30 setembro 2008

A VIDA É BELA













27 setembro 2008

OFÉLIA CLUB EM TERRAS DE MALCATA


Ofélia Club em terras de Malcata?
A acreditar nas notícias que estão a ser divulgadas pela Câmara Municipal do Sabugal, Malcata vai ser escolhida pelo Grupo Existance, S.A., para construir um empreendimento médico-social no valor aproximado dos 50 milhões de euros.

Barragem do Sabugal(Vista por satélite)
Para mais pormenores sobre este grande investimento, podem ler o blogue Capeiaarraiana ou o Jornal Cinco Quinas.
Caso este empreendimento venha a ser concretizado, muita coisa vai mudar em Malcata. Actualmente a aldeia não está preparada para uma transformação tão grande. É uma oportunidade de trabalho para muitos. E começam com a possibilidade de a empresa construtora recorrer à mão de obra dos habitantes de Malcata, os que para lá vierem trabalhar vão necessitar de dormir, de comer, de se divertir...e depois da obra pronta, os utentes das residências vão querer conhecer a aldeia, desejarão de vez em quando sair dos quartos e ir até à aldeia comer um naco de pão cozido no forno do Rossio, acompanhado de um saboroso queijo de cabra fornecido ao Café Lince ou ao Bregas Bar ou à Tasca do Manel e porque não sentarem-se na esplanada do Café Camões! E quando abrir o Restaurante...vão querer saborear o cabrito assado no forno...daqueles que andam na serra e todos lhe conhecemos a qualidade da carne.
Tudo pode acontecer. Agora, o importante é que o projecto seja sério, bem projectado e concebido e que os senhores da Existance,S.A. e Ofélia Club, ponham mãos a caminho, como o já estão a fazer em Abrantes.

26 setembro 2008

SABUGALENSES À PROCURA DE FAMILIARES


Chegou à minha caixa de correio electrónico esta mensagem:

---------- Forwarded message ----------
From: Facebook <
notification+ymsnak4a@facebookmail.com>
Date: 2008/9/12
Subject: Paula Piris sent you a message on Facebook...






"...a tentar reconstruir a minha história familiar, buscando família em Portugal. Meu nome é Piris. Meu avô era Alexandre Piris dos Santos, nasceu em Valle de Espinho, Sabugal. Sua mãe era Clara Martins e do seu pai, Alexander Gabriel Piris dos Santos.
Pedimos desculpas por qualquer problema ... quaisquer dados será muito útil ...
Obrigado".
Paula Piris
--------------------

To reply to this message, follow the link below:
http://www.facebook.com/n/?inbox/readmessage.php&t=1043772649336

Quem puder ajudar esta "menina" ou "senhora" a encontrar alguém ligado à sua história familiar...

25 setembro 2008

ANTÓNIO ROBALO, O TERCEIRO


CANDIDATO Nº 3

António Robalo, actual vereador da Câmara do Sabugal, é o terceiro candidato a ocupar o lugar de Presidente.

É natural da Ruvina, vereador há 11 anos na Câmara sempre eleito pelo mesmo partido, o PSD.

A candidatura foi dada a conhecer oficialmente através deste comunicado:


Comunicado

Em reunião ordinária de 24 do mês em curso, a Comissão Política de Secção do Sabugal, estando presentes a totalidade dos seus membros, entre outras questões partidárias de âmbito local, aprovou por unanimidade sob proposta do Presidente da Secção, a indigitação do Eng. António Robalo para encabeçar a lista de candidatos à Câmara Municipal do Sabugal nas próximas eleições autárquicas do concelho.
A sua indigitação para além das suas qualidades e competências pessoais teve ainda em conta a sua experiência autárquica e conhecimento dos dossiers Municipais, condições consideradas relevantes no âmbito do QREN - Quadro de Referência Estratégico Nacional.

O Presidente de Secção

Manuel Corte

Comentário: Quem me explica isto: No comunicado lemos que "aprovou por unanimidade" a indigitação do Engº.António Robalo para liderar a lista do PSD à Câmara do Sabugal. Vamos ler o artigo escrito a 25 de Setembro no blogue "Capeiaarraiana" e lemos que "A decisão não foi unânime mas mereceu a maioria dos votos entre os elementos da comissão política".

22 setembro 2008

OS ITALIANOS PESCARAM MAIS TRUTAS

O Jornal de Notícias foi dos poucos jornais de cobertura nacional a dar importância ao campeonato do mundo de pesca da truta, realizado este passado fim-de-semana, na cidade do Sabugal.

