11 setembro 2014

A FESTA DE VERÃO ( Continuação )


   A Festa de Malcata já passou, mas nós vamos continuar a falar da Festa Grande, a Festa de Verão. No anterior artigo abordámos, com a ajuda do José Rei, como se vivia a festa de Verão, a chegada da Música ( Banda Filarmónica ) e a alvorada. Depois do foguetório e da Música vem a Procissão, a Missa e o Ramo. Então vamos lá convidar novamente o nosso José Rei e ler como ele observava a Festa.

MISSA SOLENE:O GRANDE MOMENTO DA FESTA

Igreja cheia na Missa Solene


   “O momento alto da Festa acontecia com a Missa Solene, mas antes havia uma procissão, um cortejo de visível religiosidade misturado com muita vaidade. E o ar ainda cheirava a pólvora!





O RAMO, uma das maiores fontes de receitas




O Arrematador do Ramo



   "A meio da tarde acontecia o Ramo, que era feito no adro da igreja. E só na década de 1960 a parte profana da festa passou a realizar-se no Rossio. O Ramos era um momento cuidadosamente preparado pelos mordomos, pois nesse tempo, era a principal fonte de receitas para pagar as despesas contraídas. O Ramo consistia na arrematação/leilão de ofertas de diversa índole, com destaque para os doces, o pão-leve, queijos, enchidos e cabritos. E também no Ramo se misturavam religiosidade e vaidade. Uns licitavam por cumprimento de promessas e ou sentido de ajuda, outros faziam-no para mostrar riqueza. O habitual nestas situações! E os mordomos agradeciam, enquanto o arrematador de ofertas, na sua característica estratégica de incentivo à licitação, “dez escudos, uma(…), dez escudos, duas (…), dez escudos(…) quinze escudos pró Ti João Filipe, uma (…), duas (…). E a lenga lenga continuava de oferta em oferta”.....escreveu José Rei.

   Depois de ler este texto que dizer? Olho para o arrematador e vejo-o em cima da caixa de carga de uma carrinha, talvez até seja a do Ti Alberto, pois é ele a voz e o homem que sabe puxar pela oferenda e dar-lhe ainda mais valor do que o que ela realmente tem.Claro que todos sabem que quanto mais alto for a licitação, mais dinheiro entra para pagar as festas!
   Nos anos 50, 60s, o arrematador talvez subisse para cima de um carro de vacas...lá no adro da igreja!
   Nessa época, o Ramo era a principal fonte de financiamento que os mordomos tinham para pagar as despesas. Juntavam-se também as ofertas obtidas pelos mordomos durante as voltas que davam ao povoado, indo de casa em casa e de rua em rua pedir para a festa.
   Outros tempos, outras festas e que todos ansiavam por festejar!







Sem comentários: