09 janeiro 2017

VALE A PENA PENSAR NO PRESENTE E LUTAR PELO FUTURO



   Agostinho da Silva, filósofo, um dia contou uma história, aí pelos anos 60, passada numa aldeia da Serra da Malcata e havia nessa aldeia cinco famílias. Três dessas famílias emigraram para a Alemanha e a França, sem saberem a língua, com os costumes rurais que tinham, a mentalidade da Nossa Senhora de Fátima, mas tiveram a ousadia e a coragem de irem a salto para esses dois países europeus. Quando mais tarde regressaram triunfantes, com uma família, um carro, uma casa, quem dominava a aldeia? Aqueles que não tiveram a coragem de partir. Dominavam a sacristia, o comércio, a serração de madeira e também  a junta de freguesia.
   Malcata é um pouco isso. As pessoas corajosas e ousadas são as que partem. Ficam na aldeia, alguns está certo, pois não serão todos, os que não têm coragem de partir, mas que desejam partir, ou seja, não têm coragem de mudar, de inovar. E que bom seria que os que partiram e tiveram a coragem de aprender e inovar fossem audazes e ajudassem os malcatenhos nesta tarefa difícil que é olhar o presente  e  juntamente com os que ficaram, construirmos um futuro melhor para os malcatenhos.

04 janeiro 2017

ISABEL MARTINS E A ARTE DO BRACEJO EM MALCATA

Isabel Martins e as suas criações em bracejo
(Foto do Jornal Cinco Quinas)

   Isabel Augusta Martins, natural de Malcata, vive agora entrelaçada com o bracejo e um querer enorme de afirmação pessoal e com o trabalho que vem desenvolvendo na arte de trabalhar o bracejo, uma erva ou pequeno arbusto, se assim lhe podemos chamar, que desde sempre cresceu livremente nas serranias de Malcata. Todos ou quase todos os que hoje temos meio século de vida, nos lembramos das vassouras das nossas avós ou das nossas mães, sabedoras das qualidades do bracejo e da suas aplicações na vida quotidiana da aldeia. O que muitos de nós desconhecemos é que afinal o bracejo tem muitas mais aplicações e que sendo um material natural, quando trabalhado por mãos como as da nossa conterrânea Isabel Martins, não podemos ficar indiferentes a este trabalho e às suas potencialidades económicas.
   A Isabel Martins soube agarrar aquela oportunidade lançada pela Câmara Municipal do Sabugal, em colaboração com as Aldeias Históricas de Portugal e Centro de Emprego e Formação, sempre que foi necessário deslocar-se de Malcata até Sortelha ou onde fosse dada a formação "EntreLaços". Os resultados estão à vista de todos. E felicito o Jornal Cinco Quinas por esta notícia desejando que se concretize isto:
Haja muitas “Isabéis” que queiram voltar ao seu torrão natal.
Leiam aqui a notícia do Jornal Cinco Quinas: