Março de 2010. E a Resolução do Conselho de Ministros n.º 17/2015, foi publicada no Diário da República 1.ª série — N.º 66 — 6 de Abril de 2015.
   A decisão foi tomada "de forma a adequar as opções do plano [de ordenamento] para o espaço de recreio e lazer da referida albufeira, mantendo a capacidade de carga estipulada e a área de ocupação delimitada na respectiva planta de síntese", indicava esse comunicado do Conselho de Ministros.
   Também a Câmara Municipal do Sabugal, através da voz do seu Presidente, António Robalo, se congratulou com a decisão tomada e ficou registado como “ um dia feliz. É uma boa nova, porque vai permitir outra capacidade de edificação, outra distribuição espacial do edificado e mais qualidade num projecto de alojamento turístico".
   Então quais foram as alterações ao primeiro POAS da albufeira?
   O Conselho de Ministros resolveu:  1 — Alterar o artigo 21.º do Regulamento do Plano de Ordenamento da Albufeira do Sabugal, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 172/2008, de 21 de Novembro, que passa a ter a seguinte redacção:
«Artigo 21.º
Espaço de recreio e lazer da albufeira do Sabugal
4 — As novas construções não devem exceder o limite máximo de dois pisos, salvo quando se tratar de estabelecimento hoteleiro, que pode dispor de três pisos, desde que a respectiva construção se revele adaptada às características morfológicas do terreno e tenha uma distância do NPA de, no mínimo, 150 m.
10 — A piscina flutuante admitida nesta área deve localizar-se na zona de recreio balnear e o respectivo projecto deve prever soluções técnicas que se adaptem às variações do plano de água.

Continua....




Albufeira cheia...
mas quando a Cova da Beira precisa de água para
regar...


 ...vem à memória de todos os malcatenhos aquele "paredão" que prometeram construir e que tanta falta faz para alavancar o desenvolvimento da vertente económica e turística da albufeira que rodeia Malcata. Observem as duas fotografias e partilhem o que sentem, o que poderia ser diferente se esse tal "paredão" já estivesse construído.
   É claro que o dito paredão deve ser objecto de projecto e deve ser aprovado pelas entidades competentes. Será para quando? Alguém que nos ouça!

A GRANDE APOSTA PARA MALCATA GANHAR

Envolvida pela Serra da Malcata, pela Reserva Natural da Serra da Malcata, pelo Parque Eólico e pela Albufeira da Barragem do Sabugal, a freguesia de Malcata, com um pouco mais de trezentos habitantes, tem no associativismo uma força que merece ser tida em conta. Veja-se o caso da AMCF (Associação Malcata Com Futuro) que foi criada em Julho de 2015 e tem objectivos bem definidos: desenvolvimento sustentável de Malcata. José Escada, presidente da associação e a sua equipa, querem manter activa a aldeia e acreditam que projectos e ideias não lhes faltam.
   Nos dias de hoje, Malcata é essencialmente caracterizada pela agricultura de subsistência não tendo assim uma fonte forte e específica que gere rendimentos suficientes para que as pessoas possam depender economicamente dela.
   Com os olhos postos no presente e no futuro, os objectivos da Associação Malcata Com Futuro, passam sem dúvida por ajudar a garantir um modo de vida digno aos malcatenhos e a todos os que venham para cá viver.
   Malcata conta já com uma forte força associativa e colectividades como a ASSM (Associação de Solidariedade Social de Malcata), que gere o Centro de Dia, o Lar e Residência para idosos, a ACDM (Associação Cultural e Desportiva de Malcata) que tem organizado diversas actividades culturais e desportivas. São dois exemplos da dinâmica e da participação na vida da comunidade.
   E desde Julho de 2015, a AMCF (Associação Malcata Com Futuro) vem juntar-se e reforçar o movimento associativo em Malcata.
   Sendo o turismo um dos pontos fortes de Malcata, que em boa verdade, não está devidamente aproveitado, com o meio natural que envolve Malcata, não é difícil concluir que o futuro desta terra passa pelo desenvolvimento do turismo sustentável, pelo turismo rural e de natureza. Desta forma, não é difícil para a Associação Malcata Com Futuro afirmar que Malcata tem mesmo um futuro risonho à sua frente.
   Como membro da AMCF quero aqui deixar uma mensagem de esperança nos próximos anos, quero que acreditem nos objectivos e capacidades desta nova associação, deixando também uma mensagem de confiança porque penso que na verdade os malcatenhos vão ser mais pro-activos, mais corajosos e aventureiros.





04 setembro 2015

OS SONS DE MALCATA



 Quais são os sons de Malcata?
 O que se ouve na nossa aldeia quando paramos para ouvir o que se passa à nossa volta? Alguns ruídos, música e silêncio sentimos quer queiramos ou não.


  Malcata tem  património
sonoro?
  O que distingue ou distinguiu a paisagem malcatenha das outras?
   Olhamos muitas vezes para a paisagem que nos rodeia, mas raramente a escutamos.


   Hoje os sons de Malcata começam a ser outros. Antigamente, por exemplo, em Agosto, lançavam-se muitos foguetes, tocavam-se muitas vezes os sinos da igreja. Hoje em Agosto deixámos de ouvir o estoirar dos foguetes e os sinos da igreja já não tocam tantas vezes, até durante as procissões deixaram de se ouvir.
   É desejável saber ouvir a paisagem, os seus sons e os seus silêncios, as pessoas e os animais em Malcata.

 

 

02 setembro 2015

PARAFUSOS À MOSTRA SÃO PERIGO NA PONTE NOVA DE MALCATA



   Costumamos dizer que cada panela tem a sua tampa. E no caso que vos trago aqui hoje posso afirmar que também cada parafuso tem o seu capacete, a sua tampa.


Ponte Nova de Malcata

   Até hoje, que eu saiba, ninguém teve problemas ao atravessar a ponte para lá ou para cá. Por esta ponte não passam só veículos motorizados, bicicletas e carros puxados por um burro, porque em Malcata as juntas de vacas desapareceram, já não há vacas a puxar carros de estrume e outras coisas para os campos. Por aqui também passa muita gente a pé. E pelo que podemos ver na fotografia, os automobilistas que por aqui passam sentem-se seguríssimos, porque protecção lateral não falta. E para as pessoas que passam a ponte a pé em passeio com os amigos e conversando enquanto vão caminhando, outras em passo mais de corrida para manter a linha, o passeio é seguro? 



 Pouco espaço entre dois postes e parafusos
podem causar vítimas






Uns são pequenos demais...





 Outros parafusos estão altos demais...





A luz do dia não afasta o perigo




 Altura de parafuso desnecessária e sem protecção




A ponte é uma passagem
    Lanço aqui um alerta às entidades responsáveis pela segurança e manutenção desta obra para procederem a uma rigorosa inspecção, nomeadamente aos parafusos que suportam os postes de iluminação e aos suportes dos railes metálicos, que ainda por cima têm a forma de um U e que também podem representar um enorme perigo se uma pessoa ao tropeçar num dos parafusos que sobressaiem do chão, batam com o corpo nas suas afiadas arestas.
   A segurança para todos os que atravessam esta ponte é prioritária e a tranquilidade das pessoas e veículos deve ser a prioridade a ter em conta.