25 abril 2009

BAÚ DA MEMÓRIA-O SOITO DE ANTIGAMENTE

Chama-se Eugénio dos Santos Duarte. Nasceu a 25 de Abril de 1927, natural do Soito e com familiares também em Malcata, apresentou hoje no Auditório Municipal do Sabugal, um livro a que deu o título «Baú da Memória-O Soito de Antigamente».



Eugénio Duarte é um testemunho vivo e real da cultura raiana. A inteligência não se mede pelo título dos diplomas ou canudos, mas pela atitude e pela iniciativa que cada pessoa desenvolve ao longo da sua vida.
Para saber mais sobre este acontecimento veja aqui:

E para ver as fotografias do lançamento do livro, veja aqui:










MALCATA E AS ENERGIAS OCULTAS










Por altura da Páscoa estive uns dias em Malcata. Aproveitei um desses dias para visitar a construção do parque eólico que não pára de crescer nos montes da Serra da Malcata. A paisagem seria ímpar não fosse, de facto, ver à minha frente um enorme paliteiro, tantas são as torres eólicas espalhadas pela paisagem. É verdade, à minha frente observei um cenário que transformou por completo a paisagem. Quebraram-se os últimos resquícios de beleza e tranquilidade, as fotografias ficam pejadas de “caravelas” como lhe chama o meu pai. E o ruído que produzem fez com que os meus cães as olhassem fixamente e sem abanar a cabeça.
A construção do parque eólico custa milhares de euros. O vento pode ser de borla, mas as torres e as turbinas eólicas têm que ser construídas e mantidas. E as linhas de transporte da energia eólica para a rede nacional de electricidade também tem custos.





A verdade nua e crua é que fomos todos, ou quase todos, levados a acreditar que será benéfica para a aldeia de Malcata a existência deste parque. Outra verdade menos conhecida, mas nem por isso, menos verdadeira, é que os habitantes de Malcata vão continuar a pagar a electricidade ao mesmo preço que os outros portugueses. Até agora, quem ganha com as torres eólicas, são os proprietários dos terrenos que por cada plantação eólica recebem cerca de 2750 euros anuais. Até o meu pai acredita nos benefícios da que cresceu lá para os Chãos da Serra.

Ele e os outros como ele, não questionaram nada nem ninguém e acreditaram que só têm a ganhar, pouco se importando se a energia eólica é mesmo amiga do ambiente, ou se começariam a pagar menos pela luz consumida lá em casa. Mas um dia as notícias vão ser diferentes. É uma questão de tempo e deixar que a teta da vaca comunitária seque por completo e vamos assistir ao pagamento de incentivos para desmantelar as torres que tantos milhões custaram. É a história da pescadinha com o rabo na boca.

Luís Mira Amaral, professor de economia e gestão, escreve este sábado no "Expresso" a propósito das energias eólicas o seguinte:

« As análises e os cálculos mostram que as políticas de conservação e utilização de energia, por terem efeitos permanentes e sustentáveis, têm maior potencial para a poupança de combustíveis fósseis do que as energias renováveis, devido à volatilidade e intermitência destas.

Mas ao contrário do que os MRPP da energia pretendem fazer crer, apesar dos enormes investimentos que já foram efectuados na eólica e nas "novas" renováveis e do quadro legal extremamente incentivador em vigor, as energias renováveis não vão chegar para resolver o nosso problema energético, porque ao vultuoso investimento que se está a fazer com potência instalada não corresponde uma quantidade de energia significativa pois que Energia=Potência X Tempo de utilização é pequeno devido à sua volatilidade e intermitência».

Portanto, amigos de Malcata, se um dia a lâmpada ou o frigorífico lá de casa não funcionarem devido a uma falha de energia, mantenham a calma e não culpem as torres eólicas de falta de consideração para convosco, mas reclamem a quem pagam a factura da luz.

E quanto aos ganhos que a energia eólica vai trazer para a aldeia, respondam-me se souberem:

Quais os benefícios reais para a aldeia de Malcata?

Quantas pessoas da aldeia de Malcata trabalham na construção do parque? Eu não conheço nenhuma, mas esta obra exige um grande número de pessoas e máquinas. Será que as contratarão quando daqui a uns anos o parque for desmantelado?



22 abril 2009

A SALA DOS RISCOS

Todos os riscos têm um autor. As paredes da sala continuam a testemunhar momentos felizes que muitos jovens têm vivido em Malcata. Os donos do Café Lince ( Café do Quim ) aceitam e conservam estes testemunhos.
















































































18 abril 2009

O QUARTEL ABANDONADO

Recentemente o Governo aprovou em Conselho de Ministros a Lei de Programação de Infra-estruturas Militares, em que é anunciada a libertação de um conjunto de edifícios ocupados pelo Ministério da Defesa, que se encontram desocupados ou obsoletos para fins militares, tendo em vista a sua rentabilização.

Interior do quartel






Exterior do quartel









Na época em que o contrabando entre Portugal e Espanha estava na ordem do dia, todos os lugares raianos, como a nossa terra, foram importantes na vigilância de fronteiras, na protecção fiscal e económica do Estado.




Esse trabalho pertencia à Guarda Fiscal que, durante a maior parte da sua existência secular, manteve um posto em Malcata, com uma guarnição variável, mas raramente excedendo a dezena de efectivos. Tratava-se de pessoas de outras naturalidades, dada a proibição de poderem exercer a profissão na sua própria terra, certamente por motivos de independência de acção.













Não cabe aqui abordar a sua actividade, nem a dos seus naturais «adversários» – os contrabandistas. O meu objectivo é salientar o facto de que alguns desses homens, ao aqui residirem com as suas famílias durante vários anos e até décadas, tomaram Malcata como a sua terra, e malcatenses nasceram alguns dos seus descendentes.

Para quando a entrega do imóvel à Junta de Freguesia? Ideias e projectos não faltam, assim o Estado tome uma decisão consensual que tenha em conta a importância que este edifício tem para a freguesia.

15 abril 2009

MALCATA NA AECT-DOURO/DUERO

Malcata é membro do Agrupamento Europeu da Cooperação Territorial Douro-Duero (AECT) desde o passado mês de Março. A freguesia esteve representada na Assembleia Constituitiva, que decorreu em Trabanca ( Salamanca, Espanha ), pelo seu actual presidente da Junta de Freguesia, Victor Fernandes.





Victor Fernandes na AECT





Na mesma ocasião foram também eleitos os membros dos conselhos sectoriais. E para o Conselho Sectorial de Turismo, Cultura, Património, Desporto, Ócio e Tempos Livres ficou a cargo de Miranda do Douro, ao qual também pertence Malcata, representada pelo seu Presidente, Victor Fernandes.
Os principais objectivos da AECT-Douro/Duero são:
- Criar emprego para aumentar a população;
- Dar oportunidades para que os jovens se fixem na zona da raia portuguesa e espanhola;
- Criação de uma rede de transportes públicos para todos os cidadãos;
- Desenvolvimento de uma política de educação, formação e emprego;
- Cooperação no sector da saúde;
- Criação de medidas para o emprego rural;
- Uso da investigação, inovação e desenvolvimento;
- Criação de um plano de turismo;
- Modernização da administração local.



AECT??


Agrupamentos Europeus de Cooperação Territorial (AECT) :
A fim de eliminar os obstáculos à cooperação territorial, os agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) servem de instrumento para a referida cooperação a nível comunitário. Na verdade, permitem a agrupamentos de cooperação pôr em prática projectos de cooperação territorial co-financiados pela Comunidade.





























SINALIZAÇÃO ILEGAL NA ESTRADA


As fotografias retratam uma sinalização ilegal na estrada de Malcata. A via foi recentemente requalificada e estes dias deparei com este sinal de trânsito. Saí do meu carro e tentei rodar a chapa mas não saíu do sítio, nem mesmo o ferro que a segura. Voltei para dentro do automóvel e quando olho para a frente vejo outro sinal também mal colocado. Para ver melhor, p.f.clique na imagem.








Toca a fotografar e também não consegui rodar a dita placa de Stop.



Como se pode observar, ambos os sinais estão colocados erradamente. Faço um apelo à Câmara Municipal do Sabugal para que regularize esta situação.




13 abril 2009

MALCATA NÃO PÁRA

Fui surpreendido com algumas obras na aldeia. O Rossio tem agora um piso novo. O cimento gasto e aos remendos foi substituido por pequenos blocos de cimento de tom avermelhado. Agora sim, os amantes da dança têm melhores condições para dar ao pé. E o Rossio ( ou Praça do Rossio?! ) veio trazer uma nova vida ao recinto e melhorar a imagem de Malcata. Mas para que o Rossio fique mesmo magnífico, na minha opinião, era necessário que arranjassem as casas junto à Torre do relógio. As cores das paredes dessas casas não estão nada enquadradas com as das outras casas que rodeiam o local.

video

Outra surpresa que tive nestes dias que aqui estive foi o Salão de Festas de Malcata. Já sabia que tinha sido inaugurado mas não conhecia a obra. Claro que não é um grande salão, mas a aldeia necessitava de ter ao dispôr uma estrutura destas. Ainda não está tudo acabado, mas já se realizaram lá algumas actividades culturais e recreativas. Para além da peça de teatro no dia da inauguração, na Sexta-Feira Santa, teve quase uma centena de pessoas poderam ver um filme que retratava a vida de Jesus. Fui lá e fiquei agradado com o que ouvi e senti. Para além do salão, ao fundo da sala, foi construido um bar e uma cozinha.

Também o monumento ao Camões está a ser alvo de uma intervenção. As antigas e inestéticas grades de ferro foram cortadas e a terra em volta do pedestal foi substituída por cubos de pedra. À volta e para embelezar ainda mais o nosso Camões, estão a ser colocadas umas pequenas colunas, também em pedra, onde irão ser penduradas umas correntes. E tudo indica que o remate do chão seja preenchido com os símbolos da aldeia.

Malcata é uma aldeia sempre em movimento.Basta olhar para o céu e aquilo mais parece uma das estradas lá para Lisboa, naquelas "horas de ponta". Não acham?

E como estamos na Primavera, as flores das macieiras e das cerejeiras deixam-nos parados no tempo e a sua beleza e brancura invadem o nosso espírito.

Malcata é assim!

10 abril 2009

HÁ OBRA EM MALCATA

MONUMENTO AO POETA LUÍS DE CAMÕES
ESTÁ A FICAR...


OK! OBRA APROVADA.




Quem não se lembra desta estátua? E que tal as obras de requalificação que a Junta de Freguesia está a fazer ao monumento? Claro que a envolvente não é a melhor, pois a paragem das camionetas não fica lá muito bem na fotografia, mas quando foi construída e quem a mandou construir apenas se preocupou em criar melhores condições às pessoas que ali esperam por transporte.
Já que a obra do monumento ainda não está terminada, aproveito para sugerir aos responsáveis da Junta para que coloquem as letras que faltam no texto da placa fixada no pedestal de pedra. Dessa forma poderemos ler melhor este texto:
LUÍS DE CAMÕES
IMORTAL POETA CANTOR
DA GRAÇA MANDADO
ERIGIR POR JOSÉ MANUEL
CORCEIRO E ESPOSA,
DOMINGOS F. NOZETI
ARGENTINA EM MEMÓRIA
DE SEUS PAIS MANUEL
JOSÉ CORCEIRO E ROSA SALINA
GONÇALVES FILHOS DESTA
TERRA E HOMENAGEM AOS
NATURAIS E EMIGRANTES
DE MALCATA
12-9-1965




SALÃO DE FESTAS E CONVÍVIO DE MALCATA











Cozinha(Exterior)






O Salão de Festas foi inaugurado muito recentemente. Fazia falta um espaço para festas e convívios maior e com melhores condições do que as que havia anteriormente. Ainda não está tudo pronto. As cadeiras para a plateia ainda são poucas e apenas servem de remedeio. Aos poucos com certeza que se comprarão mais cadeiras. Também visitei a cozinha, situada nas traseiras do salão. Ou seja, aos poucos a aldeia vai mostrando vontade de viver e conviver.




ROSSIO, AI O ROSSIO...



Novo piso







Com um palco destas dimensões e com este chão, lá para o mês de Agosto não há quem deixe de dar um pé de dança. Agora o Rossio está diferente, melhor, mais digno de um verdadeiro palco ao ar livre. Está preparado para receber diversas realizações de cariz cultural, popular e penso que ganha em côr à obra que o arquitecto Siza Vieira fez naquela grande avenida da cidade do Porto, a Avenida dos Aliados. Ora toma!
Nota minha: Para que o Rossio ainda fique mais agradável à nossa vista era de bom gosto que se arranjassem aquelas casas lá do fundo...não acham? Vamos lá Tio Fernandes, se arranjar a sua pode ser que os outros lhe sigam o exemplo. E porqque não, já que a loja do meu tio, durante as festas de Malcata, tem servido de armazém do bar, como pagamento dessa cedência gratuita durante muitas festas, taambém gratuitamente renovar a parte frontal da dita casa?
Bom, mas o que pretendo ao divulgar estas fotos e estas novidades, não é mais do que através da internet, levar aos quatro cantos do mundo imagens da aldeia que todos nós temos no coração. Sei que há quem consulte estas páginas e vive na Austrália, no Porto, no Brasil, na França e noutros países onde Malcata seja a palavra de busca.








08 abril 2009

CASTANHEIRO NOTÁVEL

Castanheiro de Malcata ( Outono )

Notícia retirada do Jornal Cinco Quinas:

Equipa faz levantamento dos castanheiros notáveis do Sabugal .
Os castanheiros notáveis do Sabugal vão ser compilados num livro que está a ser elaborado por Serafim Riem e por Laura Alves. Antes da publicação, a equipa vai ainda organizar um seminário sobre árvores centenárias.

Serafim Riem e Laura Alves estão a fazer um trabalho de levantamento dos castanheiros monumentais históricos do concelho, uma iniciativa da Câmara Municipal do Sabugal. Serafim Riem conta que «temo-nos preocupado em percorrer todo o concelho e estamos a fazer um levantamento de todos os castanheiros notáveis. Para isso, temos tomado em consideração aqueles que tenham um perímetro de cerca de 1,30 metros a cinco metros, porque senão alargaríamos demasiado o nosso trabalho».
Na génese deste projecto está «a riqueza deste património do concelho e a sensibilização das pessoas, para que tenham noção de que os castanheiros são velhos e que têm de ser preservados», revela Serafim Riem. A isto, acrescenta que «queremos que as pessoas se sintam vaidosas por serem proprietárias daqueles castanheiros».
Entre as actividades desenvolvidas, esta equipa tem feito medições e numerado as árvores. Assim, junto de cada castanheiro notável é colocada uma placa da Câmara Municipal do Sabugal, com o respectivo número da árvore. Mais tarde, explica Serafim Riem, «depois dos dados coligidos, pensamos publicar um livro, que será “Castanheiros Notáveis do Sabugal”, talvez no início do próximo ano».
Até lá, revela Laura Alves, «temos agendado um seminário para 25 e 26 de Junho. No dia 25 virá um expert em árvores centenárias, britânico. Teremos ainda outros oradores. No dia 26 teremos uma visita a alguns dos exemplares». Serafim Riem faz ainda uma achega à iniciativa, ao contar que «é um seminário organizado pela Associação Árvores de Portugal e pela empresa municipal Sabugal +, e terá o patrocínio do Planeta das Árvores».

Por: SQ
http://www.cincoquinas.com/index.php?progoption=news&do=shownew&topic=3&newid=1308
Ora, em Malcata, mesmo dentro do pátio do Centro Social, há um notável exemplar que aguarda pacientemente pela visita dos técnicos. Louvo a iniciativa da Câmara Municipal do Sabugal e oxalá os levantamentos sejam feitos até ao fim e que não fique nenhuma árvore por classificar. Por todo o concelho do Sabugal existem ainda grandes castanheiros e era urgente tomar medidas para os preservar.

MAIS CONFUSÕES DE CONSTRUÇÃO

Rua do Calvário


Rua Principal

Sem comentários...



07 abril 2009

CONFUSÕES ARQUITECTÓNICAS

Eis três casos de confusão arquitectónica na aldeia de Malcata. Como estes exemplos, infelizmente, existem ainda muitos mais. O cimento parece ser a melhor solução para sesolver problemas de degradação.



Rua Principal


Rua do Cabeço





Rua do Meio


04 abril 2009

ONDE NASCE O CÔA

Onde nasce o rio Côa? Para os amantes da natureza proponho um passeio até aos Fóios e depois subam até à nascente do rio Côa. Deixem-se embalar pelo vento enquanto descobrem o sítio onde o rio nasce e depois de saciarem as gargantas, sentem-se em cima duma pedra e deixem os cabelos voar enquanto admiram lá longe a paisagem. Ouçam os pássaros, cheirem as carqueijas floridas e descansem.Vão adorar!


video

03 abril 2009

DELÍCIAS DO CÔA: SONHOS DESFEITOS

Queijadas da Raia

As queijadas da raia foram em tempos um doce tradicional na região do Sabugal. Em Junho de 2000, durante as festas de São João, este doce reapareceu através da iniciativa de Leonor Fonte. Depois de alguma investigação e de conversas que teve com as pessoas mais idosas pensou que reintroduzir as "queijadas da raia" nos hábitos dos sabugalenses e de quem visitasse a cidade, poderia contribuir para que este doce fosse uma mais valia e uma fina especialidade na casa de que era proprietária. Como mulher de Aveiro, sabia bem a fama e o negócio que os ovos moles dão à cidade aveirense. Daí que no Sabugal, terra onde pouco ou nada havia de diferente, mesmo especial, algo que as pessoas comessem e tivessem desejo de levar aos amigos para provar... e ficarem curiosos de também eles um dias conhecerem esse doce do Sabugal.

Assim tem acontecido com os Pastéis de Belém, com as Queijadas de Sintra, com as Cavacas de Resende, com o Cavaco de Paredes...doces antigos, doces que começaram por ser de consumo local e que hoje o país inteiro conhece e muitos já comeram.

Mas, com Leonor Fontes, a história foi diferente. O esforço feito em Junho de 2000 e a falta de apoio que sentiu para divulgar as queijadas da raia, trouxe-lhe algum desânimo e nessa altura disse que "lamento apenas que a Câmara do Sabugal não se tenha interessado em fazer a divulgação deste produto tradicional". Leonor apenas tinha pedido para que as queijadas fossem colocadas no Posto de Turismo. Os lamentos continuaram e Leonor disse "fiz um grande investimento e depois as pessoas de cá não querem saber". Contentou-se com os elogios que os clientes atribuiam as queijadas que ela vendia na pastelaria "Delícias do Côa".

Li no Cinco Quinas on line que há seis meses que ninguém sabe dos proprietários da pastelaria Delícias do Côa. Eu lamento o encerramento deste estabelecimento. Estarão todos de acordo comigo se disser que a cidade do Sabugal perdeu um estabelecimento de certa categoria, era mais do que o típico café ou snack-bar e que surpreendeu as gentes do concelho quando abriu as portas no centro do Sabugal. A história das queijadas não foi a única desilusão. Já em 2005 a Câmara lhe tinha indeferido o pedido de colocação de uma esplanada. São dois factos que estão devidamente documentados e quanto aos motivos do encerramento, eu desconheço as razões que levaram a essa situação. Eu sempre lá fui bem atendido a cidade do Sabugal necessita destes estabelecimentos e claro, de ter empesários honestos, sérios e inovadores e devidamente apoiados pelas autarquias.