31 julho 2010

MALCATA: NASCEM MAIS EÓLICAS E MENOS CRIANÇAS



Há dias, o Parlamento da Catalunha, aprovou uma proposta assinada por 180 mil pessoas que proíbe as touradas naquela região a partir de Janeiro de 2012. Touradas em Espanha são uma tradição secular, mas que aos poucos vai tendo gente que pensa de forma diferente.  E a votação do Parlamento foi o resultado de uma petição levada ao Parlamento por um grupo de cidadãos liderados pela plataforma Prou. A principal praça de touros de Barcelona, uma das mais antigas de Espanha, vai ficar vazia, uma vez que o apoio à petição ganhou tanta força que marcou a diferença. O movimento de cidadania ( não de pessoas irresponsáveis ), foi determinante na mudança da lei, como o também podia ser o movimento "Vamos Salvar Sortelha" caso houvesse mais vontade das autoridades em aceitar que por vezes erram nas suas decisões.
Esta decisão tomada pelo Parlamento da Catalunha é um exemplo para que "todos os cidadãos que acreditam e lutam que vale a pena exercer o direito de apresentar, individual ou colectivamente, aos  orgãos  de soberania. aos orgãos da nossa região ou a quaisquer outras autoridades petições, representações, reclamações ou queixas para a defesa dos seus direitos, da Constituição, das leis ou do interesse geral e, bem assim, o direito de serem informados, em prazo razoável, sobre o resultado da respectiva apreciação".-Artº52º(Direito de Petição e Direito de acção popular).
O movimento cívico "Vamos Salvar Sortelha" continua com uma petição online, tendo até este momento recolhido 1122 assinaturas, todas com o intuito de impedir a destruição da envolvente paisagística e histórica de Sortelha. As obras do parque eólico nas imediações da Aldeia Histórica de Sortelha estão a avançar a um ritmo assustador e têm recorrido ao uso de explosivos para destruir o meio ambiente, mesmo que de rochas se tratem. Não é uma obra no litoral algarvio, porque aí todos os lobbys do turismo sairiam em defesa dos seus hotéis, condomínios luxuosos ou montes paradisíacos dado que iriam afastar os turistas. Mas, Sortelha fica no interior, não há interesses a defender e fiados nas ilusões dos investidores baixam os braços e aceitam umas notas de euros para que os terrenos rendam já que o trabalho dá muita canseira.
Em Sortelha, pelos caminhos que servem as eólicas, o Presidente da Câmara do Sabugal, engenheiro, já rabiscou um projecto de por exemplo, cito frase da entrevista dada ao Capeiaarraiana:"para um centro interpretativo da energia ao longo da história".Fim de citação.

E que pensa fazer com os outros caminhos dos outros parques eólicos de Malcata, Aldeia Velha, Fóios...as aldeias estão a entrar num autêntico campeonato para ver quem consegue exibir mais torres eólicas!!! Nestes últimos tempos tenho visto nascer à volta das serras do concelho do Sabugal mais torres eólicas do que crianças nas maternidades da região. É duro, é triste, mas a realidade é mesmo esta. E eu não sou contra as energias renováveis. Eu sou contra a forma como estão a aparecer os parques eólicos, escondidos nos sub-parques, fugindo assim, a muitas condicionantes que reprovariam a construção dos mesmos. O pior é que as autoridades sabem destas jogadas e aprovam com pareceres favoráveis. O preço destas irresponsabilidades e destas "engenharias" vai ser muito caro e além do impacto visual e ambiental, a região poucos benefícios directos da energia eólica irá beneficiar. São os consumidores das grandes cidades do litoral, que são os grandes consumidores de energia, que beneficiarão, mas são as pessoas do interior a aguentar e a suportar os estragos. Infelizmente, muitas pessoas do interior, muitas pessoas das nossas aldeias beirãs, continuam a acreditar que o desenvolvimento está em ter barragens, auto-estradas, centros comerciais, parques eólicos. Aqueles que vivem no interior vivem demasiado concentrados a compararem-se com os que vivem no litoral. As pessoas do interior deviam era lutar pela vida, pelo aumento da natalidade, porque sem pessoas de nada serve tudo o que nos rodeia. Deviam lutar pela melhoria das estradas nacionais, por exemplo, a Nac.233(Sabugal-Guarda) e outras, pela coesão do concelho, pelo desenvolvimento das estruturas já existentes. O turismo é uma das alavancas para salvar a nossa região. Apoiar os empresários da nossa região, acarinhar e incentivar aqueles que diariamente trabalham para que as pessoas que nos visitam se sintam bem recebidas, comam e levem as nossas tradições, a nossa cultura e voltem mais vezes, simplesmente porque foram amados.
A região já tem as barragens e os parques eólicos suficientes. Abandonem esse campeonato de ser a aldeia que mais eólicas tem na sua terra. Preservem a paisagem, as culturas, as tradições e a história.
Mas será mesmo isso que todos queremos?

MALCATA: ADRO DA IGREJA DE CARA LAVADA

As obras de requalificação da zona envolvente à Igreja Matriz de Malcata estão terminadas. A igreja, construía em 1885, ficou agora mais valorizada com este melhoramento que consistiu na substituição do piso de cimento por pequenos cubos de granito, lavagem das pedras à frente da porta da igreja e recolocação de novas pedras, combinando com cubos de granito. Foi também retirada a "rampinha" que tinham feito do lado direito e agora temos uma rampa do lado esquerdo, esta sim, com medidas e inclinação para ser utilizada. Aqui deixo algumas fotografias:
Adro da Igreja com cara nova
Vista lateral da igreja
Vista das traseiras da igreja
Rampa de acesso à igreja
 Pedras velhas e pedras novas

Com este melhoramento, a Igreja paroquial de Malcata ficou mais bem apresentada e mais bonita. O adro apresenta-se de cara lavada e veio contribuir para melhorar o bem estar de todos. Contudo, tenho duas sugestões a fazer: a primeira das sugestões era a de retirar a caixa do correio do local onde agora está ( numa parede lateral ) e sugeria que se colocasse na porta da sacristia ( fazer um rasgo na porta e a caixa ficava no interior). Onde está, está à mercê de pessoas mal intencionadas e não é agradável olhar para ela quando passamos por ali. A outra sugestão era a retiradas dos números que estão cravados na pedra da igreja, mesmo na esquina do lado da casa mortuária. Talvez sejam mesmo necessários, mas arranjem outro sítio para as colocar porque ali, além de mal nivelados, não gosto de os ver ali.Vejam as fotos e pensem:
Caixa de correio à mão dos amigos do alheio


Aqui não, mas noutro sítio sim
   São duas sugestões que penso serem partilhadas por mais pessoas. Eu aproveito as tecnologias da informática para lançar estas sugestões. Outros, com certeza que falam uns com os outros e provavelmente até já se pensou na alteração destas duas situações. Aqui fica a minha contribuição para o melhoramento da aldeia e Malcata.

29 julho 2010

MALCATA É MEMBRO DA ASSOCIAÇÃO RAIA SABUGALENSE


 Associação Raia Sabugalense ( Foto Cinco Quinas )

"A Associação Raia Sabugalense é composta por dez freguesias: Aldeia do Bispo, Aldeia da Ponte, Aldeia Velha, Alfaiates, Fóios, Forcalhos, Malcata, Nave, Quadrazais e Vale de Espinho.
Em reunião havida em Alfaiates com os Presidentes das Juntas de Freguesia que compõem esta associação e, uma vez que só o Presidente da Junta de Freguesia de Vale de Espinho não pôde estar presente, existiu quórum para discutir os assuntos da ordem de trabalhos e tomar decisões.
Assim, em primeiro lugar, definiram-se quais os critérios a tomar em consideração para escolher onde ficaria a sede da Associação. Decidiu-se que os preceitos a ter em conta seriam a centralidade da freguesia e a capacidade da mesma em criar condições adequadas para o funcionamento desta Associação.

Por: RM
 Podem ler aqui a notícia completa e com fotografias:


27 julho 2010

O CÔA DOS DESENCANTOS DE ALGUNS

Foi assim que eu vi as águas do Rio Côa, aquele que passa ao lado do Castelo do Sabugal, o único com uma torre de cinco quinas.


   E se as imagens não são esclarecedoras, aqui vai um pequeno filme feito na manhã de 23 de Julho :
    A poluição é visível a quem olha para o leito do rio. Essas substâncias oleosas vêm de algum lado, disso ninguém pode duvidar. Há que investigar e acabar com este atentado ao meio ambiente. E já agora, para quando a requalificação das margens do Rio Côa? Tanta beleza natural desperdiçada e sem utilidade para as pessoas que bem podiam passar uns momentos agradáveis à beira rio, desfrutando de um passeio, de uma sombra ou simplesmente ver as pedras polidas no fundo do rio e ouvir o chilrear dos pássaros.

22 julho 2010

O CÔA DOS NOSSOS ENCANTOS



As duas fotografias recordam-nos aqueles dias de muito calor. Ficava a uns 40 minutos a pé, mas todos iam e vinham da "ribeira" contentes e felizes.Observem as semelhanças nas duas fotografias...TUDO desapareceu com a construção da barragem do Sabugal e resta a memória e as fotografias para mergulhar nas calmas e cristalinas águas do Rio Côa ao passar pela Ribeira Grande. Se alguém tiver nos seus baús fotografias deste paraíso, enviem que depois de digitalizadas volto a devolve-las. Ou então, enviem por mail.
Estas memórias não as podemos deixar esquecer, fazem parte das vidas de muitos malcatenses e de muita gente.



                                                                                                   

O RIO DOS SONHOS

Posted by Picasa
Tom Olthof e Ruben Olthof no Rio Côa

Pai e filho divertem-se nas águas do Côa. Lembram-se deste parasidíaco açude, por muitos anos procurado pela juventude de Malcata? A imagem chegou-me atavés de troca de informação com o senhor Tom Olthof, actualmente a gerir um importante e inovador projecto de "caddy humano" no Algarve. Os 38 robôs que carregam os tacos dos jogadores que praticam golfe e os seguem como o faz um "caddy" humano foi uma das alternativas que Tom e Ilda Nabais encontraram, dado que o ambicioso projecto de "hotel rural" apoiado na água da barragem juno à Fonte da Cal, nos passeios de cavalo pelos caminhos e serra, nos diversos desportos ao ar livre, não passou de um sonho deste casal. A ideia de turismo de qualidade ao fim de 7 anos de luta contra "ventos" contrários e pessoas de vistas curtas, com burocracias atrás de burocracias, desanimou-os e como o tempo nunca pára, procuraram simplesmente outros sonhos para realizar noutros lugares. Isto apesar da Ilda Nabais ter nascido em Malcata, pois, é filha de Maria Nabais e Manuel Camejo e neta de Rosa Nabais Vaz e José Augusto Lourenço. Já em tempos, no ano de 1958, com apenas 6 anos, a Ilda saíu de Malcata para França...como tantos da aldeia. Ainda hoje me lembro de ver o esbelto cavalo castanho a descer a rua do Carvalhão, montado pelo "holandês" que vendia piscinas e morava junto ao Camões. Eu ouvia falar que tinha vindo para a aldeia e que além das piscinas tinha mais projectos que queria realizar...mas a vida dá tantas voltas!
NOTA: O terreno da Fonte da Cal está à venda e o projecto tem viabilidade da Câmara desde final de 2009 para a construção de um hotel rural, incluindo as infraestruturas necessárias para a sua realização.

20 julho 2010

MINI-HÍDRICA DO MEIMÃO INAUGURADA PELO 1ºMINISTRO JOSÉ SÓCRATES

Condutas de transporte da água para a mini-hídrica do Meimão



Amanhã, 21 de Julho de 2010, por volta do meio-dia, o Primeiro Ministro de Portugal, José Sócrates e os seus Secretários de Estado vão ao Meimão ver a mini-hídrica a funcionar.


Mini-Hídrica do Meimão em construção


Sendo ele um amante de passeios e corridas, aconselho-o a fazer o percurso pedestre "Patada da Mula" que passa ali mesmo ao lado, depois de atravessar a ponte.
A notícia faz parte da Agenda do senhor ministro e pode ler aqui:

14 julho 2010

MALCATA : "A FONTE" É O NOVO MINI-MERCADO

A Fonte- Minimercado

"A Fonte" foi o nome escolhido por Helena Nabais e Joaquim António para o mini-mercado que recentemente abriram em Malcata. Junto à antiga fonte, na casa onde já funcionou outro estabelecimento, está aberto já há uns meses, o novo espaço comercial. 

