09 dezembro 2017

NESTE NATAL NÃO SE DEIXE EMBRULHAR


 PRESENTES ENVENENADOS

  
O Natal é uma das alturas do ano mais aguardadas por miúdos e graúdos. Os negociantes preparam-se a tempo e horas para nos meses de novembro e dezembro venderem tudo e mais alguma coisa, utilizando as melhores campanhas de marketing.
   As pessoas nestas datas festivas compram e algumas coisas são dispensáveis. Mas o assédio comercial é tão forte e tão intensivo que muitos não resistem e lá vão às compras confiantes que se o não fizerem perderão a oportunidade de comprar mais barato.
   Este ano a febre das promoções e dos créditos fáceis batem às nossas portas diariamente, recebemos mensagens das instituições de crédito com ofertas tentadoras e apelativas. Até parece que nos leram o pensamento e adivinharam que estávamos a pensar mudar de carro, os filhos exigem um televisor smart tv, tablet e mais rapidez na internet. Mesmo não sonhando em viajar, há quem nos queira oferecer uma noite gratuita a seguir à segunda, naquele espectacular sítio tranquilo e repousante. Até os supermercados entraram nisto de marketing natalício e da facilidade de pagar tudo aquilo que nos ajude a passar uma noite santa e alegre. Como é que eles sabem quase tudo, mas quase tudo o que nós procuramos? Como é que as grandes marcas descobrem que ando à procura de um aquecedor, de um computador, de um livro ou de uma varinha mágica? Digo isto porque cada vez que ligo o meu pc e estou no Google, sou massacrado com imagens e preços, das que foram mais procuradas por outras pessoas, comparam o que eu pesquisei com outras ofertas parecidas e ainda me brindam com os comentários de gente que comprou. Tudo entra e eu nem sequer pedi nada daquilo. Ora como não pedi também não respondo, ignoro, elimino e vai direitinho para a reciclagem, ou seja, lixo.
   Cuidado com a habilidade de algumas instituições de crédito, porque enviam uma primeira mensagem, passados uns dias enviam outra a completar a primeira. O consumidor que só leu a primeira, ficou contente com a oferta, foi na conversa  lá foi comprar baseado na primeira mensagem onde lhe dizia que “Surpresa! Não resistimos e antecipamos a sua prenda de Natal: Faca 2 compras de valor >=30€ de 7 a 30/11 e ganhe 20€ de oferta imediata na primeira compra ( de valor >=20€) entre 7 e 31/12. Saiba + em ….” Ao  passar na caixa de pagamento e no momento de exigir os benefícios da “oferta” a que tem direito, fica a saber que afinal é mentira e não leva desconto nenhum porque não leu a segunda mensagem que lhe foi enviada. Não cumpriu com o regulamento da campanha e apesar de lhe começar a subir os calores pelo corpo acima, a fila não avança, os outros consumidores impacientam-se, querem é que a menina da caixa pouse rapidamente o telefone, porque têm pressa e assim não pode ser, acaba por sair com as compras e direitinho ao “Apoio ao Cliente” tratar de resolver o problema. O consumidor continua a dizer que leu a primeira mensagem, não recebeu mais nenhuma e agora há que receber os 20€ que diziam oferecer de imediato.
   Ao menos há cadeira para o consumidor esperar sentado. A menina da caixa não fez o desconto, as três do Apoio ao Cliente também não. O consumidor falou que queria o livro de reclamações e…mais um telefonema….mais uma espera porque estava a chegar a Chefe e já tudo ficaria esclarecido. Sim chegou e foi a simpatia em pessoa e mostrou que sabe como tratar bem o cliente, pede desculpa pelo incómodo causado e solicita que deixe os dados e dentro de dias entrarão em contacto com o cliente.
      Antes de terminar deixo um alerta: cuidado com as mensagens enviadas para os telemóveis, se for ofertas de crédito, lembrem-se que o dinheiro tem um preço. Há ofertas que não são totalmente transparentes e poucos são aqueles que se dão ao trabalho de ler devagar essas mensagens. São para ler devagar, ler e seguir todos os passos que o emissor refere e nunca tomem uma decisão de aceitar a oferta sem primeiro ler tudo. Desta vez são 20€, não é muito dinheiro, mas é dinheiro e de prendas envenenadas ninguém gosta.

03 dezembro 2017

NÃO HÁ COMO VOLTAR ATRÁS



   A página da internet da Junta de Freguesia de Malcata ainda não foi actualizada desde que o novo executivo liderado por João Vítor, eleito pelo PSD, tomou posse. Aqueles que pretenderem consultar, dois meses depois das últimas eleições, para além de algumas notícias e fotografias de alguns eventos nada mais vão encontrar. O link que nos deveria remeter para as informações referentes ao Executivo, Documentos, Actas, Editais, Pontos de Interesse, limita-se a referir uma área “Informação brevemente disponível”. A mesma informação se aplica àqueles que pretendem actualizar-se sobre as Associações e Contactos nem sinal nenhum!
   A página www.malcata.org/quando foi apresentada para substituir esta mais antiga, http://www.malcata.sabugal.pt/ e tudo continua como dantes, ou seja, não está a contribuir para uma maior aproximação do poder local aos cidadãos e lamento o desinteresse pela ferramenta tecnológica na criação de melhores ligações a toda a comunidade, a todos os malcatenhos, residentes ou não em Malcata. É da competência da Junta de Freguesia promover uma rede de informação, divulgação e apoio aos seus cidadãos. Não creio que o povo goste de continuar a ignorar os benefícios das novas formas de o poder se relacionar com quem o elegeu. A decisão na escolha foi clara e o povo decidiu no sentido de uma continuidade do trabalho realizado e do que não foi conseguido por mau planeamento, por falta de tempo, por falta de mão firme…reconhecendo que tudo estava bem como tem estado até agora e assunto arrumado até daqui a três anos.
   O sucesso do poder local não depende exclusivamente do seu próprio empenho. E penso da mesma maneira em relação ao sucesso das associações. O sucesso da actual Junta de Freguesia e das associações da nossa aldeia, depende também dos malcatenhos que com a sua força, com a sua vontade generosa e determinada em fazer da nossa freguesia a aldeia que todos querem. Para que isso aconteça todos temos que contribuir. A qualidade dos malcatenhos não se esgota no dia a seguir às eleições. Malcata precisa da envolvência de todos os cidadãos nos processos decisivos, fazendo uso das ferramentas que temos ao nosso alcance para que a nossa participação seja mais activa e efectiva na construção de uma aldeia mais dinâmica e participativa. A nossa aldeia precisa de pessoas atentas, exigentes com o poder local, precisamos de pessoas que façam propostas, que não tenham medo de lutar pelas suas ideias. Malcata precisa de um povo que não se contente com o mínimo, o suficiente, o assim está bem…mas que exija sempre melhor. Um povo com pessoas activas e exigentes consegue criar maior aproximação entre o poder local e o cidadão. Um povo que quer andar bem informado consegue-o com a criação de canais constantes de diálogo, seja através da palavra escrita, falada ou difundida pelas redes da internet.
   Recentemente o Município do Sabugal aderiu à
«Comunidade Rural Digital – rede transfronteiriça para a inovação tecnológica das administrações locais do meio rural». Uma das áreas de intervenção deste projecto é a realização de formação para funcionários públicos locais, de seminários de sensibilização para cidadãos e empresas para usarem de forma inteligente as novas tecnologias da informação e comunicação.
  
A vida é célere e não podemos perder tempo. E eu sou malcatenho, mas também como muitos dos malcatenhos, somos cidadãos do mundo…
   Seguem-se umas imagens recentes da página oficial da Junta de Freguesia de Malcata ( mês de Dezembro de 2017 ):






22 novembro 2017

MALCATA: QUANDO O DINHEIRO FALA MAIS ALTO

                                               

   O que se passa com a ACDM de Malcata é mau de mais para ficar tudo em águas de bacalhau. O povo, na sua maioria, tem beneficiado com as actividades da Associação Cultural e Desportiva de Malcata. Tem sido uma das associações que mais tem contribuído para que a aldeia de Malcata não tenha uma morte lenta como outras terras da nossa área territorial. Nos últimos anos os dirigentes desta associação elaboraram planos de actividades culturais e desportivas como nunca tinha acontecido. É costume dizer que "de mal agradecidos está o inferno cheio". Quem tem mais a perder? Quem deixa de ganhar? Por que motivo falam desta associação e dos seus dirigentes da forma que o andam a fazer? E meus amigos, quem fica calado e fica à espreita da oportunidade de lançar mãos a um punhado de moedas, que estes abnegados e voluntários dirigentes deixam na conta bancária da associação, não tenho palavras para classificar este comportamento. "O mundo é muito mais que Malcata" foi-me dito por um Homem em que a idade avançada  e a saúde não são obstáculo para continuar a ser feliz sempre que faça cantar e sorrir o próximo mais próximo, seja em que lugar for, porque avareza e abuso de confiança e má gestão da coisa pública, nunca em tempo algum, para isso foi tentado ou incentivado. Só mesmo os homens maus e sem carácter acreditam em tudo o que se conta. E se há quem não merecia levar murros no estômago ou facadas pelas costas, é esse grande ser humano que todos os dias procura a paz, a concórdia, o perdão, a compreensão e o amor.    Sempre o conheci assim e aqui me disponho para o que precisar ele e todos os outros membros da última direcção da ACDM.
 
                                                                                         José Nunes Martins
                                                                                             Sócio da ACDM

    

05 novembro 2017

ESTAR PRESO SEM O SABER

   Há factos que nos merecem uma atenção especial. Nas aldeias por vezes falam de “factos” que não correspondem à verdade e muitas pessoas ficam indignadas com alguns desses episódios. Uma coisa é aquilo que se diz e a verdade das coisas, dos verdadeiros factos.
   Há por aí quem utilize estrategicamente e conscientemente métodos persuasivos e apresentam-se como se fossem um cordeiro manso e assim lá vão conseguindo influenciar o comportamento das outras pessoas, os seus pensamentos e as suas emoções. Dizem meias verdades, com aquele olhar de carneiro manso, falando das coisas e dos factos que são realmente verdadeiros, mas ao não dizerem toda a verdade e omitirem as partes verdadeiras dos factos, essas mesmas que ajudariam as pessoas a compreender as diferenças entre o “disse que disse” ou “ouvi dizer” e a informação correcta e clara de cada facto.
   Na minha opinião, este tipo de estratégia já foi usada recentemente e conscientemente  na nossa aldeia. Pessoas detentoras de poder aproveitando-se dessa circunstância, conseguiram fragilizar as pessoas que respeitando a liberdade individual, se propunham servir a comunidade.
   Que pensam daqueles que, para concretizar as suas ambições pessoais, em parte ocultas, socorrem-se de pequenas, mas bem-vindas “cadeaux” prometendo o paraíso na terra? Até agora impera um silêncio sepulcral e ninguém sabe quando alguma cabeça salta a cerca. E quando isso acontecer será a tristeza de uns e a alegria de outros. Até lá, nada melhor que seguir o exemplo dos gatos: comem e dormem!
 
                                                 
                                                José Nunes Martins
  


02 novembro 2017

CARTA ABERTA À JUNTA DE FREGUESIA DE MALCATA

   Um mês após as eleições autárquicas e depois da tomada de posse da Junta de Freguesia, terminou formalmente, o mandato do anterior executivo.
    É o fim de um ciclo e o início de um mandato novo, com os eleitos nas eleições do passado dia 1 de Outubro.

   Estar próximo dos cidadãos, tanto na vida política, como na vida da comunidade é sem dúvida uma nobre missão.
   O que eu desejo e espero da acção deste Junta de Freguesia é que seja mais social e mais compreensiva e pouco agarrada à política partidária.
   A vida dos cidadãos é muito mais importante e tem muito mais valor do que os circunstanciais confrontos políticos e associativos. Como malcatenho eu aguardo que haja debates de ideias sempre que o assunto implique a vida da comunidade, tendo sempre em conta o sentimento dos fregueses e a vontade pessoal de cada um, de forma clara e transparente, com responsabilidade e a realidade de respeitar as diferenças de opinião e a forma como cada uma das partes olha para a realidade. É que ter uma opinião diferente nem sempre é sinal de espírito mau, mas sim de olhar de forma diferente para o mesmo assunto.
   Sabemos, pelos episódios e tomadas de posição por parte de alguns cidadãos, que nestes últimos tempos a participação cívica activa causou alguma surpresa na aldeia. Todos e cada um dos cidadãos têm o dever de zelar pela governação do bem público, da forma como gere e aplica na freguesia o dinheiro do erário público.
   Seria um passo bem dado pela Junta de Freguesia se nas obras a realizar na aldeia fossem atempadamente do conhecimento da população, evitando-se dessa forma aquele sentimento do cidadão sentir-se ignorado e de pouca importância quanto às decisões tomadas em reuniões de Câmara ou de Junta de Freguesia. Acrescento também a necessidade, por parte da Junta de Freguesia, informar com mais clareza quem paga esta ou aquela obra que se faz na freguesia, por exemplo, colocando um painel com a informação respeitante à obra em questão, quem adjudicou a obra, se é a Câmara que paga ou é a Junta de Freguesia; isto porque, a ausência dessa informação traz mal entendidos e todos devem ficar a saber quem manda executar e quem paga.
É que apesar de a Câmara fazer transferências de competências e de dinheiro há obras que não são pagas com o orçamento da Junta de Freguesia, mas sim com o orçamento da Câmara Municipal. Ou estou errado?
   Há muitos desafios para serem alcançados e, mais importante que o cimento e o tijolo, é a construção de uma comunidade unida, coesa e participativa na vida da aldeia.
   O respeito recíproco e as boas relações institucionais com todas as associações da nossa terra devem ser privilegiadas, promovidas e cultivadas procurando trabalhar para o bem comum e assim promover um ambiente saudável e melhorar a qualidade de vida de todos os que vivem na aldeia de Malcata.
    Uma relação franca e aberta, mais próxima do cidadão é a forma de exercer a democracia e das associações poder facilitar o dia-a-dia da junta.
   Votos de um bom trabalho, aqui deixo o meu desejo e  esperança que juntos somos mais capazes e mais fortes.
   Viva Malcata!
                                                                                                     José Nunes Martins
Nota:
Esta carta foi primeiro enviada para o mail da JFM.
                        

27 outubro 2017

MALCATA: FEIRA DOS SANTOS MAIS SEGURA PARA TODOS



  Pela   1ª vez, Malcata vai fazer uma feira 
com um Plano de Prevenção e Segurança!





  

   
Foi graças às pressões dos moradores da Praça do Rossio, designadamente, José Escada e esposa Zita Martins, que preocupados e inconformados, contactaram a Câmara Municipal do Sabugal, exigindo o cumprimento da lei. Do plano,  embora mitigado, pela escassez de tempo, não deu para melhorar como devia, é o possível.  vai fazer parte a colocação de extintores de incêndio espalhados pelo recinto, a Boca de Incêndio ligada a uma mangueira e estará pronta a ser utilizada, sinais informativos nas ruas cortadas, mapas informativos...é que nada disto foi planeado por quem devia e a que estão obrigados por lei a planear e a executar. 
   Esta atitude dos moradores da Praça do Rossio é de CIDADÃOS RESPONSÁVEIS e que NÃO SE AMESQUINHAM PERANTE QUEM MANDA. Conheço os moradores e posso garantir que são pessoas de bem, inteligentes q,b, para olhar pelo bem comum.
   Coloquem-se no lugar destes moradores da Praça do Rossio, em Malcata. São esperados muitos visitantes, na eventualidade de ocorrer um acidente inesperado, como por exemplo, um incêndio provocado por um curto-circuito, ou desabamento das tendas por causas imprevistas ou qualquer grave acidente no palco, quem não se amedronta e procura fugir a sete pés, saindo aos empurrões, na tentativa de salvar a vida? Oxalá nada disto aconteça, mas que pode acontecer ninguém duvida. Os moradores apercebendo-se do previsível risco tomou a decisão de mostrar a sua legítima preocupação e informaram a quem é obrigado pela Lei a fazer, a cumprir e zelar pela segurança das pessoas e bens existentes no nosso concelho. Ora a verdade, é que se omitiram dessa responsabilidade e deixaram a Prevenção e Segurança entregues à Sorte. São atitudes inqualificáveis, incompreensíveis e devem-nos deixar a todos preocupados no que respeita à prevenção e segurança pessoal e material.
    Ainda bem que há cidadãos que pressionaram o Gabinete de Protecção Civil do Sabugal sobre a SEGURANÇA DE PESSOAS E BENS durante a Festa dos Santos, em Malcata.
    O mais grave disto que acabei de referir, é ficarmos a saber que em caso do evento ser organizado por um cidadão, uma empresa ou uma associação, há um Regulamento Municipal que deve ser respeitado. E se as obras executadas em desrespeito pelas condições técnicas e de segurança, a que deve obedecer o recinto, serão embargadas pelo Presidente da Câmara Municipal; caso seja uma pessoa colectiva, para além da aplicação de contra-ordenações, negligências, sanções acessórias e para além da coima, pode encerrar o recinto e também revogar as licenças.
   Como sabemos, a FEIRA DOS SANTOS é organizada pela AFRS (Associação das Freguesias da Raia Sabugalense), pessoa colectiva desde Julho de 2010. Este evento
vai na sua terceira edição.
   Considerando que os associados desta entidade colectiva são, as Juntas de Freguesia, representadas por cada um dos seus presidentes de junta;
   Considerando que a Feira dos Santos é apoiada pela ADES (que tanta formação anuncia) e pela Câmara Municipal do Sabugal;
   Considerando que só depois do pedido de informação e consequente pressão e exigência dos moradores para a necessidade de serem cumpridas as leis, nomeadamente o Regulamento Municipal, que regula a instalação e funcionamento deste tipo de eventos e com a agravante de terem constatado que por parte dos responsáveis da Protecção Civil, que deviam dar o exemplo na elaboração e implementação dos Planos de Prevenção e Segurança;
   Posso concluir que no concelho do Sabugal, no que toca a Prevenção e Segurança de eventos públicos, os representantes do poder local necessitam urgentemente de frequentar acções de formação e de uma vez por todas assumirem todas as responsabilidades para que foram eleitos ou designados. O que se tem passado no campo da Prevenção e Segurança nos eventos públicos é muito grave. Felizmente a Sorte, tem sido o melhor plano de prevenção e segurança. Também me preocupa a reacção de alguns cidadãos e destes autarcas que representam o Estado, mas só porque os moradores exigem medidas de prevenção e segurança, em cumprimento das leis e da Constituição, são olhados com desconfiança e apontados como quezilentos e implicativos. Senhores presidentes, não é por terem o poder nas mãos que os livra das responsabilidades e o cumprimento do juramento assumido recentemente em que afirmaram solenemente pela vossa honra cumprir com lealdade as funções para que foram escolhidos.
    Vale a pena ler este pensamento de Charles Bukwski:


  
    

  
"O problema do mundo de hoje é que as pessoas inteligentes

estão cheias de dúvidas, e as pessoas idiotas estão cheias de certezas"


                                                                          José Nunes Martins

MALCATA: COMEÇA HOJE A FEIRA DOS SANTOS



         
  
 A AFRS (Associação de Freguesias da Raia Sabugalense ) foi constituída em 28 de Julho de 2010. Esta associação incluía as seguintes freguesias do concelho do Sabugal: Aldeia da Ponte, Aldeia do Bispo, Aldeia Velha, Alfaiates, Fóios, Forcalhos, Malcata, Nave, Quadrazais e Vale de Espinho. A escritura notarial, decorreu em 21 de Agosto de 2010, em Alfaiates, onde a AFRS tem a sua sede.


   


  


            FEIRA DOS SANTOS
                 
PLANO DE COORDENAÇÃO ESTÁ OPERACIONAL?
 

   É hoje inaugurada na Praça do Rossio, na aldeia de Malcata, a Feira dos Santos 2017.
   A Feira dos Santos é um dos eventos que a AFRS tem vindo a realizar rotativamente pelas freguesias que integram a AFRS. E este ano é a Freguesia de Malcata a anfitriã da Feira do Santos.
   Neste género de Eventos, de âmbito interfreguesias, visto que é promovido pela AFRS (Associação de Freguesias da Raia Sabugalense), da qual a nossa freguesia também faz parte, com o apoio da ADES e da Câmara Municipal, há necessidade de fazer uma preparação bem cuidada.
   A Junta de Freguesia tem o dever de promover acções de sensibilização e informação acerca do que se vai passar neste evento. Não é pelo facto da Praça do Rossio ser espaço público que sem mais, se inicia a montagem das estruturas ( tenda(s) ) interferindo e perturbando a livre circulação de pessoas e veículos bem como dificultando o acesso dos moradores às suas casas.
   E na eventualidade ( batam em madeira p.f.) de ocorrer uma situação de emergência naquele espaço ou naquela área à volta, por exemplo, um incêndio, foi preparado algum plano para que o socorro seja rápido e em segurança? No decorrer da Feira dos Santos, lendo o programa, vão ser três dias de festa que inclui espectáculos de música, luzes, tasquinhas que com certeza também vão ter bebidas alcoólicas, quem nos garante que algo de mau e inesperado acontece?
   Um evento com esta envergadura tem como objectivo a captação de muitos visitantes e dada a localização geográfica de Malcata, a maioria senão todos, irão de automóvel. A organização preocupou-se com o parqueamento das viaturas? Em situação de emergência, foi planeado algum caminho de chegada e saída no menor tempo possível?
   A montagem da estrutura foi iniciada no sábado passado. Desde esse dia que a Praça do Rossio ficou interdita a estacionamento, à passagem de veículos para a Rua da Moita e Rua da Ladeirinha. Vi que alguém colocou sinalização na Rua da Moita que obriga o trânsito motorizado a desviar-se para a Travessa Chão da Lages e outro sinal de sentido proibido no início da Rua da Ladeirinha, sentido ascendente. Eu que sou condutor até sei que devo obedecer à informação transmitida pelos dois sinais. Até sei porque foram lá colocados. E quem não sabe, porque veio visitar a aldeia, porque não passou na Praça do Rossio, porque já vê pouco...e durante 9 dias os malcatenhos aguentam todas estas situações, pois, aquele espaço é de todos, é público e se a Junta de Freguesia o quer e precisa de ocupar, não pode um cidadão mostrar descontentamento pela forma como estas coisas são preparadas e montadas.
   E a verdade seja dita, eu vi as obras de montagem da tenda a começar. Desconfiava a que se destinavam, mas o que me espantou e surpreendeu foi a ausência de informação aos cidadãos da freguesia e em particular ao casal que tem a sua habitação mesmo ali em pleno Rossio e nem sequer ter havido atempadamente um pedido de colaboração, de compreensão e da importância da realização da Feira dos Santos naquele local tão central da nossa aldeia.
   E sabem o que me surpreende nesta história toda? Não haver quem se preocupe pelo facto de durante 10 dias, a normalidade do dia a dia das gentes da aldeia esteja perturbada e não se preocupam com o risco quanto à segurança das pessoas e dos seus bens.
   O povo costuma dizer que "É melhor prevenir do que remediar"!

                                                                                              José Nunes Martins

20 outubro 2017

MUDAM-SE OS TEMPOS;MUDAM-SE AS VONTADES





“Mudam-se os tempos; mudam-se as vontades”

   Depois de um período de tempo cheio de acontecimentos sociais e políticos a nível local, regional, nacional e internacional que nos obrigam a uma reflexão profunda, é nosso dever não ficarmos indiferentes a tudo o que se tem passado. Quero, como qualquer outro cidadão que pensa, partilhar o meu ponto de vista em relação ao passado, ao presente e ao futuro mais particularmente a nível local. Tive a sorte de ter nascido em Malcata, terra da Beira interior, que por ser o meu torrão natal muito amo e tenho defendido. Embora considerando-me cidadão do mundo, pois ao longo dos meus setenta anos de vida já muito mundo percorri, guardo uma afeição especial pela nossa terra, pela nossa região, pelo nosso concelho Sabugal. Com os dons que Deus me deu, tenho-me entregado voluntariamente em ações e serviços que levam ao desenvolvimento e engrandecimento do nosso território, e por isso estou à vontade para tirar as minhas conclusões. “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”. Hoje estou, por opção própria, envolvido noutros projetos, noutros mundos. A minha ausência física é um imperativo que me leva a deixar de fazer parte de estruturas ou instituições locais. Mas juro que nunca deixarei de me preocupar com a vida e o desenvolvimento local, particularmente de Malcata.
   Com respeito por todos os poderes instalados, através de eleições democráticas que ao longo destes anos decorreram, tenho a afirmar que as associações e instituições existentes em Malcata (ASSM, ACDM, ACPM, AMCF, F. da IGREJA e outras) com relevo para a Associação Cultural e Desportiva, têm sido determinantes na defesa e promoção dos nossos valores, do nosso património. As pessoas passam, as instituições permanecem, pelo menos enquanto houver servidores (voluntários). Pouco interessam as quezílias, os maus entendidos, as fricções que haja ou tenha havido. É mais o que nos une que aquilo que nos separa. Porquê ostracizar esta ou aquela? Não tem cada associação os seus objetivos definidos pelos seus estatutos? É mesquinho deixar-se dominar por rancores ou ódios, vinganças (eu sei que as há), mexericos ou conversas de café. Sou daqueles que se recusam a olhar só para o chão, não vendo o que está para trás nem o que está em frente. Precisamos de uma visão global de passado, de presente e de futuro. Porquê não aceitamos as mais valias de cada uma? Porque não colaboramos todos em pé de igualdade, com respeito e consideração mútua? 
    Enterremos os machados de guerra e sejamos soldados da paz!
   De minha parte farei o possível para procurar entendimentos. Dentro de pouco terei de deixar todos os cargos que ainda exerço ( vice-presidente da direção da ACDM, presidente da Assembleia Geral da AMCF), pois aproxima-se o dia do regresso a Timor onde estou envolvido no projeto de solidariedade de construção e funcionamento de uma escola nas montanhas de Liquiçá. O meu futuro está em Timor Lorosa’e.
   Ainda que longe, terei um enorme orgulho de constatar que Malcata vai continuar a afirmar-se pelos seus valores, pelas suas gentes, pelos seus projetos, aproveitando os saberes de todos, concretizando projetos que lhe darão vida e dinamismo no presente e no futuro. A resignação e o conformismo são atitudes passivas que levam à extinção. E nem quero pensar que a nossa terra, à semelhança de outras tantas no interior do país está condenada ao desaparecimento por falta de compromisso e de ação dos poderes e dos seus cidadãos que, não sabendo defender o presente e preparar o futuro, pouco ou nada fizeram pela sua continuidade e evolução.
   Pelo bem de todos, da nossa terra, SEMPRE!... Como diz o ditado
 “ A VIDA E A LUTA CONTINUA! ”


                                                                                        Rui Chamusco

10 outubro 2017

                 


QUAL É A IMPORTÂNCIA DO VOTO?
   O voto em democracia é que manda, é soberano. Os malcatenhos que votaram no passado domingo, 1 de Outubro, deram mais votos ao PSD do que aos outros partidos. E não há dúvidas que a maioria dos eleitores que votaram em Malcata quer que a junta de freguesia continue a ser dirigida pelos apoiantes de João Vítor, Palmira Corceiro e Carlos Vaz. Parabéns aos que venceram e parabéns aos que tiveram menos votos. Ninguém se sinta derrotado ou excluído da nossa comunidade. Os corajosos foram a jogo e agora que se sabe o resultado, cabeça erguida, continuar a vida e todos a trabalhar para todos. Uns de uma forma e outros de outra .Mas isso não quer dizer que eu mude de opinião, porque continuo a afirmar que Malcata perdeu uma oportunidade para mudar de rumo e de paradigma.
   Com os resultados verificados nas últimas eleições, está claro que os malcatenhos que votaram querem continuar a fazer o que têm feito até agora
e ao longo destes últimos anos. Todos sabem que sou crítico quanto ao trabalho executado pelo poder local, não foi só com a que agora vai sessar funções, mas por causa das redes sociais foi a mais visível. Vou continuar a falar aquilo que eu achar mau e com a discussão aumentar a intervenção cívica do nosso povo na vida pública.
   A nova equipa da Junta de Freguesia tem quatro anos para cumprir as promessas feitas, para trabalhar pelo bem da freguesia e servir os malcatenhos.
   Sou cidadão de Malcata, não estou amarrado a nenhuma ideologia ou partido político, como cidadão continuarei a dar a minha opinião, mesmo não vivendo na aldeia. Tenho consciência que muitos malcatenhos não vivem em Malcata, mas em França, Coimbra, Lisboa, Porto, Guarda…Argentina, Brasil…
mas nasceram em Malcata e lá longe continuam ligados aquela aldeia da beira ali aos pés da serra.
   Continuo a acreditar que a mudança é possível e necessária. E essa mudança para acontecer, temos que todos ter de fazer diferente o que temos feito sempre da mesma maneira. Há que encontrar coragem e vontade em mudar para melhor. Dizer que queremos fazer melhor, é insuficiente! É um começo de um desejo, mas há que correr riscos e não ter medo de errar.
   Espero da nova Junta de Freguesia um trabalho orientado para o sucesso,
com dedicação e serviço em favor das pessoas, dedicação, seriedade, transparência e verdade nas suas acções.
   Termino com a citação de uma frase muitas vezes dita pelo nosso conterrâneo José Rei: “Vamos devagar que temos pressa”!
                                               José Nunes Martins



   

04 outubro 2017

OS DETALHES QUE FIZERAM A DIFERENÇA

OS DETALHES QUE FIZERAM A DIFERENÇA


Estas eleições, no que respeita a uma freguesia, merece ser registada na história política do nosso concelho e dessa aldeia.
Uma candidatura apresenta no Auditório Municipal o seu líder, o seu candidato a presidente. Em campanha, distribuíram um folheto com fotos e programa. Desconheço se o líder ajudou ou não na sua entrega aos eleitores. Com os eleitores com que tive oportunidade de conversar, diziam-me que não conheciam o candidato, não os visitou durante a campanha eleitoral e mesmo no dia de eleições, só depois de votar é que o viram sentado na assembleia de voto e quando me encontraram disseram "olha, já sei quem é, estava sentado lá na sala"!
Enquanto o líder se resguardava, o actual presidente, que por limitação de mandatos concluídos, está impedido de candidatar-se a outro, trabalhou no duro, deu o corpo e tudo o mais que tinha acessível para garantir a vitória ao cabeça de lista. E conseguiu a eleição do seu líder que mais parecia não querer  vencer!
O que aconteceu nesta freguesia é caso de estudo, pois os eleitores votaram no ex-presidente e não no novo candidato a ocupar-lhe o lugar.
É verdade que foi o povo que votou e não quis mudar as coisas. Ficou provado que para ser eleito presidente, basta que os membros da candidatura, familiares e amigos se unam e com mais uns truques de magia,  o jogo está ganho. Com uma abstenção de 45,52%, dos 435 inscritos só votaram 237. Onde andam os outros 198 ? Na sua maior parte não ficaram em casa, porque talvez nem existam! Dos 237 que votaram, 65,82%, ou seja, 156 eleitores escolheram o candidato apresentado pelo PSD. Os números não deixam dúvidas a ninguém. Surpreendeu-me a ausência de participação activa do líder e a estratégia preparada pelo ex-presidente da autarquia para alcançar a vitória. Vou aguardar pelo desempenho do agora presidente da minha freguesia e cá estarei para registar os factos e os números para memória futura. Termino com um pensamento do grande político
que foi Francisco Sá Carneiro, fundador do PPD - (PSD):
"A política sem risco é uma chatice,
mas sem ética é uma vergonha".

                                                                                                   José Nunes Martins

02 outubro 2017

OS JUSTOS VENCEDORES



   "SE VIRES UM HOMEM COM FOME À BEIRA DO RIO
    NÃO LHE DÊS UM PEIXE, ENSINA-O A PESCAR"

 

      Peço aos leitores que façam uma leitura do artigo escrito pelo professor José Ramos Pires Manso, da Universidade da Beira Interior, Economista e responsável do Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social, que o Jornal Cinco Quinas publicou recentemente.
   
             

29 Setembro, 2017

  A execução de uma estratégia nacional para o turismo militar e o alargamento a todo o país do programa de ciclismo e passeios a pé no Algarve são medidas da Estratégia para o Turismo 2027. Esta resolução foi hoje (quarta-feira dia 27/9) publicada em DR. Apreciando com cuidado o diploma alguma coisa se pode depreender no que diz respeito ao seu alargamento ao interior do país, como a inclusão de rotas como a das aldeias históricas, das aldeias de xisto, das aldeias de montanha, das terras com castelo, das terras da raia, cidades com história, judiarias, …
Esta resolução do Conselho de Ministros, hoje (quarta-feira dia 27/9) publicada em Diário da República (DR), foi aprovada na reunião do CM da passada quinta-feira. Entra em vigor na próxima quinta-feira. Segundo o Governo, a estratégia hoje publicada pretende proporcionar um quadro de referência estratégico para o turismo nacional, num horizonte de 10 anos. Pretende ainda, assegurar a estabilidade e assumir compromissos quanto às opções estratégicas para o turismo nacional, promover a integração das políticas setoriais, gerar uma contínua articulação entre os vários agentes e agir com sentido estratégico no presente e no curto/médio prazo.
Uma das metas da Estratégia do Turismo 2027 é conseguir 80 milhões de dormidas, o que se traduz num aumento de 31 milhões dormidas entre este ano e 2027, com uma taxa de variação média anual de 4,2%. No que diz respeito a receitas turísticas, é a intenção é crescer 14 mil milhões de euros até 2027. O Governo pretende ainda aumentar as qualificações dos trabalhadores na atividade turística, através da duplicação de 30% para 60% do nível de habilitações do ensino secundário e pós-secundário no turismo. Pretende ainda ter turismo durante todo o ano e reduzir o índice de sazonalidade de 37,5% para 33,5%. Para o conseguir está previsto alargar a todo o país o projeto piloto ‘Cycling and Walking’ da região do Algarve, além de investir nos Caminhos de Fátima, Caminhos de Santiago e na rede de Turismo Militar. Para além dos bons resultados, o Governo garante que o turismo tem que se afirmar cada vez mais como uma atividade sustentável ao longo do ano e ao longo do território, que valorize os recursos naturais de que Portugal dispõe e que contribua para a criação de emprego e de riqueza e para a promoção da coesão territorial e social.
A resolução aprovada pelo Governo definiu como mercados estratégicos a Espanha, Alemanha, Reino Unido, França, Brasil, Holanda, Irlanda e Escandinávia. Na lista de “mercados de aposta” da estratégia contam os Estados Unidos da América, China e Índia, enquanto são classificados como “mercados de crescimento” a Itália, Bélgica, Suíça, Áustria, Polónia, Rússia, Canadá. Por último, o Governo define ainda sete “mercados de atuação seletiva”: Japão, Austrália, Singapura, Coreia do Sul, Índia, Israel e países da Península Arábica.
Da estratégia nacional às estratégias regionais e locais do Interior
Com especial interesse para o interior a Resolução do Conselho de Ministros, elenca algumas medidas como (i) a revitalização e dinamização económica de aldeias e centros rurais com vocação turística está também prevista na estratégia, que aposta nas redes temáticas e nos recursos endógenos dos territórios, como as Aldeias de Xisto, as Aldeias Históricas e as Aldeias Vinhateiras, (ii) a realização de ações de valorização turística e de promoção dos lagos e águas interiores, rios, albufeiras, nascentes e águas/estâncias termais ficam prometidas e (iii) a disponibilização de rede wi-fi (sem fios) gratuita nos centros históricos, por forma a melhorar a experiência de usufruto do património nacional.
Do que se disse se depreende que a estratégia nacional dirigida às regiões do interior passa, entre outras, pelas seguintes ações:
– Alargar o projeto piloto ‘Cycling and Walking’/Ciclismo e Passeio da região do Algarve a todas as regiões do interior do país, designadamente às planícies, planaltos e montanhas, regiões protegidas como parques e reservas naturais, margens dos rios e vales, rotas diversas (para observação de paisagens e aves, por exemplo) em veículos de duas rodas e por aí fora.
– Investir nos Caminhos de Fátima, nos Caminhos de Santiago e na rede de turismo militar. Com um bocadinho de imaginação local, pode juntar-se a essa lista os caminhos das romarias tradicionais do interior como a Sr.ª da Ajuda na Malhada Sorda (Almeida), a Sr.ª da Póvoa (Penamacor), a Sr.ª do Almurtão (Idanha a Nova), a Sr.ª dos Prazeres Soito e em diversos locais desta região, a Sr.ª das Dores do Paul, A Sr.ª dos Remédios de Lamego, a Sr.ª do Castelo de Mangualde e tantas outras que por aí há.
– A revitalização e dinamização económica de aldeias (aldeias históricas, aldeias do xisto, dos rios Zêzere e Coja, aldeias de montanha, aldeias com castelo, aldeias, vilas e cidades com judiarias,…) e centros rurais com vocação turística está também prevista na estratégia, que aposta nas redes temáticas (como a rotas dos judeus, rota dos castelos de Riba-Côa e outros, a rota das aldeias de fronteira, festivais de gastronomia, rotas da caça e pesca, …) e nos recursos endógenos dos territórios, como as Aldeias de Xisto, as Aldeias Históricas e as Aldeias Vinhateiras, a que acrescentamos as Aldeias de Montanha da Serra da Estrela, as Aldeias dos Parques e Reservas Naturais como as da Serra da Estrela, da Serra das Mesas/Malcata (do lince), da Serra da Marofa e da Gardunha, do Caramulo e por aí fora….
– Estão ainda previstas ações de valorização turística e de promoção dos lagos e águas interiores, rios (como o Tejo, Douro, Guadiana, Côa com as suas gravuras rupestres, Sado, Mondego, Zêzere rios do alto Minho,…), albufeiras (como as do Alqueva, da Serra de Estrela, das Barragens do Castelo de Bode e de St.ª Luzia, Fratel, do Sabugal no Rio Côa,…), nascentes e águas/estâncias termais (como as do Cró (Sabugal), Unhais da Serra (Covilhã), … (Almeida), Longroiva… (Figueira de Castelo Rodrigo), Fonte Santa (Manteigas), de Alcafache (Viseu), Vidago (Chaves) e tantas outras pelo país fora.
Disponibilização de rede wi-fi gratuita nos centros históricos das cidades, vilas e aldeias, por forma a melhorar a experiência de usufruto do património local. Encontram-se neste caso todas as cidades, vilas e até algumas aldeias com centros históricos como Guarda, Viseu, Coimbra, Covilhã, Castelo Branco, Leiria, Aveiro e muitas outras…
José Ramos Pires Manso
Prof Catedrático, UBI, Economista e responsável do
Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social





   O artigo dá a conhecer a  estratégia para o TURISMO nacional num horizonte a 10 anos. Trata-se de uma decisão do Governo e dada a sua importância para as aldeias do interior, as Aldeias com albufeiras, reservas naturais,
uma estratégia que uma associação em Malcata já vinha a defender desde 2016, que depois de apresentada a ambas as candidaturas, apenas tive interesse e acolhimento por uma e conscientes da importância que tem para o futuro da aldeia de Malcata, incluíram-na no programa de candidatura das eleições autárquicas de 1 de outubro de 2017, destacando com uma frase: "PROMOVER O TURISMO SUSTENTÁVEL E A AUTOSSUSTENTABILIDADE DA ALDEIA ( Malcata )"!
   Hoje, 2 de outubro, sabemos que o povo não aprovou esta e outras propostas que foram amplamente apresentadas e deixando a decisão  de escolha nas mãos de cada pessoa eleitora.
As pessoas optaram por dar mais atenção à voz do candidato que não podia ser candidato e ficaram saciadas, pelo menos temporariamente, com o pão oferecido, pois quando voltar a apertar a fome, terão que ir ao encontro da família real, aí haverá manjedoura farta.
   Esta é a minha opinião, livre de tudo e sem rodeios.
   Sonho com uma aldeia diferente, os que  me conhecem sabem que tenho uma obsessão: sou obcecado pela terra onde nasci, onde cresci e pelo bem de todos, não quero poder, não quero dinheiro nem sou vendedor de banha da cobra. Sou um malcatenho que se sente triste, profundamente triste por mais uma vez,
verificar que não posso obrigar uma pessoa a aprender a autossustentar-se e um povo que se vende por tão pouco, que diz sim a uma proposta e na hora da verdade risca não. Onde mora a honestidade intelectual? Fico-me por aqui a pensar na minha infância e nos meus sonhos.
   Parabéns aos justos vencedores, aqueles que respeitam liberdade, a honestidade, a seriedade e caminham de cabeça erguida; parabéns aqueles que apesar da derrota de número de votos, ganharam a medalha mais ambicionada por qualquer atleta.
                                                   
                                                      José Nunes Martins

                                                               
   
                                  EIS OS VENCEDORES JUSTOS:





26 setembro 2017

JUNTOS E UNIDOS SOMOS MAIS FORTES





 Um dos assuntos mais badalados no nosso país tem sido o turismo. Turistas nas praias do Algarve ou a visitar as principais cidades portuguesas já não é notícia. No caso da cidade de Lisboa e do Porto, já há quem reclame da presença de tantos turistas.
  Está comprovado que o turismo ajuda a desenvolver um país, uma região desse país, com fortes impactos na economia que se movimenta por causa dos turistas.
  Interessa-me olhar para a região do Sabugal e em especial para Malcata.
  Qual pode ser o grande desafio para Malcata? O grande desafio está cada vez mais próximo e o mês de Outubro pode mesmo ser o início da grande maratona dos malcatenhos. Não, não me estou a referir ao desafio do próximo dia 1 de Outubro, que também é um grande desafio e importante. Sendo assim, das duas, uma: aproveitamos as oportunidades e abraçamos todos juntos o desafio, o potencial oferecido pela serra e pela albufeira da barragem, ou podemos transformar o agradável sonho e o milagre do desenvolvimento económico pensado para a nossa aldeia de Malcata, num pesadelo que pode causar a delapidação dos dois diamantes que Malcata agora tem nas mãos. Temos que usar a inteligência a nosso favor e saber aprender a arte de lapidar a serra e a albufeira, esses dois diamantes quase em bruto e cujo valor às vezes nos esquecemos existirem. Se os malcatenhos ignorarem a necessidade de trabalhar bem a “mina de ouro” e tirar rendimentos dos seus diamantes, não servirá para nada a sua existência e como não a podemos mudar de lugar, perderemos e desperdiçaremos esse património valioso mas inútil, deitando por terra todo o trabalho e sacrifícios
dos nossos antepassados e dos que hoje trabalham nesse objectivo.
 
   O desafio está aí à nossa frente. Olho para a serra e para a albufeira e
vejo um futuro promissor. Um primeiro passo já foi dado, agora não podemos
parar de caminhar. É tempo de pensar seriamente neste desafio que aqui vos trago. Juntos e unidos vamos ser capazes de muda r o estado da situação,
combustível e veículo já temos, condutores também, precisamos de encontrar
o caminho para lá chegarmos, em maior número possível e juntos. Para isto dar certo é necessário acreditar e acabar com a ideia de que os intrusos, os
agitadores solitários ou associados desejam o mal e a destruição das pessoas e do seu território. Os malcatenhos estão na altura de passar a olhar para essas pessoas e instituições como agentes de mudança, de motores de arranque do veículo que levará a nossa aldeia a alcançar o tão desejado bem-estar económico e social. E o turismo pode muito bem revitalizar e ajudar a qualificar alguns espaços na nossa terra, pode ajudar a criar postos de trabalho e estancar a debandada das pessoas que vão, com o seu trabalho,  desenvolver outros países e outras aldeias ou cidades, deixando a sua aldeia a definhar e a morrer lentamente, apesar de  possuírem preparação técnica e científica, engenho e arte, mas que em Malcata não colocam ao serviço de todos mesmo apesar de noutros lugares o terem feito ou estarem hoje a fazer. Por onde andam? Precisamos de todos.
  Juntos e unidos somos mais fortes.
                                                   José Nunes Martins, sonhador

24 setembro 2017

RELEMBRAR A ENTREVISTA DO PRESIDENTE DA JUNTA DE FREGUESIA DE MALCATA DADA EM 2013 AO JORNAL CINCO QUINAS

   
  A pouco mais de uma semana das eleições autárquicas 2017 para a Assembleia de Freguesia de Malcata, tomo a liberdade de recuperar uma entrevista de 2013 que o senhor presidente da Junta de Freguesia de Malcata, Vítor Fernandes, concedeu ao Jornal Cinco Quinas a poucos meses das eleições autárquicas de 2013, às quais concorreu pela terceira e última vez.
    A entrevista original mantém-se inalterada, tendo acrescentado os meus comentários escritos a azul, revisitando e actualizando a resposta de 2013 com a realidade em 2017
(na 
minha opinião, claro está ).

 Há quase oito anos à frente da Junta de Freguesia de Malcata, Vítor Manuel Fernandes, com 57 anos de idade, realça nesta entrevista as principais obras realizadas na freguesia durante estes dois mandatos, da grande prioridade até Setembro de 2013, e muito mais.

Cinco Quinas (CQ) – Quais foram as obras mais significativas realizadas na freguesia durante estes anos que está à frente da Junta de Freguesia?
 Vítor Fernandes (VF) –  Nestes anos foram várias as obras realizadas nesta freguesia, das quais destacamos: A conclusão das obras do forno comunitário; Recuperámos o Rossio e a rua da Moita; Concluímos todo o calcetamento das ruas de Malcata até às casas que estão habitadas, (a sério que concluíram todo o calcetamento? De 2013 para cá, apareceram mais calçadas, ou vi mal?) no terceiro ano de mandato conseguimos que a Câmara nos recuperasse a estrada Municipal; Construímos, com o apoio da Associação Cultural, o Salão da Freguesia e Sede da Associação (O Salão da Freguesia está concluído? A começar pela qualidade das cadeiras, além de cada qual de seu modelo e feitio, algumas não oferecem conforto nem segurança; ao palco falta-lhe iluminação, cortinas pelo menos); Colocámos iluminação na rua do Cemitério, circular de Malcata e campo de futebol (depois de um desatino com os proprietários do terreno, onde alguém decidiu espetar os postes de cimento e se esqueceu de falar com os seus donos, lá estão do lado contrário); Reabilitamos o cemitério junto à Igreja Matriz como jardim e recuperámos também o atual, criamos o jardim junto à ponte (entrada de Malcata), (valha-nos este belo jardim, é um espectacular sítio para descansar, passar ali uns bons momentos a olhar a água, a serra e as eólicas, gosto deste jardim); Recuperámos a tradição das ladainhas com a construção do Calvário; Recuperámos a abertura de duas ruas, uma que liga a rua do cabeço à rua do Carvalhão e a outra que liga a rua do Carvalhão à rua da Fonte ( lá abrir abriram e voltaram a abrir porque a curva ameaçava a propriedade privada ali existente, mas não ficou calcetada, só o foi neste final de mandato; e a rua do Carvalhão até à rua da Fonte, mais uma vez por falta de capacidade de diálogo, manteve a mesma curva e largura de bêco, salientando a cedência de uns metros de terra pela família da Ti Dulce e Ti Coelho, que nos leva ao assunto do Bêco da Corela se passar a chamar Rua Dr. Artur Coelho, filho ilustre de Malcata e deste casal Coelho, muito respeitado em toda a aldeia. Deste episódio da mudança de nome de bêco da Corela para Rua Dr. Artur Coelho, faz parte de um processo longo, iniciado com um pedido da Junta de Freguesia em 17-04-2010, dirigido ao Presidente do Município do Sabugal, em que “por sugestão de um membro da Assembleia de Freguesia, a Junta de Freguesia solicitava a alteração ao nome de duas ruas de Malcata.
 Este pedido não foi atendido e deve ter sido considerado morto, caindo no esquecimento. Aqui o “investigador” José Martins, quando presenciou as obras do Bêco da Corela, após consulta das cartas do Plano Director Municipal do Concelho do Sabugal, reparou que nas cartas relativas à Freguesia de Malcata estava à vista de todos um novo arruamento, a que a Comissão de Toponímia do Município do Sabugal, publicou como Rua Dr. Artur Coelho. Perante o meu espanto, fui investigar mais sobre o assunto e até enviei pedido de informação à Câmara Municipal. A resposta veio enviada pelo Engenheiro Telmo, da Comissão Municipal de Toponímia que me informou que por engano dos serviços da Câmara apareceu no PDM a nova designação para o Bêco da Corela, pois nenhuma das alterações pedidas tinha sido aprovado e agradecendo a chamada de atenção, prometeu corrigir o erro, tendo sido entretanto corrigido. Montámos as piscinas flutuantes (boa ideia a da piscina flutuante, não piscinas, pois é só uma piscina! Que diga-se, tem andado ali para um lado e para outro, consoante o nível da água da albufeira); Construímos a estação de serviço para as autocaravanas; (Sim, a ASA-Estação Apoio Serviço Autocaravanas em Malcata já é conhecida por muitos amantes do caravanismo e campismo. O lugar é excelente, com boas vistas e o mínimo de condições de instalações de apoio ao turista. Nas trocas de impressões entre eles é referido a existência dos WC’S mas lamentam estarem fechados). Estamos a reabilitar o parque de S. Domingos; (Não sei a que reabilitação se referia em Julho de 2013 e que em 2017 se apresente assim tão diferente! Ou a calcetamento da Rua da Capela em toda a sua extensão conta para essa reabilitação? Não se esqueçam de retirar de lá o que resta do antigo coreto, porque a pedra principal já desapareceu e não havendo coreto, não há altar) Construímos os passeios até à Senhora dos Caminhos; Comprámos o antigo posto da Guarda Fiscal e reconstruímo-lo(apoiado, sim requalificou-se e valorizou-se).Estamos a instalar a sala de memória coletiva localizada numa sala da escola primária; (Desde Julho de 2013 que andam a instalar a sala de memória colectiva. As memórias são património e deve ser preservado, respeitado e tratado com dignidade. Após 4 anos quando essa sala abrir só tem que nos encher o peito de orgulho pois colocaram nela muito trabalho e cuidado); Cedemos à Associação de caça, através de protocolo, para sede, de uma sala na antiga escola primária, junto à sede da Freguesia (teve sorte essa associação, já não posso dizer o mesmo em relação a outras, em que lhes foi oferecido sede, com condições que não eram as necessárias nem nada que se pareça, pois a brancura exterior da casa não reflectia a idade e estado interior da mesma e ainda menos não poder ocupá-la com as ferramentas de trabalho que a associação lá ia querer colocar, para além de outras condicionantes que limitariam a actividade associativa); Recuperámos vários caminhos rurais, entre outras obras.
 CQ – Qual a grande prioridade para a freguesia até ao fim do mandato que termina em Setembro de 2013, altura em que se irão realizar as eleições autárquicas?
 VF –  Conclusão da recuperação do parque de São Domingos, do Quartel e a estrada de Malcata – Quadrazais, que nesta data está em plano e orçamento da Camara Municipal.
(Não entendi a resposta. Conclusão do Parque de São Domingos até Setembro de 2013?
Então ainda não está concluído e estamos às portas das eleições de 2017! OK, as obras do antigo Quartel já acabaram e a Estrada de Malcata para Quadrazais, para além de feita, este ano foi melhorada com mais 50 centímetros de calçada nas bermas da via, mas essa obra sabem quanto a Câmara Municipal pagou por ela? Muito dinheiro…e 
os cubos de granito colocados este ano nas bermas foi obra paga pela Tecneira, ao abrigo do protocolo assinado entre a Junta de Freguesia e a esta empresa e o mesmo apoio com as obras da calçada da Rua da Capela e recuperação da fonte de mergulho, que até aprecio as obras na fonte).
 
 CQ – Quais os principais problemas com que a freguesia se debate diariamente?
 VF –  Os problemas são os comuns a todas as freguesias do interior, a falta de oportunidades para a fixação de pessoas, (eu que não vivo na freguesia, conheço outros problemas com que os fregueses de Malcata se debatem quase diariamente, que é como quem diz, a mesma coisa. A falta de água nas torneiras em algumas casas, por exemplo, a falta de uma rede WIFI com rapidez aceitável, com igual acesso a todos os usuários e não existir utilizadores mais prioritários do que outros, porque se é wifi gratuita e livre, todos devem ter as mesmas condições de acesso independentemente da marca e do tipo de equipamentos informáticos que cada cidadão que vá a Malcata, ou resida num bêco ou numa rua da aldeia. Estes são para mim, alguns problemas diários dos malcatenhos…e o problema dos telemóveis...

 CQ – Qual a situação financeira da Junta de Freguesia?
 VF –  A situação da freguesia de Malcata a nível financeira é confortável.
           (Bom, muito bom mesmo e oxalá em 2017 assim continue).
 CQ – Qual a relação com a Câmara Municipal do Sabugal? Na sua opinião este executivo tem feito um bom trabalho pelo concelho do Sabugal?
 VF –  Relativamente a Malcata penso que tem havido abertura total para a resolução dos problemas que têm surgido. (Senhor presidente, vou discordar desta afirmação que fez em 2013, porque de então para cá, na minha opinião, sendo os dois presidentes da mesma força política, ambos se abstiveram de colocar primeiro os interesses da comunidade de Malcata e escolheram fazer obra sem consultar a comunidade. Lembro, por exemplo, o triste facto da instalação da antena de telemóveis. Tivesse havido uma troca de prioridades e importância e hoje todos os cidadãos estavam a beneficiar de uma melhor cobertura da rede móvel em Malcata!

 CQ – Concorda com a lei que limita o número de mandatos possíveis a um presidente de Junta?
 VF –  Concordo. (Concorda ainda hoje? Não é o que está a parecer!)
 CQ – Qual é a sua opinião sobre a reforma administrativa ao nível das Juntas de Freguesia?
 VF –  Penso que é uma reforma que não teve em conta os interesses das populações locais e que vai dificultar ainda mais a vida das nossas gentes, pelo que estou contra a reforma administrativa que o poder central estar a tentar levar a efeito.
(a este respeito eu penso que já estamos muito descuidados no cuidar dos interesses das populações locais, por exemplo, a lei eleitoral em vigor, beneficia mais os interesses dos membros do poder local que a população. Por exemplo, se nas eleições autárquicas só fosse para quem realmente reside em Malcata, o número de eleitores seria o mesmo número dos censos do INE e não haveria tanta diferença entre os inscritos para votar e os votantes. Lembro que nas eleições de 2013, dos 441 inscritos, votaram 230. Pergunta óbvia: onde andavam os outros 211 eleitores? Sabem, este número de inscritos quanto mais alto mais dinheiro é atribuído às candidaturas, mantêm a Assembleia de Freguesia, mesmo que funcione de forma deficiente, caso baixasse o número de inscritos, os malcatenhos estavam no domingo a eleger uma Assembleia de Cidadãos e não Assembleia de Freguesia, deixando de ter Presidente de Junta e passar a ter Presidente da Assembleia de Cidadãos. É quase a mesma coisa, mas não é bem bem a mesma coisa…Isto dá que pensar, ou não? É melhor manter as aparências ou acabar de vez com elas e viver a dura realidade do despovoamento de Malcata?
 CQ – Sabendo que a vida de autarca nem sempre é fácil e nem sempre compreendida, onde fica a família no meio de tudo isto?
 VF –  A família é sempre a parte mais prejudicada, porque a grande maioria das vezes colocamos os problemas da freguesia em primeiro lugar, relegando os familiares para segundo plano, mas estou convencido que temos o aval familiar para a vida de autarca que escolhemos.
(Agora que está a chegar ao fim dos mandatos, sinceramente, também acredito que a família foi o grande apoio para o senhor presidente. Sim, não é nada fácil conciliar a vida política e pública com a vida familiar, apresento os meus agradecimentos pelo trabalho feito ao longo deste 12 anos à frente da nossa freguesia. Sou das pessoas que separo as duas vidas: a política e a familiar. Nestes anos, e de uma forma mais visível, desde 2013, fui um crítico do papel político do senhor presidente. Custa mesmo muito separar a política e os protocolos institucionais, não é? Essa foi uma das atitudes e decisões políticas, o de institucionalmente não praticar o protocolo oficial que todo o representante público deve fazer, mesmo que as instituições sejam do desagrado das pessoas do poder local, todas merecem um tratamento institucional igual e imparcial. Quero deixar claro esta minha opinião, nunca quis questionar a vida particular e familiar do senhor presidente. Politicamente e nas decisões tomadas ou não tomadas enquanto presidente de junta de freguesia, tinha que ser crítico e sempre, mas sempre porque sou apaixonado pela aldeia onde nasci e as pessoas que conheci, que conheço e nela residem, merecem sentir-se bem, felizes, orgulhosas das suas tradições, dos seus valores e tanto eu luto para que aproveitem bem e até às entranhas da nossa terra todo o enorme potencial que gratuitamente a mãe natureza lhes oferece: floresta, água, sol, ar limpo e tranquilidade).
 CQ – Qual é o balanço que faz destes mandatos?
 VF –  Considero um mandato positivo, embora não me encontre totalmente satisfeito, porque é sempre possível fazer melhor. (É sempre possível fazer melhor, é verdade, o homem tem que melhorar todos os dias. Também é verdade que se fizermos sempre o mesmo, da mesma maneira, nada adianta viver muitos anos, porque só estamos a viver o mesmo ano muitos anos, ou seja, não mudar é o mesmo que não inovar, não desenvolver, não crescer)!
 CQ – Pensa recandidatar-se?
 VF –  Sim. Depois de um convite que me foi endereçado, pela equipa do PSD, e depois de serem aceites algumas exigências que impus, para benefício da freguesia de Malcata, decidi recandidatar-me.
(Tenho a confessar um segredo: só agora compreendi a resposta que o senhor presidente deu ao Cinco Quinas em 2013. Ao fim de quatro anos entendo o alcance desta resposta.
“depois de serem aceites algumas exigências que impus, para benefício da freguesia de Malcata”( o senhor presidente decidiu recandidatar-se a um terceiro e último mandato! Aqui está a resposta que justifica o aparecimento do cabeça de lista da Candidatura PSD à Assembleia de Freguesia de Malcata (filho para continuar a herança do pai) e a candidatura do senhor presidente a membro da Assembleia Municipal da Câmara do Sabugal. Nestes quatro anos alguém soube das exigências impostas e aceites? Posso até estar errado, mas tenho este pressentimento).

 CQ – Quer deixar alguma mensagem aos habitantes da freguesia?

VF –
 Quero dizer que qualquer pessoa de Malcata e qualquer entidade, podem continuar a contar connosco como até aqui.
(senhor presidente, no fim destes anos à frente dos destinos da freguesia de Malcata, tenho a agradecer o seu trabalho em defesa da nossa terra e das suas gentes. E quero deixar o alerta que continuarei a olhar para o trabalho da pessoa que presidirá durante os próximos 4 anos aos destinos da freguesia de Malcata, a nossa aldeia, a nossa terra.
Prepare-se para arrumar a sua secretária lá da Junta de Freguesia, pense na fatiota e no discurso de despedida e não se esqueça de não faltar à atribuição da Medalha de Mérito
que o seu Presidente António Robalo lhe vai oferecer dentro de pouco tempo perante a plateia do Auditório Municipal.

Apesar de tudo, foram 12 anos e isso vai ficar para sempre com a sua pessoa.
Viva Malcata!
                                               
José Nunes Martins

Nota: A entrevista original pode ser lida aqui: 
http://www.cincoquinas.net/?p=7998#