27 novembro 2013

CASTANHAS






  Na aldeia o tempo passa lentamente e quem comanda a vida das pessoas é o dia, a noite, a chuva, a neve, o vento, o sol e a lua. Aqui os minutos e os segundos pouco importam e quase não têm sentido.
   Pelo Outono de outros tempos, apareciam as primeiras castanhas e com elas apareciam os magustos um pouco por todo o lado. Também na escola primária o magusto não era esquecido. As professoras pediam às crianças para irem aos pinhais próximos apanhar caruma e trazê-la até à escola para depois fazerem o magusto.
   Os castanheiros sempre existiram em Malcata e quase todas as famílias tinham castanha de boa qualidade. A doença da tinta varreu a maior parte destas árvores e as pessoas começaram a desinteressar-se     pela renovação da espécie   mantendo apenas os castamheiros que já existiam.   A castanha era apanhada manualmente para umas cestas de verga e despejadas nas sacas para depois serem levadas para casa do lavrador. Comiam-se assadas, cozidas e também eram incluídas no caldudo. Os assadores eram feitos de caldeiros velhos a que se furavam dos lados e no fundo e depois eram despejadas as castanhas no interior e eram pendurados nas cadeias em ferro e ali permaneciam a apanhar o calor do lume até as castanhas ficarem assadas.

  Para secar as castanhas, deitavam-se nos caniços e ali permaneciam duas a três semanas a apanhar calor e fumo. O caniço era uma espécie de estrado feito de varas ou ripas em madeira, separadas ligeiramente entre si, de forma a entrar o calor e sem deixar as castanhas cair.                                                                                                                                                             
Depois de secarem, eram recolhidas para dentro de um cesto de verga e os homens calçavam um par de tamancos próprios para  pisarem a castanha e retirarem as duas camadas de casca. Esses tamancos, uma espécie de sapatos com o peito do pé em couro e a base em madeira,  cravada de pregos em ferro que com o peso da pessoa e os pregos, de tanto pisarem as  castanhas, acabavam por lhes retirar a casca e deixá-las piladas. Era com as castanhas piladas que se fazia o caldudo, que é uma sopa forte e um prato bastante cozinhado durante o Inverno.
Com a emigração ocorrida na segunda metade do séc. XX e consequente alteração dos hábitos alimentares, o consumo de castanha quase que desapareceu. Esta tendência está, contudo, a inverter-se e o caldudo parece sobreviver. Trata-se afinal de um prato rústico, muito nutritivo e de sabor incomparável, seja ele consumido quente ou frio. 

RECEITA DE CALDUDO:
 1. Cozer bem, em panela de ferro, as castanhas secas previamente 
 2. Esmagar, a garfo, as castanhas.
 3. Juntar açúcar e/leite a gosto.

Bom proveito.









24 novembro 2013

COGUMELOS SILVESTRES

Cartaz das jornadas 2013

Pelo quarto ano consecutivo vão realizar-se as jornadas micológicas em Malcata. É a oportunidade para dar a conhecer mais algumas espécies de cogumelos que nesta época do ano se encontram nas terras malcatanhas. Mais uma vez a ACDM, Associação Cultural e Desportiva de Malcata,  que volta a contar com o apoio da Junta de Freguesia, vai organizar  este encontro das pessoas com a natureza.
 É importante criar este ciclo de eventos e que anualmente se continuem a organizar. Estes encontros devem contribuir para favorecer a população de Malcata. A nossa aldeia está rodeada por um património natural riquíssimo. E essa riqueza não se encontra só na variedade e qualidade dos cogumelos ou tartulhos, como popularmente lhe chamamos nós.
   Com as jornadas micológicas e outros eventos que periodicamente se realizam em Malcata, é
uma oportunidade que as pessoas da aldeia devem saber aproveitar para melhorar  a sua vida comum e de cada habitante. É importante abrir estas actividades a todas as pessoas. Quem nos visita nestas ocasiões, por vezes percorrem centenas de quilómetros porque ouviram, leram ou lhes falaram que valia a pena conhecer esta nossa região. É por isso importante abrir as portas e deixar que as pessoas entrem na nossa terra e conheçam o nosso património, as nossas tradições, as nossas gentes.
   
   Por esta altura do ano as jornadas  micológicas começam a ser uma praga, pois todas as terras da nossa região organizam a sua. É um sinal de dinamismo das associações que existem nas nossas aldeias. Faz-me lembrar o mês de Agosto e a quantidade de festas e capeias  que são tantas que uma pessoa fica  sem saber a qual deve ir. Nisto das jornadas penso que há necessidade de lhes acrescentar algo mais, procurar encontrar e oferecer mais qualquer coisa que todos as outras jornadas oferecem. As que conheço foram bem organizadas e parece haver a preocupação de convidar uma pessoa especialista em micologia. E este ano a organização já  deu mostras que esse é o futuro destas jornadas ao convidar uma pessoa que vive dos cogumelos que cria, o senhor Fernando Castro, da Cogus Box, que certamente vai ser um motivo de interesse para os participantes. É desta forma diferenciadora que se transforma numa mais valia e uma segurança para os participantes. A presença do especialista é bom, diria mesmo que é o cerificado de qualidade da jornada e a presença de alguém que viu nos cogumelos uma forma de melhorar a sua vida é outra ajuda no enriquecimento desta actividade.Manter e subir outro  patamar se queremos manter estas jornadas vivas e participadas é crucial e para isso há que criar outros factores de diferenciação em relação aos outros organizadores e dessa forma as jornadas micológicas em Malcata continuarem a realizar-se e transformarem-se  numa oportunidade de benefício para as pessoas da aldeia. A ACDM e a Junta de Freguesia de Malcata têm que pensar de que forma é possível valorizar ainda mais este evento. 
      Muito está a ser feito e muito mais há a fazer. As associações da nossa terra durante o ano organizam diversas  actividades e agora até já as divulgam na internet, alargando dessa forma o número de pessoas informadas e que até podem decidir participar. Eu vejo desta maneira:se cada um de nós sentir carinho e gosto por aquilo que é nosso, as coisas ficam mais valorizadas . Tratar com carinho, divulgar, desenvolver , criar entusiasmo e com certeza que mais pessoas virão de fora para participar nestes e ventos e ao mesmo tempo ficam a conhecer Malcata. E para além das riquezas naturais, o nosso património pode ajudar no chamamento de mais pessoas, pode até ser um factor de desenvolvimento da nossa terra.

 


PROGRAMA:


A Jornada começará com a reunião das pessoas na sede da ACDM, na Rua da Escola Primária
9.30h- Início e apresentação: serão prestados alguns esclarecimentos. O trabalho de campo (procura e recolha dos cogumelos) será orientado pelo engenheiro Gravito Henriques, personalidade idónea e competente na matéria, e será feito em locais a indicar por pessoas conhecedoras do terreno.
12h30- Almoço, na sede da Associação. As pessoas devem levar o seu farnel que poderão partilhar.

Depois do almoço haverá uma exposição e demonstração sobre o cultivo de cogumelos em caixas e sacos pelo sr. Fernando Castro, da Cogus Box. Seguir-se-à a identificação dos cogumelos recolhidos, a cargo do sr. engenheiro Gravito Henriques.
17.00- haverá um lanche ajantarado, onde poderemos saborear o arroz de cogumelos e o caldudo (de castanhas), ao sabor da tradição.
COMO PARICIPAR:
Para participar neste evento deve inscrever-se através do email:
 ruichamusco@sapo.pt do número 966509086 ou ainda através do facebook da ACDM, e ainda do email:vitormalcata@hotmail.com presidente dessa Junta de Freguesia de Malcata, ou do site da Freguesia. 
O valor da inscrição é de 2€ para os não sócios e será grátis para os sócios.
Os participantes devem levar calçado apropriado e uma cesta.
Esta Jornada Micológica é uma organização da Associação Cultural e Desportiva de Malcata, com a colaboração da Junta de Freguesia de Malcata e da Direcção Regional da Agricultura e Pescas do Centro.


ALGUNS CONSELHOS




Como colher







   
Conhecer

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE COLHEITA E CONSUMO DE COGUMELOS :


14 novembro 2013

CORRER POR DESPORTO

   

Atletas da ACDM no 24ºCorta Mato de São Martinho
(Foto do CDCP)

No passado domingo, dia 10 de Novembro, a ACDM ( Associação Cultural e Desportiva de Malcata ) participou no 24ºCorta Mato de São Martinho, que se realizou na cidade da Guarda e cuja organização esteve a cargo do Centro Desportivo Cultura e Solidariedade Social do Pinheiro.
   A nossa associacção fez-se representar por 14 atletas, a terceira organização com mais presenças e com resultados que deixaram os dirigentes e atletas satisfeitos.
   A atleta Joana Marques, com 1.54, ganhou a Corrida da Família ( F ) e Taísa Dias ficou no 2ºlugar com 2.17. Já na mesma prova dos masculinos, o nosso Manuel Alavedra alcançou o 3º lugar, com 1.59 e Dinis Nabais com um tempo de 2.03, terminou em 4ºlugar.
   Os bons resultados foram alcançados pela nossa atleta Inês Sequeira, que com um tempo de 1.51, ganhou o 1º lugar na corrida dos 500Metros femininos, Benjamins B.
   As outras atletas que participaram nos 1.500Metros(F) obtiveram também boas classificações e pelos tempos obtidos podemos dizer que "juntas são mais fortes". Vejam estes resultados:
6ª-Maria Helena Alavedra, com 6.32
7ª Inês Varandas .............. com 6.35
8ª Alexandra Nabais.......... com 6.36
9ª Jacinta Oliveira................com 6.50
10ª Joana Ascenção............com 7.10

   Por gentileza do CDCP(Centro Desportivo Cultura e Solidariedade Social do Pinheiro, Guarda, vejam estas fotografias sobre o 24ºCorta Mato de São Martinho ):

































José Manuel Anciães Domingues
 (Técnico da ACDM-atletismo)

  E falta ainda referir que na corrida dos 2000 metros para iniciados femininos, a atleta Vanessa Janela alcançou a 3ªposição, enquanto que nos 2000 metros infantis, o atleta Jorge Janela GANHOU o 1º lugar.
   Na prova dos 3000 metros para iniciados, Tiago Nabais, com 14.28 ficou em 13º lugar.
   Para terminar, resta referir que na corrida dos 4000 metros femininos a Cristina Alavedra ficou em 11º lugar.
 Na classificação colectiva geral o Centro Atletismo de Seia ficou em primeiro lugar, tendo obtido 86,0 pontos. E a ACDM ficou em 6º com 35,0 pontos.
  Segue-se uma série de fotografias que retratam um pouco a participação dos atletas da ACDM nesta prova de atletismo. As fotos foram gentilmente cedidas pelo Centro Desportivo Cultura e Solidariedade Social do Pinheiro, a quem agradeço.