   "A Fonte" segundo a conversa que tive com a Helena, está associado a uma rede de distribuição alimentar do grupo GI, com êxitos a nível nacional e em quem os proprietários do novo minimercado confiam para os apoiar nesta nova etapa de empresários. De salientar que o possuir Internet ( e mail activo e a funcionar ) foi uma das exigências pedidas para abrir o estabelecimento.
   Ao estarem ligados ao GI, têm a vantagem de poder oferecer "promoções" variadas e os clientes acabam por sair beneficiados nessas compras. Para aqueles que têm internet em casa e a funcionar, aqui vai o sítio onde podem saber das promoções, visto que são comuns a todos os estabelecimentos do grupo GI.:

Tudo o que seja para poupar...é bom para os clientes.
Malcata ficou com mais um sítio onde comprar os bens essenciais. Ao Mini-Mercado Armindo, junta-se agora a "Fonte". Bons negócios para ambos!

13 julho 2010

A LUZ ELÉCTRICA EM MALCATA

   Os mais novos não se lembram, mas quem nasceu nos anos 60, recorda-se muito bem do que era Malcata há 45 anos atrás. A luz eléctrica, inaugurada em 13 de Julho de 1965, com grande festa e muitos foguetes, ainda hoje continua a ser importante para os habitantes da aldeia. Com a electricidade muita coisa mudou na vida dos malcatenhos. Hábitos e métodos de trabalho tiveram que ser mudados. A uns custou mais adaptar-se ao uso da electricidade do que a outros. Mas, passados estes anos, hoje podemos afirmar que todas as casas de habitação são iluminada pela luz eléctrica. Contudo, as vivências e esses anos que assámos à luz dos candeeiros, das candeias e das velas, ficam para sempre registadas nas vidas de quem as viveu.

11 julho 2010

LOJA DO CIDADÃO NA GUARDA

 Já abriu a " Loja do Cidadão" da Guarda. Desde o dia 5 de Julho que está aberta e para lá chegar é necessário entrar no centro comercial Vivaci. Este espaço de comércio situa-se na Avenida dos Bombeiros. Por seu lado, a Loja do Cidadão, fica no 4ºandar e funciona das 9 às 16 horas nos dias úteis.
Nesta Loja do Cidadão podemos tratar de diversa documentação. Se esta loja oferecer e funcionar como a Loja do Cidadão do Porto, é bem vinda e com certeza que trará muitos benefícios para os cidadãos e empresas da região.  Certidões, requerer o Cartão Único(antigo B.I.), assuntos relacionados com a Caixa Geral Aposentações, registo de automóveis, ADSE e muitos outros serviços sem ter que andar de rua em rua e de edifício em edifício, vem facilitar muito toda a gente.
Leia aqui a notícia:


Jornal O Interior - 08-07-2010 - Sociedade - Guarda com Loja do Cidadão desde segunda-feira

09 julho 2010

MALCATA : 45 ANOS DE LUZ

Luar em Malcata

Vamos recuar no tempo e recordar Malcata há 45 anos atrás. Em Julho de 1965 estava eu a chegar quase aos cinco anos de idade. Daí até hoje muita coisa se alterou na aldeia. Outras, graças a quem vive na aldeia, continuam como eram, como o ouvir os sinos da igreja e da torre do relógio.
Com a persistência do senhor Manuel Fernandes Varandas ( Ti Varandas ),Malcata celebrou a chegada da electricidade. Foi a 13 de Julho de 1965 que as lâmpadas se iluminaram e houve festa por toda a aldeia. Até então, as casas eram adornadas de candeias de azeite e petróleo, ou umas velinhas de cera...candeeiros de vidro, com um pavio que ficava embebido no petróleo e que subia. Acendia-se com um fósforo, encaixava-se a chaminé e iluminava a sala, a cozinha ou qualquer divisão interior das habitações. As candeias a petróleo, eram penduradas num sítio alto, normalmente num prego espetado na parede e davam luz para todos.
As ruas da aldeia eram iluminadas pela luz da lua ou das "pilhas" (lanternas) alimentadas com pilhas rectangulares ou redondas de 1,5 Voltes. Era nas noites de luar que a Lua se sentia orgulhosa e não havia vela, candeeiro de petróleo ou candeia que lhe retirasse o seu encanto.
Mesmo depois da electricidade ter chegado a Malcata, ainda demorou muito até que todas as pessoas acedessem aos seus benefícios. Só os mais abastados tiveram essa sorte. Os comércios da terra e as tabernas foram dos primeiros a deixar de acender candeeiros e candeias. Vieram as primeiras televisões, os frigoríficos, os rádios,etc. .A vida mudou muito, mas não tanto assim.
Dizia Eça:
"Na cidade nunca se olham, nem se lembram os astros - por causa dos candeeiros de gás ou dos globos de electricidade que os ofuscam. Mas na serra, sem prédios disformes de seis andares, sem a fumaraça que tapa Deus, um Jacinto, um Zé Fernandes, livres, bem jantados, fumando nos poiais de uma janela, olham para os astros e os astros olham para eles.
- Ó Jacinto, que estrela esta, aqui, tão viva, sobre o beiral do telhado?
- Não sei...E aquela, Zé Fernandes, além, por cima do pinheiral?
- Não sei!" 

 in "A cidade e as serras", Eça de Queirós, Edição de bolso, Jn, pág.103.   

Vale a pena pensar nisto!

05 julho 2010

A CULTURA MAL TRATADA NA GUARDA

O concerto "Naturalismos" do passado dia 27 de Junho de 2010 vai ficar para a história cultural da Guarda. A Fundação Borboleta Azul de certo que não estava à espera que a sua iniciativa fosse boicotada da maneira como foi. Como dizia a publicidade, se todos tocássemos as vuvuzelas, ouvir-se-iam na África do Sul. O assunto é demasiado sério para deixar cair no ridículo e  no esquecimento.
A cultura na Guarda pode regredir aos tempos dos regedores e dos  políticos pós 25 de Abril, que mudam de partido conforme as circunstâncias lhes são mais favoráveis.
O Teatro Municipal da Guarda, festejou o seu 5º aniversário há pouco tempo. Nestes cinco anos o TMG, sob a direcção do senhor Américo Rodrigues, conseguiu abrir portas e janelas, criando espaços aos criadores. Hoje, a Guarda é falada, lida e visitada por gente que deseja conhecer os trabalhos apresentados no TMG.
Manuel Poppe, escreveu ontem, no Jornal de Notícias, uma crónica a que deu o título "A GUARDA EM PERIGO". Vale a pena lê-la:


 A GUARDA EM PERIGO

"O Teatro Municipal da Guarda festejou, há dois meses, o seu quinto aniversário. O TMG é o pulmão da cidade. A referência. A garantia de um futuro emancipador, a soltá-la do velho reaccionarismo. O TMG, pela mão de Américo Rodrigues, trouxe à Guarda o que de melhor tem a Cultura – música, bailado, pintura, teatro. Organizou seminários, encontros. Abriu portas e espaços a quantos buscam avançar, ir além, sair da rotina castradora. Atraiu a juventude, facultou-lhe meios de que jamais pudera usufruir. Se a riqueza de um burgo depende da riqueza da identidade, o TMG é, no dinamismo, a garantia do perfil corajosamente ambicioso da Guarda. Eis que o presidente de uma das freguesias do distrito - Aldeia Viçosa  - , que já reagira violentamente contra um concerto organizado pela Fundação Borboleta Azul, situada na sua “jurisdição”, eis que o homem, alérgico a toda a cultura além da vuvuzela, traz, à Assembleia Municipal, a proposta de reduzir, em 20% (30%, em 2011), exclusivamente o subsídio do TMG. Américo Rodrigues assistiu ao referido concerto e insurgiu-se contra a atitude do exaltado de Aldeia Viçosa. Explicará isso a proposta e aceitação? A verdade é que ela foi seguida. A Assembleia, onde o PS detém a maioria, não só aceitou considerar a proposta descabida, como a aprovou, apesar de socialista a Câmara que atribuiu ao TMG a verba em discussão. Na Assembleia Municipal, aprovou-se, uma “recomendação”, dado que só o Presidente da Câmara pode decidir nessa matéria; mas, e é gravíssimo, a atitude traduz o pouco ou nenhum respeito pela acção importantíssima do TMG. A crise não se resolve engavetando a Cultura".
Autor: Manuel Poppe, in Jornal de Notícias, de 04/07/2010