«Craques da pesca à truta estão no Côa


LUÍS MARTINS
Alguns dos melhores pescadores do mundo estão a medir forças com as trutas do rio Côa, palco da XVIª edição do Mundial desta modalidade com isco vivo. No Sabugal, italianos defendem título que mantêm há 15 anos.
Um objectivo quase garantido ao fim da primeira jornada, em que os transalpinos já lideravam a prova folgadamente. Estes 'galácticos' da pesca de correntes são semi-profissionais e parecem inalcançáveis.
"Estão a anos luz dos restantes concorrentes. A França bem tenta, mas persegue o título há 15 anos", confirma António Sandiares. O presidente da Federação Portuguesa de Pesca Desportiva, que organiza este Mundial juntamente com a autarquia local e a federação internacional, não esconde que os outros pescadores só estão ali para disputar os lugares que sobram e, sobretudo, aprender com a maestria italiana na arte de tirar trutas.
O material também ajuda. Enquanto os adversários despenderam, em média, cerca de 1.500 euros para serem "mais ou menos competitivos", os italianos gastaram cinco mil.
"Por isso é que não dão hipóteses", acrescenta o dirigente. Neste caso, onde o que importa é a quantidade de peixe pescado, a técnica e a capacidade de entender o rio são os principais requisitos.
Mas também muita paciência e nervos de aço, pois a competição decorre sem lugares marcados nos respectivos sectores.
"Podem pescar encostados uns aos outros, pelo que é preciso muita preparação para não se ir abaixo caso o pescador do lado tire mais peixe do que o vizinho", refere António Sandiares.
Ontem de manhã era vê-los a correr de um lado para o outro na perseguição das esquivas trutas do Côa. Repartidos por cinco sectores ao longo de um quilómetro, entre a ponte da açude e …, os melhores - os italianos, está bem de ver - tiraram mais de 20 exemplares, imediatamente devolvidas ao rio, uma das características deste Mundial.
Outra é que a competição também pode contribuir para repovoar o rio, já que foram introduzidas três mil trutas fario, a espécie autóctone do Côa.
De resto, o presidente da Federação elogia as "condições extraordinárias" deste rio, que nasce no concelho raiano, para a prática da modalidade e a sua limpeza, a tal ponto que pode vir a receber uma prova internacional de pesca à pluma.
Já Manuel Rito, presidente da autarquia, espera que a prova valorize este recurso turístico e económico. Basta só que os sabugalenses se mentalizem que "o peixe vivo tem mais valor económico do que morto", considera, adiantando que está em estudo a criação de uma pista de pesca no Sabugal. »

21 setembro 2008

CAMPEONATO MUNDIAL DE PESCA DA TRUTA NA CIDADE DO SABUGAL


Onde estão os meios de comunicação social? Espreitei os vários noticiários das televisões, comprei o jornal e nada. Na internet vai havendo alguma informação, principalmente nos blogues e nos jornais regionais. Se o campeonato da pesca à truta contasse com a participação do José Socrates, da Manuela Ferreira ou do Castelo Branco, não iam faltar imagens nas televisões e revistas. Nem que fosse para mostrar ao país a habilidade destes "amantes" da pesca à linha e sempre daria para saber a paciência deles e todo o país VIP ficaria a saber os pormenores da prova.
Sabugal merecia mais atenção e mais apoio quando organiza eventos desta envergadura. O país não é só Lisboa ou Porto e o futebol tem de deixar de ser o alvo principal dos meios de comunicação social. Há mais vida para além do futebol e este 16º campeonato do mundo honra a cidade e o concelho do Sabugal. Quando um evento desta envergadura é realizado no interior do país é porque alguém trabalhou para que tal aconteça. É assim que se combate a desertificação e o esquecimento da nossa região. Não é um ALLGARVE, mas é uma região com o rio Côa, com trutas como não há noutras águas. Sabugal também é Portugal.

17 setembro 2008

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA


... dia 15 de Setembro de 2008
A minha filha revoltada prometeu-me “Pai, quando for grande, eu e o mano, vamos abrir a escola outra vez”. Ela só deixou de chorar pelas 11 horas da manhã, quando ouviu o seu antigo professor dizer “tem calma, eu estarei sempre aqui, na sala ao lado
Dificilmente se apagará da minha memória aquilo que vivi no dia 15 de Setembro de 2008 na freguesia de Baraçal. Algo de surrealista que nunca pensei experimentar na minha vida. Abracei a minha filha às 8 da manhã para lhe dizer que era dia de voltar à escola. Já tínhamos tudo preparado do dia anterior, mochila, livros, canetas, lápis, etc.. Ela levantou-se muito satisfeita, iria reencontrar o seu professor (aquele de quem tinha falado mais de 1000 vezes durante as férias), a sua cadeira e a sua escola. Tão feliz que ela ia…
Nada! O professor não chegou… Eram 9.30 e nada! Nem professor, nem noticias, nem NADA! Um autocarro da firma Viúva Monteiro, Lda. Chegou logo a seguir. O condutor, educadamente, comunicou que vinha buscar as crianças com destino à escola do Sabugal... A minha filha desatou aos gritos “ Eu não quero ir para o Sabugal, quero a MINHA escola!”. Ouvi da boca das crianças palavras nobres, palavras “ocas” para alguns, mas que soam como bombas nos meus ouvidos “Eles são pessoas más, pois não pensam no sofrimento das crianças”. Um homem não chora, mas as lágrimas forçaram a saída.
Arrasado foi tomar um café, na única cafetaria da aldeia, onde deparei com a dona lavada em lágrimas. Chorava pela falta das crianças, pela falta do professor (que todos os dias ali ia almoçar), pela falta dos pais que ao levar as crianças ali paravam para tomar o café. Confessei que nada mais podia fazer e as lágrimas também voltaram a assomar.
Ao sair do café deparei com uma senhora a chorar e a dizer “Já nos levaram os nossos meninos, só conheci o Alexandre, mas iam lá os outros todos. Que serás de nós, sem o barulho das crianças, sem a sua alegria?”. Para ela, avó de QUATRO das crianças, e para toda a população o choque foi grande. Acabámos de perder a única coisa que ainda tínhamos!
Para quem tem tudo não percebe este sentimento. Revoltam-se quando ouvem falar no fecho do serviço de urgências, ou no encerramento do Tribunal, mas não se compadecem daqueles que até o pouco que têm lhes é arrebatado.
Fiquei triste, amargurado e desiludido com o “sistema”. A política não é o que eu pensava, não se age a pensar no bem comum, mas sim no bem de alguns. Se são necessários alunos aqui então vamos buscá-los ali, custe a quem custar. E não me venham com a treta do costume “e a qualidade de ensino?” quando sabem perfeitamente que a escola do Baraçal tem MUITO melhores condições para o ensino que a do Sabugal. “Mas são poucos alunos, e assim não aprendem a viver em sociedade” dizem eles. Pois é, era bom que não aprendessem a viver nesta sociedade hipócrita, era bom que aprendessem o verdadeiro significado da palavra justiça e solidariedade…A minha filha revoltada prometeu-me “Pai, quando for grande eu e o mano vamos abrir a escola outra vez”. Ela só deixou de chorar pelas 11 horas da manhã, quando ouviu o seu antigo professor dizer “tem calma, eu estarei sempre aqui, na sala ao lado.” Como dizia uma menina, eles não sabem o sofrimento que causam nas crianças. Eu acrescento - eles não sabem a dor que causam quando nos sentimos pisados.
Por: Luís Carlos Lages




Este artigo foi publicado no jornal "Cinco Quinas" e não pode ficar esquecido. Eis o retrato real do estado em que está a educação no nosso país. Li, acreditei e não posso ignorar. Façam o mesmo.

A EDUCAÇÃO ANDA ASSIM NO SABUGAL!!!


Um pai disse-nos
que, até hoje de manhã, não tinha tido qualquer comunicação se o seu filho iria este ano para o Sabugal, ou permanecia na escola do Baraçal.

«Eu fiquei sem saber de nada. Perguntei mas ninguém me soube responder a isso», disse, explicando que hoje ficou até às 9h30 à espera da abertura da escola, quando viu vir o autocarro que os transportou para o Sabugal.
Questionado sobre o facto de não o avisarem disse ser «muito mau», «devia haver uma comunicação por escrito, a avisar os pais com antecedência.»

14 setembro 2008

PLANO DE ORDENAMENTO PARA A ALBUFEIRA DA BARRAGEM DO SABUGAL

Foi aprovado no Conselho de Ministros de 11 de Setembro passado o Diploma com o Plano de Ordenamento da Albufeira do Sabugal.Depois de ter andado em discussão pública, finalmente, o assunto fez parte da agenda dos ministros. Ao ler o comunicado desse Conselho reparei que juntamente com a albufeira do Sabugal foram também aprovados mais planos de ordenamento para várias albufeiras.
Albufeira do Sabugal




Ou seja, os ministros quando aprovam um plano, aprovam uma série deles...provavelmente nem os leram e nem sabem onde se situam as ditas albufeiras.





Albufeira do Sabugal( Malcata ao seu lado)


Demorou muito tempo, mas a albufeira do Sabugal já tem diploma. Agora, vamos esperar que o Diário da República seja mais rápido na sua publicação.
Agora compreendo a dificuldade que a Câmara Municipal do Sabugal tem tido em encontrar os parceiros para os empreendimentos previstos para a área que rodeia a albufeira. Quem investe num projecto sem antes saber todos os pormenores acerca do que pode ou não pode construir e em que condições ?
O Plano da barragem prevê espaços de recreio e de lazer,um hotel, um aldeamento turístico. Podem ser também desenvolvidas actividades ligadas aos percursos de interpretação da natureza. O aproveitamento da albufeira do Sabugal para fins turísticos poderá constituir um pólo de atracção para Malcata, já que estes espaços devidamente infraestruturados e equipados, podem tornar Malcata numa zona de lazer e convívio muito agradáveis para todos.


Diz o dito Plano:


«Malcata necessita de uma urgente reformulação estrutural.

A revisão do Plano Director Municipal deverá contemplar a requalificação da zona tanto a nível ambiental como urbano, nomeadamente a nível de re-ordenamento do território, e dos factores de qualidade do ambiente, solos e águas superficiais. Deste modo, caberá aos projectos de futuro garantirem uma concepção harmoniosa e sustentável de desenvolvimento do potencial turístico assegurando a sustentabilidade dos recursos naturais.

Cabe a este Plano de Ordenamento assegurar níveis de qualidade ambiental e

paisagística e a preservação dos valores ecológicos. No entanto, com as perspectivas de dinâmica espetáveis pela elaboração do presente Plano, com o objectivo de organizar diversos espaços, e criar algumas infraestruturas de apoio para a prática de actividades de recreio e lazer, propõe-se a criação de uma zona de recreio e lazer na zona de protecção à albufeira, com diversos equipamentos que a seguir se apresentam».

Equipamentos Turísticos

A zona de protecção da Albufeira do Sabugal apresenta grandes potencialidades na área do recreio e lazer quer pelas suas características ambientais e paisagísticas, quer pela sua localização. No entanto, esta área apresenta um deficit ao nível de alojamento, não existindo nenhum equipamento turístico na zona de protecção, que

possibilite ao utilizador uma estadia mais prolongada. Por outro lado, a proximidade do aglomerado urbano da Malcata também não reúne as condições desejáveis para a instalação de equipamentos desta natureza por se encontrar completamente descaracterizada e desordenada em termos urbanístico, necessitando de uma urgente revitalização. Torna-se assim necessário aumentar a oferta turística de qualidade que permita apoiar e proporcionar a estadia dos visitantes, contribuindo positivamente para o desenvolvimento económico do concelho, designadamente pela criação de novos empregos.

No âmbito do Plano de Ordenamento da Albufeira do Sabugal, propõe-se a recuperação e a readaptação de património arquitectónico tradicional para turismo em espaço rural, a construção de um Hotel Rural no Espaço de Protecção Parcial e a criação de um Espaço de Recreio e Lazer da Albufeira do Sabugal. Pretende-se, assim, a criação de um pólo turístico de qualidade, entre a Vila da Malcata e o plano de água, com possível implantação de um estabelecimento hoteleiro e um aldeamento turístico. Esta área poderá ser ainda complementada por um centro náutico, restaurante, espaço de recreio balnear, piscina flutuante, parque de estacionamento, parque de merendas e uma zona de instalação de pontões flutuantes ou embarcadouros.


Centro de Educação Ambiental

O Centro de Educação Ambiental servirá de apoio ao visitante, que procura tomar

conhecimento da zona a visitar, através de diapositivos, material de divulgação,

equipamentos informáticos, entre outros. Numa fase posterior, o visitante descobrirá esses valores naturais no terreno com material óptico e acompanhado por guias especializados, realizando percursos de interpretação da natureza para conhecimento dos valores faunísticos e florísticos de toda a zona envolvente.

Este tipo de iniciativa pode ser aproveitado turística e pedagogicamente quer pela

Câmara Municipal do Sabugal quer pelas escolas do concelho e concelhos vizinhos.

Parque de Merendas

Os parques de merendas devem ser locais devidamente equipados com mesas, cadeiras, equipamento para a deposição dos resíduos, propondo-se a criação de parques de estacionamento junto a estes locais.

Percurso Circundante à Albufeira

Propõe-se a implementação de um caminho circundante à albufeira do Sabugal com

recurso a percursos já existentes, tendo por objectivo o fácil acesso a todo o plano de

água e que sirvam como percursos de interpretação com colocação de leitores de

paisagem, complementando com as actividades de educação ambiental propostas para área de intervenção.

Pontões e Embarcadouros

Pretende-se instalar, em zonas específicas do plano de água, pontões e embarcadouros para amarração dos barcos e servir de apoio às zonas de recreio e lazer.



