23 outubro 2013

O FORNO DO POVO: ENCONTRO DE SABERES

    Em todas as aldeias havia o forno do povo onde as pessoas coziam o seu pão. E Malcata lá teve durante muitos anos o seu forno do povo e outro forno muito utilizado também por muita gente da aldeia. O forno público era o do Rossio, felizmente recuperado e pronto a ser usado sempre que é necessário. O outro forno estava localizado na Rua da Moita, ao lado da casa da Ti Narcisa, mesmo ali ao início da rua, do lado direito em direcção à Moita.


Forno do Povo ( Rossio ) recuperado

Os dois fornos eram aquecidos com lenha que os lavradores acarrejavam dos montes com os carros de vacas. Carregavam gestas, carvalhos, freixos, urgueiras, carquejas e guardavam a lenha numa divisão anexa aos fornos, ficando abrigada da chuva e assim estava sempre seca para melhor arder quando fosse enfiada no interior do forno.


Porta do Forno do Povo recuperada ( Rossio )

   O pão era levado para o forno, por mulheres, num tabuleiro de madeira, normalmente em madeira de castanho, envolto em panos de linho. E cada fornada dava para a família ter pão disponível durante duas semanas.
   O forno da Rua da Moita já não existe, pois com as obras de recuperação de uma casa desapareceu de vez. Não era tão utilizado como o forno do Rossio, mas também saía de lá um bom pão.
   
Pão no forno
   

   E durante muitos anos os dois fornos de pão serviram o povo de Malcata e foram o orgulho de muitas famílias. O forno era o local de encontro, principalmente para as mulheres. Lembro-me vagamente da Ti Ana, a forneira, que durante anos se responsabilizava por aquecer o forno e era ela que com a ajuda de uma pá, que de tão grande que era, metia e tirava para aí uns 3 ou 4 pães ao mesmo tempo. Quando chegava o momento de retirar o pão cozido para fora do forno, a mulher fazia deslizar a pá por baixo dos pães e depois puxava-a para fora do forno e assim sucessivamente até todos os pães estarem cá fora.
   Lembram-se das latas cheias de doces? O que as mulheres inventavam, meu Deus, para colocarem os doces no forno. Qual formas anti-aderentes! Uma simples e usada chapa de caldeiro depois de endireitada e bem lavada, coberta por farinha que impedia a massa se pegar ao fundo, onde a mulher enfileirava uma boa dezena de montes da massa dos doces, que depois de entrarem no forno, com temperatura e tempo medidos a olho, saíam bonitos e crescidinhos com vontade de provar essa especialidade.
   Outros tempos, outros hábitos alimentares, onde não havia pressa de comer o pão quente, mas que durante dias e dias alimentava a fome a muitas famílias.

 




03 outubro 2013

COMÉRCIO DE PROXIMIDADE





      Malcata aos olhos de muitos parece uma aldeia Viva e cheia de pujança. Só pensa assim quem não vive diariamente na aldeia, pois quem lá passa os dias e as noites sente as dificuldades de ali ter que ficar e ao mesmo tempo sente-se incapaz de encontrar outros caminhos.

             
Fechou a "Fonte"em Malcata


 

As eleições já passaram e vai continuar tudo como estava. Neste final de Setembro e início de Outubro fica marcado pelo encerramento do mini-mercado "A Fonte". Helena e Joaquim tiveram que optar pelo fecho do comércio, que tanto trabalho lhes deu e que agora se viram impotentes para contrariar a baixa de vendas. Todos estamos a sofrer na pele a falta de dinheiro, o encarecimento dos bens materiais. Se a este problema lhe juntar-mos a diminuição da população residente em Malcata, a inauguração de novos supermercados na cidade do Sabugal e um novo comportamento por parte das pessoas que trabalham fora da terra, que muitas vezes transportam nos seus automóveis as compras que efectuaram perto dos seus locais de trabalho, somando o envelhecimento acentuado das pessoas que realmente vivem na aldeia, algumas beneficiando ( e bem ) dos apoios do Lar, estão explicadas algumas das razões sentidas pelos pequenos negócios que existem na aldeia.


Lamento o fecho da Fonte, pois é menos oferta para a população, o que vai obrigar as pessoas a percorrer mais distâncias para poder efectuar as compras dos bens essenciais.
O despovoamento e o envelhecimento da população significa que as pessoas estão cada vez mais velhas e vão ter mais dificuldades em se deslocar para esfectuar as suas compras. Por isso é necessário criar incentivos e apoios aos pequenos negócios das aldeias, como por exemplo, estes mini-mercados. A sua presença em Malcata com as portas abertas, contribuem para melhorar a qualidade de vida de toda a população. E se são importantes para a aldeia, também deviam ser merecedores de receberem apoios para se modernizarem, para se renovarem e apostar em novas formas de fazer negócio. Sou levado a pensar que quando na nossa aldeia uma porta de um negócio se fecha, todos nos devemos interrogar sobre os motivos que levaram a esse desfecho. É claro que todos também devemos compreender que ninguém investe, seja em que negócio for, para perder dinheiro.
   Em Malcata as pessoas vão vivendo ou sobrevivendo com o que resta: uma Junta de Freguesia, um Centro de Dia e Lar, quatro cafés, um minimercado, uma serralharia e uma casa paroquial, agora novamente ocupada por um jovem padre. Lembro portas que fecharam: escola primária, creche, queijaria tradicional. Quantas continuarão abertas e até quando? Talvez algumas não fossem encerradas se a solidariedade fosse mais praticada entre as várias associações existentes na aldeia. E olhem que são mais do que pensam! Talvez se o verdadeiro espírito de partilha e a transparência de certos responsáveis dessas instituições fosse mais vezes tido em conta na gestão das suas necessidades de bens e serviços, levando a outras opções que não apenas os preços desses mesmos bens e serviços, contribuíssem efectivamente para a manutenção e fortalecimento de pequenos negócios que tanta falta fazem ao povo.
 
   

02 outubro 2013

FAZER AINDA MAIS


Vítor Fernandes e António Robalo em campanha
(Foto retitada do facebook)

      O mês de Setembro foi mesmo um mês diferente, com factos que vão ficar gravados na vida dos malcatanhos. Então a última semana foram mesmo tempos de morte, de mudança e de encerro. Começo pelas eleições para dizer que não surpreenderam ninguém, aconteceu o que já se previa desde o início da campanha eleitoral. Apesar de pela primeira vez se ter apresentado uma candidatura independente, mesmo sabendo os desaires do actual governo e alguns incumprimentos do governo municipal, a vitória voltou a sorrir aos mesmos. Em Malcata, a reeleição de Vítor Fernandes foi aquilo que o povo escolheu. Surpresa para mim nestas eleições são os 211 eleitores que se abstiveram. São muitos eleitores fantasma que já não deviam constar dos inscritos, mas que constavam nos cadernos eleitorais.  Há que corrigir esta situação para as próximas eleições, pois Malcata precisa de pessoas reais e votantes, de fantasmas anda a terra cheia.
           E vós malcatanhos que dizeis da escolha da maioria do povo?
          Aos membros da recém eleita Junta de Freguesia e Assembleia de Freguesia as minhas felicitações e é tempo de arregaçar as mangas, porque há trabalho para ser feito.