29 março 2012

ENCANTOS DE MALCATA



José Carlos Callixto há muito que tem um carinho especial pela nossa região raiana. E no mês de Março, no passado dia 26 realizou um dos seus desejos de caminheiro quando se encontrou com o nosso conterrâneo José Lucas. Aqui está o registo desse extraordinário encontro.
Aos poucos a nossa aldeia vai-se abrindo ao mundo e as pessoas vão descobrindo os nossos encantos naturais e humanos.
Também assim se desenvolve a nossa aldeia.
Seja bem vindo quem vier por bem!


28 março 2012

TRACTOR TAMBÉM DÁ COICES

    
   Na aldeia de Malcata os tractores cada vez são mais. De há uns tempos para cá, quando vou pelas ruas da nossa terra, raro é o dia que não veja um homem de tractor a ir ou a vir dos trabalhos agrícolas. As juntas de vacas foram literalmente banidas, mesmo as vacas leiteiras acabaram de vez.
   Diariamente leio nos jornais notícias de tractoristas que são vítimas de um acidente de trabalho enquanto desenvolvem as tarefas no campo. As consequências são geralmente muito graves e o risco de morte é superior aos daqueles que conduzem automóveis ligeiros e pesados. E as razões são várias: idade avançada,  descuido, falta de formação, abuso de bebidas alcoólicas e principalmente porque conduzem o tractor sem o uso adequado do chamado "arco de Santo António".
 Ti Libânio, sempre com condução segura e
com o "arco" activo


         Na época das vacas, os agricultores tinham que se preocupar com os coices e os rabos dos animais. E quando carregavam os carros de vacas também tomavam medidas de segurança para que não fossem vítimas de algum infortúnio que por descuido ou decisão incontrolada e inesperada do gado, tivesse consequências trágicas. Apesar desses cuidados todos, houve alguns acidentes que ninguém contava que acontecessem. Há que corrigir estes descuidos:
   




 Segundo as estatísticas morrem muitas pessoas a andar de tractor. Daí ter sido a segunda campanha a sair para a rua. Parece que os tractoristas nāo ligam muito às normas de segurança. Se tivessem este arco de Santo António "obrigatório" como está neste desenho, muito boa gente não morria.

Leia mais aqui:


 

23 março 2012

MATERNIDADE PARA LINCES EM FUNCIONAMENTO

       

   O início da época de reprodução 2012 no CNRLI ocorreu em Dezembro de 2011 com o início do cio das fêmeas. Os acasalamentos foram planeados de acordo com critérios genéticos e respeitando as interacções comportamentais observadas entre os animais. Durante o período potencial de gestação as fêmeas são seguidas com particular atenção e são feitas análises às fezes e urina para testes de gravidez.
Ler mais aqui:

http://linceiberico.icnb.pt/newsdetail.aspx?menuid=26&exmenuid=42&eid=456

22 março 2012

LINCES EM MALCATA


Promovida pela Liga para a Proteção da Natureza(LPN), está em exposição temporária, no Forno Comunitário de Malcata, a Banda Desenhada sobre o Lince Ibérico, que faz parte do Projeto «Life Habitat Lince/Abutre».
A exposição poderá ser visitada até ao dia 15 de Abril, nos seguintes horários: dias da semana das 15.00h às 17.00 horas, sábados e domingos das 14.00 às 18.00 horas.
Esta mostra destina-se em geral a todo o público, e particularmente às escolas, com o objectivo de sensibilizar os visitantes para a defesa e protecção desta espécie animal em via de extinção.
Forno comunitário em Malcata

12 março 2012

MALCATA VILLAGE: OPINIÃO DE JOAQUIM RICARDO

   Joaquim Ricardo, é vereador independente da Câmara Municipal do Sabugal, foi eleito nas listas do MPT,  concedeu uma entrevista ao blog Capeia Arraiana onde se destaca uma pergunta relativa ao projecto do "hospital" projectado para Malcata. Eis a pergunta e a resposta:

- O que pensa do negócio de terrenos subjacente ao 

projecto do empreendimento Ofélia Clube? Ou seja, 

concorda com a venda de terrenos a preço simbólico 

a título definitivo ao promotor do projecto?

Resposta do vereador Joaquim Ricardo:


- O que eu conheço do projecto do empreendimento Ofélia Clube, no que diz respeito a esse assunto (especificamente!), é um compromisso, não formalizado oficialmente – é um documento não timbrado, assinado entre o actual presidente António Robalo e a Existence SGPS, SA em que a Câmara cederá aquela empresa cerca de 38,82 hectares de terreno rústico ao preço de compra, para aí ser construído um projecto de desenvolvimento Médico/Social e Habitacional. E que, em caso de incumprimento, reverterão todos os imóveis a favor da Câmara Municipal sem qualquer indemnização a que título for, tendo ainda a Existence SGPS, SA de indemnizar o Município do Sabugal do valor correspondente ao dobro do preço de aquisição dos terrenos por parte da autarquia. Este compromisso ficou selado em acta de Câmara realizada em Setembro de 2008 (salvo o erro!). Isto é o que eu conheço e possuo provas documentais! Mas seja como for, nada poderá ser concretizado oficialmente sem passar pelo crivo do executivo camarário e assembleia municipal! E, assim, podem os sabugalenses estar descansados com a minha atenta vigilância sobre este assunto. Para finalizar a resposta, é importante referir que este projecto foi oficialmente anunciado com toda a pompa e circunstância, quando a campanha eleitoral para as últimas autárquicas estava no seu auge e serviu de principal bandeira eleitoral de quem ganhou as eleições! Eu, na altura, tive a oportunidade de me referir a ele como sendo um projecto que seria bom de mais para ser verdade a sua concretização. E, infelizmente, a minha opinião não mudou. Já lá vão dois anos e meio e o que temos é menos que igual a zero! E até ao final do seu mandato, o senhor presidente deverá dar contas das suas promessas? Os sabugalenses, seus eleitores, assim o exigirão!
Pode ler a entrevista completa aqui:
http://capeiaarraiana.wordpress.com/2012/03/12/a-fala-com-o-vereador-joaquim-ricardo/

E os malcatanhos o que pensam deste assunto?
Recentemente foi apresentada e defendida uma tese de mestrado com o tema "Malcata Life Village".Sabem de que se trata? Alguém em Malcata está com interesse em saber mais informações acerca desta ideia?
Vejam o que o DR. Luís Manuel do Carmo Farinha estudou e que pensa ser possível realizar em Malcata:






    Estas imagens foram copiadas do trabalho que o doutor Luís Manuel do Carmo Farinha elaborou ao longo de muitos meses e que faz parte da sua tese de mestrado apresentada ao Instituto Politécnico de Castelo Branco, com cujo trabalho pretende obter o grau de Mestre em Gestão de Empresas. E foi nesse sentido que escolheu a zona de Malcata, pois deve ter sido informado que aqui se projectava um empreendimento que se encaixava no seu trabalho. Ou não foi assim? A verdade é que este estudioso apresentou o seu trabalho a uma empresa francesa ( suponho que à Existence ) com o projecto todo elaborado. Já lhe passei os olhos pelo trabalho e achei interessante. Seria interessante que os malcatanhos também consultassem este mesmo trabalho, observassem as imagens que contém e reflectissem um pouco sobre este tema. Podem consultar aqui:http://repositorio.ipcb.pt/handle/10400.11/1166, .


   





11 março 2012

PRODUTIVIDADE




   O Jornal Cinco Quinas do mês de Março já me chegou a casa. E de cada vez que o recebo, imediatamente rasgo o saco de plástico onde ele vem e faço a minha "revista de imprensa" à procura de novidades ou algum acontecimento que ainda não tenha lido na internet. Este mês, chamou-me a atenção o Editorial que A.Rito Pereira escreve. A. Rito Pereira coloca-nos esta ideia:
 

  Homem com 50 anos,  casado e com dois filhos. Conseguiu juntar dois milhões de euros e não tem mais nenhum rendimento ou propriedade para enfrentar o resto da sua vida, que, pela média de vida portuguesa, será de mais trinta anos ( viverá até aos 80 ).
   Que fazer ao dinheiro?
   E A.Rito Pereira fez estas contas:


 
   "Se depositar o dinheiro no banco e conseguir um juro líquido de 2,5%, obtenho um rendimento de 50 mil euros por ano. Posso viver com estes juros, já que me dá 4.160 euros mensais e ainda deixo um bom pecúlio para os meus filhos. Vivo num país onde estão asseguradas as necessidades básicas da vida. Bom sistema de saúde pública (12º lugar a nível mundial), para a educação dos filhos, conto com boas escolas públicas, tenho acesso fácil e barato a bens de alimentação e vestuário.
   Se optar, então, por colocar o dinheiro a render no Banco, posso ter uma vida desafogada, com os meus 4.160 euros mensais, pagando sem problemas a renda de uma boa casa, não tendo problemas em comer e vestir bem toda a família e ter ainda luxos tais como, carro, férias com a família uma ou duas vezes por ano, etc. etc.
   Conclusão: Portugal é um país bom para viver dos depósitos bancários".
 

   Mas se tiver maior ambição, estudo a hipótese de conseguir maior rentabilidade para o meu capital.
Aproveitar os produtos portugueses e fazer uma fábrica de compotas. Compro um pavilhão adequado e respetiva maquinaria por um milhão de euros. Licenciamentos de várias entidades: dois, três, cinco anos. No fim dos cinco anos, perdi em juros bancários, do milhão que empatei: 125 mil euros. Após abrir a fábrica, tenho diariamente à perna, quatro entidades públicas, que deveriam ajudar-me mas que só ficam à espreita de qualquer falha: homens do ambiente, homens do ministério da economia, brigada da GNR do ambiente, ASAE. Todos com o dossier e a esferográfica pronta para me aplicar a multa (de milhares de euros) definida pela última lei em vigor.
   Após algum tempo de funcionamento, chego à conclusão de que tenho de fechar pois em Portugal o Estado não favorece o empresário. Lá se foi o meu capital.
   Compro um terreno para fazer um prédio de vários andares e arrendá-los.
   Empato, na compra e na construção, dois milhões de euros. Aprovação dos projetos na Câmara, águas, eletricidade, telefones: um, dois, três, cinco anos ou mais. E a minha família a passar dificuldades porque não vem o rendimento do meu capital. Por fim, acabo a construção e arrendo os apartamentos. Os inquilinos deixam de pagar renda. Recorro ao tribunal: três, quatro, cinco, dez, vinte anos para obter o despejo dos inquilinos e, no fim, ficar sem receber as rendas contratadas. Lá se foi o meu capital.
Estes dois exemplos são o normal em qualquer atividade desenvolvida em Portugal.
Conclusão: Portugal não é um país produtivo para investir em qualquer atividade.

Tem-se falado ultimamente da baixa produtividade dos trabalhadores portugueses, apontada como factor principal do nosso atraso e baixa competitividade. Pergunta-se: nos exemplos que considerámos, onde é que entra a baixa produtividade dos trabalhadores? E já agora: fazem alguma diferença 4 ou 5 dias de feriados anualmente?
   
   O texto pode ser lido aqui:





http://www.cincoquinas.com/index.php?progoption=seccao&do=show&secid=1

   Estará aqui justificada a atitude da maioria dos nossos emigrantes em relação ao uso que têm dado ao dinheiro que ganham com o suor do seu trabalho?

10 março 2012

MALCATA: LIÇÕES DE VIDA

video
Malcata: Lições de vida



Ah se os humanos fossem todos como as cegonhas! Refiro-me à fidelidade, à entrega, ao cuidado, ao labor, à união da família. Quantos “filhos da mãe” da nossa espécie andam por aí demitidos das suas obrigações!