Como deu para perceber, há muito para fazer na zona da albufeira da barragem do Sabugal.Malcata e todo o concelho do Sabugal aguarda a aplicação do Plano agora aprovado pelo Governo.









12 setembro 2008

OS SELOS E OS JURAMENTOS


PROMESSAS E JURAMENTOS ...quem os respeita?

«E eu Rey Dom Dinis por mim, e pola Rainha Dona Izabel minha Mulher, e polo Infante Dom Affonso meu Filho, primeiro, e herdeiro, e por todos meus successores, prometo a boa fé, e jura sobreolhos Santos Avangelos, sobreolhos,quaaes pono minhas maãos, e fasso menagem a Vós Rey Dom Fernando por v´s, e por vossos successores, e a vós Rainha Dona Maria, e a vós Infante Dom Anrique de teer, e aguardar, e cumprir todas estas couzas de suso ditas, e cada huma dellas pera sempre, e de nunca vir contra ellas per mim, nem per outrem defeito, nem de dereito, nem de conselo, e se o assi nom fezer, que fique por prejuro, e por traedor come quem mata Senhor, ou traae Castello.»

*

E eu El Rey Dom Fernando de suso dito por mim, e por todos meus

Successores com conselo, e com outorgamento, e per autoridade da Rainha Dona Maria, minha Madre, e do Infante Dom Anrique meu Tio, e meu

Yutor, e Guarda de Avangelos, sobreolhos quaaes pusy minhas maãos, e faço menagem a vós Rey Dom Diniz ateer, e cumprir, e a guardar todas estas couzas de suso ditas, e cada huma dellas pera sempre, e de nunca vir contra ellas per mim, nem per outrem deffeito, nem de conselo, e se o assi nom fezer, que fique por prejuro, e por traidor come quem mata Senhor, e traae Castello.

*

E nós Rainha Dona Maria, e o Infante Dom Anrique se suso ditos,

outorgamos tosa estas couzas, e cada huma dellas, e damos poder, e

autoridade a El Rey Dom Fernando pera fazellas, e prometemos em boa fé por nós, e polo dito Rey Dom Fernando, e juramos sobreolhos Saantos Avengelos, sobreolhos quaaes pozemos nossas maãos, e fazemos menagem a vós Rey Dom Diniz, que El Rei Dom Fernando, e nós tinhamos, e complamos, e guardemos, e façamos teer, e cumprir, e guardar todalas couzas sobreditas, e cada huma dellas pera sempre, e de nunca virmos contra ellas per nós, nem per outro defeito, nem de direito, nem de conselo, e se o assi nom fazessemos, que fiquemos por prejuros, e por traedores assi como mata Senhor, ou traae Castello.

*

E por todas estas couzas sejão firmes, e mais certas, e nom possão vir em duvida, fazemos ender fezer duas Cartas em hum teor, tal ahuma come a outra, seelladas com nossos sellos do Chumbo d nós ambos los Reyes e dos seellos das Raynhas, e do Infante Dom Anrique em testemonio de verdade. Das quuaes Cartas cada huum de nós Reys devemos ateer senhas. Feita em Alcanizes sexta feira doze dias do mes de Setembro.

Era de mil trezentos trinta e cinco annos.»



Foi em 1297 que o Tratado de Alcanizes foi lido, assinado e se estabeleceu a paz e se fixaram os limites fronteiriços entre os reinos de Espanha e de Portugal. Eles, os Reis, Rainhas, infantes e todas as classes políticas de então, juraram e assinaram e selaram com selos de chumbo o tratado. Já nessa época, cada uma das partes ficou com uma "senha" das cartas que assinou. O Concelho do Sabugal, incluido no pacote das terras de Riba-Côa, passou para território português. E Olivença, que também fez parte das trocas "assinadas e juradas" pelos Reis, porque está hoje sob administração espanhola? Ou os espanhóis perderam o selo de chumbo com o cunho do D.Fernando, rei de Espanha? E as autoridades portuguesas esqueceram-se?

Assinar, jurar e prometer para muitos políticos não quer dizer nada de nada. Hoje assinam, prometem e juram solenemente pela sua honra que irão desempenhar com lealdade as funções que o povo, através do voto, lhes confiou. Quantos respeitam e cumprem estes tratados?

O CANDIDATO QUE SE SEGUE QUE SE APRESENTE AO POVO

CANDIDATOS JÁ CONHECIDOS:

CANDIDATO 1







O primeiro a ser conhecido foi António Dionísio, candidato escolhido pela Concelhia do Partido Socialista para encabeçar a lista de candidatos à Câmara Municipal do Sabugal em 2009.





António Dionísio





Num encontro realizado, há uns meses atrás, na praia fluvial do Sabugal, soube-se que está disponível para o desafio que lhe foi proposto pelos socialistas do Concelho do Sabugal e prontificou-se a lutar por uma alternativa que traga uma nova dinâmica à Câmara do Sabugal.



CANDIDATO 2


«Chegou agora o momento de agir e actuar na resolução dos principais problemas que obstam ao desenvolvimento do concelho. Acho que posso contribuir positivamente para a sua solução porque quem me conhece sabe que sou um homem de projectos e com capacidade para os levar a bom porto e disso já dei provas ao longo de toda a minha vida e alguns deles concretizados muito recentemente.
Pelo exposto, estou disponível para liderar, como independente, uma equipa que desenvolva e leve a cabo um ambicioso projecto para o Sabugal que o coloque no pelotão da frente das autarquias modernas do país.»




«É assim que eu entendo o serviço público: SERVIR e não ser SERVIDO.»





Joaquim Ricardo







Nota: O destaque que dou às palavras do candidato nº2 é apenas porque as escreveu no blogue capeiaarraiana. Quando ler algumas palavras do candidato nº2 ou de outros que se apresentem também as destacarei. É desejável que todos os candidatos divulguem publicamente e pela sua própria cabeça as ideias que têm para melhorar o nosso concelho, as soluções que pensam ser as indicadas para resolver os problemas dos munícipes,etc.,etc.
Duas pessoas já deram o primeiro passo. Há que formar boas equipas, fazer um bom estágio e depois disputar o jogo de igual para igual, colocando todos os jogadores em campo e seguir as regras do jogo democrático.

EMPREGOS PARA O SABUGAL




Pró-Raia quer criar 400 empregos


A Pró-Raia - Associação de Desenvolvimento Integrado da Raia Centro Norte anunciou apresentação de uma candidatura a fundos comunitários que prevê a criação de cerca de 400 novos postos de trabalho nos concelhos de Guarda e Sabugal.
Segundo Lurdes Saavedra, vereadora na Câmara da Guarda e presidente da Pró-Raia, que abrange os concelhos de Guarda e Sabugal, a candidatura, no valor de 11,5 milhões de euros, foi apresentada ao PRODER - Programa de Desenvolvimento Rural, para vigorar entre 2008-2013.

A autarca adiantou que são objectivos estratégicos da proposta "o reforço dos tecidos económico, social e cultural e da economia de produção, de solidariedade, da conservação, recreação e lazer", sendo intenção da Pró-Raia "criar postos de trabalho e fixar as pessoas" nos territórios abrangidos pela associação.

Adiantou que, caso a candidatura global seja aprovada, serão as associações locais, as Juntas de Freguesia e os privados a apresentarem, posteriormente, os seus projectos no âmbito do programa.

No sector da economia, a proposta pretende promover o aumento do investimento produtivo, potenciar a fixação da população activa jovem, incentivar e acolher empreendedorismo jovem e elevar o campo de possibilidade da exploração agrícola, apostando na agricultura biológica e em outras formas de produção amigas do ambiente. Também está prevista a criação de um observatório para investimento produtivo e escoamento de produtos do território.
In Jornal de Notícias

09 setembro 2008

MAMMA MIA UM FILME DIVERTIDO

Ontem foi noite de cinema. Na companhia da minha família fomos ver o filme "Mamma Mia". Todos gostámos do filme e foi uma excelente surpresa ao ver aqueles actores a interpretar papeis muito diferentes aos que nos habituaram noutros filmes. Já conhecia a música dos ABBA e surpreendeu-me o enquadramento que fizeram com as músicas.


O filme conta a história de Donna que é a proprietária de um pequeno hotel numa ilha grega e é mãe solteira de Sophie, que vai casar. Donna luta para ultrapassar o facto de que vai ficar sozinha e convida duas amigas especiais para o casamento da filha. São duas amigas do tempo em que ela era a vocalista de uma banda chamada "Donna and the DYnamos". Donna não sabe quem é o verdadeiro pai da sua filha. E esta, na ânsia de conhecer o pai verdadeiro, sem a sua mãe saber, convida para o seu casamento três homens do passado da sua mãe na esperança de que um deles é o seu pai.

É um filme para todas as idades ( maiores de 6 anos) e aconselho a ver, mas a ver até ao fim do filme. Quem fôr ver este filme tenho a certeza que quando lhe perguntarem lá de dentro do ecrâ:"Querem mais uma?" vão imediatamente responder aquilo que é normal nos Sudoestes ou nos Rock in Rio.

08 setembro 2008

AINDA HÁ PASTORES EM MALCATA




Foi nas férias de Verão que vi este rebanho de cabras. Dois pastores e um cão vigiavam o pequeno rebanho que deliciando-se com as folhas das árvores que rodeiam o moinho em Malcata. Onde já vão os grandes rebanhos de cabras que havia na aldeia? Agora que Malcata possui uma queijaria os rebanhos são poucos e pequenos. Era de pensar no bom que seria para a freguesia se a queijaria laborasse com leite produzido pelas cabras dos rebanhos de Malcata. Agora que a marca está criada ( Queijos da Serra da Malcata ) dá dó ver um empreendimento a funcionar a meio gáz e às vezes não abre por falta do leite, quando o não tem que ir comprar às aldeias vizinhas. Há que incentivar as pessoas a dedicarem-se ao pastoreio de cabras. Os rebanhos sempre tiveram como rendimentos a venda do leite, dos queijos e dos cabritos. Os queijos de cabra todos os apreciadores reconhecem a excelente qualidade dos queijos fabricados em Malcata. O mesmo se passa com os cabritos que Malcata sempre se orgulhou de criar. Muitos ainda se recordam do Ti Ruvino e dos muitos forasteiros que iam à taberna dele e da Ti Benvinda, principalmente aos sábados, à procura do cabrito. A razão era a qualidade da carne e sabiam que dali iam levar um produto genuino e de grande qualidade. O negócio da carne de cabrito, o negócio do queijo de cabra, o negócio das peles podem ser o futuro risonho para aqueles que desejam investir e ganhar dinheiro. A qualidade destes produtos está mais que provada. Há que explorar estas riquezas que a aldeia de Malcata sempre teve e ainda tem. Parece-me que o que falta é ajuda, é parar e visualizar o que podemos alcançar se nos metermos ao caminho. Sonhar ainda é gratuito e os grandes empreendedores, antes de o serem, primeiro sonharam e visualizaram o seu projecto e quando deram conta estavam no topo irradiando felicidade e desfrutando do trabalho que realizaram.
Ainda há esperança de um dia as coisas acontecerem.

MELHORAMENTOS EM MALCATA

Rua do Cabeço

ACTA Nº 17/2008 DA CÂMARA MUNICIPAL DO SABUGAL

Delegação de competências

– Junta de Freguesia de Malcata – Deliberado, por unanimidade, celebrar um protocolo de colaboração para «Calcetamento nas Ruas do Cabeço, da Estrada e da Escola Primária», com fundamento na delegação de competências oportunamente formalizada, sendo da responsabilidade da Câmara o encargo financeiro, no montante de 8.470 euros acrescido de IVA à taxa legal em vigor, bem como a fiscalização dos trabalhos.



Rua da Estrada

Rua da Escola

A FLORESTA É O NOSSO OURO E PRESERVÁ-LA É O NOSSO DEVER


No próximo dia 10 de Setembro, a partir das 9h30, no Auditório Municipal do Sabugal, vai ter lugar uma sessão de esclarecimento sobre os cuidados a ter com a floresta e sobre as medidas de prevenção dos incêndios florestais. Com esta acção, pretende a organização desta iniciativa sensibilizar as pessoas, principalmente a população rural, para o facto de os incêndios prejudicarem a flora e a fauna que habita na floresta da região.
Esta sessão de esclarecimento é organizada pela Câmara Municipal do Sabugal, através do seu Gabinete Florestal, e a Coopcôa-uma cooperativa agrícola do nosso concelho. Contam ainda com o apoio da Forestis, Associação Florestal de Portugal, a Federação Nacional dos Baldios, Fenafloresta, Federação Nacional das Cooperativas de Produtores Florestais, Ministério da Agricultura do Desenvolvimento Rural e das Pescas, Direcção Regional dos Recursos Florestais, Federação dos Produtores Florestais de Portugal e da União das Florestas Mediterrânica.
Bom, se cada uma das entidades enviar um representante teremos 12 presenças garantidas na sessão de esclarecimento. Porquê realizar esta sessão no Auditório Municipal? O objectivo não é sensibilizar as populações rurais? Se é esse o objectivo é porque estão esperançados em que as pessoas venham dos campos até à cidade. Desconfio que vão ser poucos os rurais a ouvirem a vossa mensagem. Penso que a iniciativa teria mais sucesso e os vossos bons conselhos seriam muito mais escutados se realizassem uma sessão de esclarecimento em cada uma das aldeias do concelho do Sabugal. Estas iniciativas são de louvar e de incentivar. Contudo, penso que às vezes queremos igualarmo-nos às gentes das grandes metrópoles e todos sabemos que no Sabugal as coisas funcionam de maneira diferente. Claro que dá mais trabalho a quem organiza se tiver que percorrer as aldeias. Mas se a floresta é tão importante para a nossa região, porque não ir com estas sessões mais próximo dos principais interessados?
Mas, mesmo com ideias diferentes das das pessoas que organizaram esta sessão, louvo a iniciativa e faço votos para que seja bem acolhida e participada por muitas pessoas.

07 setembro 2008

A EXPLORAÇÃO DO TRABALHADOR


Hoje, o Jornal de Notícias traz esta notícia:

"Em Portugal, para se ser oficialmente pobre, não se pode ganhar mais do que 370 euros, mas quem gere a vida com o salário mínimo (426 euros) ou pouco mais, não se considera propiamente de classe média. E, o salário líquido de quase metade dos trabalhadores por conta de outrem não passa dos 600 euros.


Em 2004, mais de metade (52%) dos trabalhadores por conta de outrém tinham um ordenado líquido até 600 euros; no final do ano passado, eram 46%. Contudo, as subidas de preços ( da alimentação e dos combustíveis em particular) está a afectar toda a gente, mas sobretudo os mais pobres.

Tanto no Norte como nos Açores, quase seis em cada dez trabalhadores empregados ganha até 600 euros. Em Lisboa, não chega a três em cada dez. Em todo o país, a média é de 46%.


O que falta é distribuir


O que falta é distribuir a riqueza que existe. Não é verdade que a produção ( de riqueza ) acabe automaticamente com a pobreza. Portugal é o país da União Europeia com mais desigualdade na distribuição de rendimentos entre os mais ricos e os mais pobres.

O aumento do abono de família ou o complemento solidário para os idosos, são medidas cirúrgicas e foi deixado cair o objectivo "acção social" da agenda de desenvolvimento fixada pelo país no ano 2000, a favor apenas do emprego.


O trabalho não é a única solução para a exclusão social e a prova são os 11% de pobres que são, também, trabalhadores."


Estas afirmações e e estas conclusões aqui descritas foram feitas pelo presidente em Portugal da Rede Europeia Anti-Pobreza, Agostinho Jardim Moreira. Este artigo merece uma reflexão e nele se retrata o futuro de nós todos. Mesmo quem trabalha todos os dias e no fim do mês recebe um salário, podemos concluir que não chega para que viva bem ou melhor do que aqueles que vivem de subsídios e não trabalham. Foi por as coisas serem assim que nos anos sessenta e seguintes muitas pessoas do concelho do Sabugal emigraram para França, Alemanha, Luxemburgo e outros países. Por lá também trabalham para um patrão, mas esse trabalho é mais bem pago.

Eis mais uns números que assustam:

-151,4 mil pessoas não ganhavam mais do que 310 euros líquidos por mês, em 2007(INE)

-58% dos trabalhadores no Norte que trabalham só ganha um ordenado até 600 euros, Ou seja,

é este o salário máximo de 767 mil trabalhadores por conta de outrém na região.


05 setembro 2008

IBERFOLK - FESTIVAL DE CULTURA TRADICIONAL NA ALDEIA DE SORTELHA

"No concelho de Sabugal
IberFolk em Sortelha até domingo
Começa hoje e termina domingo, a terceira edição do IberFolk –
Festival de Cultura Tradicional que decorre na Aldeia História de
Sortelha, no concelho do Sabugal. Hoje, o certame começa com uma
observação astronómica, marcada para as 22h00. À mesma hora, há
música, com as Adufeiras de Paúl. A noite continua com Hora do
Conto (Marco Luna), às 22h40. Ao final da noite há DJ Folk.
Amanhã, há actividades todo o dia. Ao longo da manhã e tarde, há
workshops (de reciclagem, dança tradicional e gaita de foles, entre
outros). Há noite, a música faz-se com Arranca Telhados (21h30),
Rabies Nubis (23h00) e No Mazurka Band (0h00).
No domingo, há festa até depois das 17h00, altura em que actuam
PortFolk. Até lá, os destaques são uma caminhada pela Serra da
Malcata (13h00) e um passeio de passeio de burro."
In: http://www.diarioxxi.com/

02 setembro 2008

A ESTRADA SEM SAÍDA

Fotografias da estrada para a aldeia de Malcata.









Chegar a Malcata está cada vez mais rápido, mais seguro e mais cómodo. A estrada municipal que faz a ligação da Estrada Nacional 233 até Malcata foi beneficiada e este Verão todos os que por aqui tiveram que vir sentiram bem a diferença. Demoraram a iniciar as obras e também demoraram a terminar. Podiam ter sido melhorada ainda mais. Contudo, os malcatenses podem dar-se por satisfeitos com o resultado final. Mas eu gostava que esta estrada não acabasse na aldeia. Porque não construir uma ligação a Quadrazais?