18 dezembro 2011

AS MINHAS HISTÓRIAS

AS GALINHAS DA AVÓ BI

A avó Bi, carinhosamente assim chamada pelas netas, vivia na pequena aldeia de Malcata. Para esta mulher, que não quis ir para terras de França, como muitas outras mulheres fizeram, a capoeira para ela não tinha segredos, mas mesmo assim entusiasmava-se sempre com as visitas das suas netas e lhes mostrava os feitos e os feitios das suas galinhas e dos seus pintos. As duas crianças ficavam a ver a avó atirar uma mão cheia de milho ou a pendurar na rede umas folhas de couve galega enquanto se riam do alvoroço de penas pelo ar quando a avó tentava agarrar uma das galinhas brancas para a mostrar.
- Posso fazer uma festinha, vó ?
-Eu também quero fazer! Vó, deixas fazer  só uma festinha?
   O aceno afirmativo transformava a pequena galinha num brinquedo, acariciado pelas mãos das duas crianças. Uma delas não resistiu a encostar a cara ao corpo quente e macio, enquanto a outra tentava meter-lhe o dedo pelo bico dentro e dizia:
-Ela morde? Ó vó, as galinhas como comem se não têm dentes?
  E a Ti Benvinda enquanto arranjava o lenço preto que trazia na cabeça, ria-se e não tirava o olhar do bico da ave, não fosse a menina vítima de uma bicada no dedo indicador e respondeu depois de ouvir outra vez a mesma pergunta:
-Comem pois! Então as galinhas têm que comer senão não crescem e depois não tenho para vos dar.
  Bá, vamos deixá-las comer o milho e vamos ali à coelheira ver os coelhos. A coelha tem lá uma ninhada de seis coelhinhos e hoje ainda não lhe dei a comida. Andai lá, vamos.
   E lá iam as três juntas para o quintal. A neve cobria todas as couves e as luvas de lã mantinham quentinhas as mãozinhas das crianças que desciam a saltitar e a cantar aquela canção
 “A todos um Bom Natal
 A todos um Bom Natal!
Que seja um Bom Natal
Pr’a todos nós!

1 comentário:

Anónimo disse...

esta bem contado devias escrever un livro