A mãe natureza continua a cuidar de nós, como seus filhos que somos. Não devemos também nós cuidar dela, prestar-lhe carinhos e atenções, bem como a todos os seus filhos e nossos irmãos? Francisco de Assis, no Cântico das Criaturas, não se priva de louvar e agradecer a Deus Este homem (santo) que abdicou de tantas coisas boas da vida – o pobrezinho de Assis, como soe dizer-se – teve a sensibilidade e a consciência de que o nosso peregrinar por este mundo está repleto de dons de Deus para que deles possamos servir-nos e construir um mundo melhor. O seu profundo respeito pela vida, em qualquer forma que se manifeste, é um estímulo e um exemplo que devemos seguir.
Hoje, a mãe natureza presenteou-nos com o regresso das cegonhas. Dizem os vizinhos que eram seis à procura do velho (!) ninho. Não o conseguiram encontrar, porque foi destruído. Mas em compensação foi-lhes preparado ninho novo num local próximo. Um casal apoderou-se desta mansão, e nela podemos observar, fotografar, admirar e até escrever o que nos vai na mente. São chamamentos sonoros (parecem as matracas da semana santa); são arrufos amorosos; são voos de encantar; são “galaduras”. Enfim, tudo o que é preciso para que a vida das cegonhas continue. Hoje o pai e a mãe; amanhã os “filhos da mãe” e do pai.
Ah se os humanos fossem todos como as cegonhas! Refiro-me à fidelidade, à entrega, ao cuidado, ao labor, à união da família. Quantos “filhos da mãe” da nossa espécie andam por aí demitidos das suas obrigações!
“Olá cegonha! Eu gosto de ti. Há quanto tempo te não via por aí?!”
Termino com o poema completo do saudoso Carlos Paião
 
Olá cegonha, gosto de ti!
Há quanto tempo, te não via por aí!
Nem teus ninhos nos telhados,
Nem as asas pelo céu!
Olá cegonha! Que aconteceu?
Ainda me lembro de ouvir-te dizer,
Que tu de longe os bebés vinhas trazer!
Mas os homens vão crescendo,
E as cegonhas a morrer!
Ainda me lembro...não pode ser!
 
Adeus cegonha, tu vais voar!
E a gente sonha...é bom sonhar!
No teu destino, por nós traçado!
Leva o menino, que é pequenino, toma cuidado!
 
Adeus cegonha, adeus lembranças...
A gente sonha, como crianças!
Faz outro ninho, nos altos céus!
Vai de mansinho, mas pelo caminho, diz-nos adeus!
    

Por: Rui Chamusco
Copiado daqui: http://www.cincoquinas.com/index.php?progoption=news&do=shownew&topic=3&newid=5714

07 março 2012

PAINÉIS INFORMATIVOS EM MALCATA

                                                     

                                                  UMA JUNTA DE FREGUESIA
                                                  MAIS AO LADO DOS CIDADÃOS

   A Junta de Freguesia de Malcata bem podia colocar dois ou três painéis informativos da nossa freguesia de modo a facilitar uma melhor informação aos habitantes e a todas as pessoas que visitam a aldeia ou a Reserva Natural da Serra da Malcata. Nesses painéis podiam estar em destaque o mapa da freguesia, assinalado com todos os seus pontos de interesse. Estes painéis informativos, também conhecidos pelo nome de “Mupis”, devem  ser colocados em locais estratégicos da aldeia e em consonância com esses mesmos locais, de forma a enquadrarem-se com as estruturas envolventes, ou seja, sem ferir o ambiente visual, aparecendo discretamente na paisagem rural mas com uma visibilidade motivadora. A aldeia merece atenção e o painel actualmente colocado à Torrinha, no interior da casinha que serve de abrigo aos passageiros da camioneta, é pequeno,  está escondido e muitos habitantes nem sabem que lá está, quanto mais as pessoas que nos visitam.
     Os painéis seriam um meio para levar à população uma melhor informação ( cultural, desportiva e social e reliigiosa). Estes equipamentos são importantes na informação e mobilização dos malcatanhos residentes na aldeia e sempre que alguém ou algum grupo de pessoas nos visitem.
    A Junta de Freguesia pode e deve pensar nesta sugestão e ter em conta as reais necessidades de Malcata, para que estes painéis, se forem colocados, não se transformem em mais três peças vulgares e que  ninguém dá importância e mais uma ideia parva da minha cabeça, porque simplesmente não informam.
    Vale a pena pensar nisto!