04 abril 2017

SE A RUA FOSSE MINHA EU MANDAVA-A LADRILHAR

  



  



   Cada um de nós tem um sítio ou um lugar que dizemos ser nosso.
   Nas cidades, vilas e aldeias por onde nos orientamos para encontrar a casa de uma pessoa amiga que nos convidou para almoçar? Ou como é que o carteiro se orienta, sem se enganar, quando anda a fazer a entrega daquela encomenda que eu tanto aguardo que me seja entregue? E como é que vêm parar à minha morada os vales da minha reforma?
   Já sei que as respostas podem ser variadas e com certeza todas certas e até estão a pensar que basta ligar o GPS e seguir as instruções que nos são dadas. Pois é, isso facilita quando o mensageiro ou o aparelho guiado por satélite possuem a informação certa e actualizada, ou seja, a identificação do caminho até chegar ao destino. O nome do lugar, do sítio é por isso importante para cada um de nós. Eu sou do Carvalhão, foi o sítio onde eu nasci e vivi a minha infância. Outros são da Moita, outros do Cabeço, outros da Ladeirinha e por aí adiante. Ser de um lugar é amar esse lugar, é onde estão as nossas raízes, algumas das nossas memórias de infância, de juventude ou dos nossos antepassados. Durante muitos anos eu recordo-me que em Malcata cada sítio, cada lugar tinha um nome e toda a gente da aldeia sabia como chegar a um sítio e depois ir para outro. E nessa época as pessoas orientavam-se de um lado para o outro apesar da ausência de placas toponímicas para nos indicar os caminhos. Bem, nesse tempo também é preciso lembrar que, por exemplo, as cartas eram levantadas todas no mesmo local da terra. O carteiro ia todos os dias ao Sabugal levar a correspondência e no regresso lá vinha em cima do burro com outra sacola que entregava no posto público da aldeia, sítio onde os interessados tinham que estar à hora para ouvir a leitura do nome do destinatário da carta.
   Pois, hoje graças às placas toponímicas e aos números de cada habitação, tudo se tornou mais fácil e mais prático. A colocação das placas toponímicas trouxe uma certa ordem e melhor orientação. E com a colocação dessas tais placas toponímicas alguns lugares ou sítios estão lentamente a cair no esquecimento, por outro lado, surgiram nomes novos, ruas novas com nomes novos.
   Quem tem competência para regular esta importante forma de orientação é a Câmara Municipal do Sabugal que, por iniciativa própria ou sob propostas de outras entidades públicas, como por exemplo, das Juntas de Freguesia, das Associações do Concelho, de grupos de cidadãos ou até da Comissão Municipal de Toponímia do Concelho do Sabugal, deliberar sobre a toponímia no Concelho do Sabugal. Os pedidos depois de apresentados são apreciados pela Comissão Municipal de Toponímia, que apresentará à Câmara Municipal e esta decidirá o que fazer, tendo sempre em consideração o Regulamento Municipal de Toponímia do Concelho do Sabugal.



Sei que neste momento algumas pessoas estão a topar aquilo que eu estou a referir. Outras não estão a topar nada daquilo que estou para aqui a escrever. Eu, cidadão do sítio do Carvalhão, que desde há uns anos, tem uma placa toponímica com a inscrição “Rua de Braz Carvalhão” curioso quando vi pela primeira vez esse novo nome, fiquei a saber que a razão da escolha foi porque “Braz” era o nome do proprietário da última habitação nesta rua. Bem, isto já lá vão alguns anos, ainda hoje não entendo a razão desta escolha.
   Ora quando se associa o nome de uma pessoa a um pedaço de terra, seja ele rua, praça, avenida, travessa, beco, rotunda ou calçada, em princípio, é uma forma de honrar aqueles cidadãos que, na maior parte das vezes de forma abnegada, heroica e muitas vezes silenciosa produziram, ajudaram, lutaram ou defenderam ideias, direitos e prestaram serviços fundamentais para a vida da povoação. E a única diferença entre todos esses cidadãos, homens ou mulheres, está no alcance e no resultado que alcançaram com as suas acções e dessa forma contribuíram para o desenvolvimento sócio-económico e de bem estar da comunidade e claro, com que interesse essas mesmas pessoas agiram dessa maneira.
   Para que estes casos não se repitam, no meu entender, a atribuição ou a alteração do nome de um lugar deve ser precedido de uma boa recolha de documentação, de testemunhos de pessoas, de divulgação e até de auscultação do povo.
   Tudo isto vem a propósito do que li numa acta da Reunião Ordinária da Câmara Municipal, realizada no dia 6 de Janeiro de 2017, e na agenda de trabalho, na Ordem do Dia, se diz que “registada sob o nº3332, datada de 16/12/2016 referente aos topónimos propostos pelas Juntas de Freguesia do Concelho, foram aprovados, por unanimidade, nos termos e com os fundamentos constantes da informação”.
   Sabem o que me entristece? É que haja pessoas que fiquem enfurecidas com o que às vezes eu escrevo. Quando escrevo é porque vi, algo que aconteceu ou que está para acontecer. O que escrevo não devia ser levado como uma afronta, ou mais uma crítica só porque tenho a mania de criticar. Não, essa não foi, não é e nunca será a minha motivação para escrever. Escrevo para informar, divulgar o que penso e com isso contribuir para levar as pessoas a parar, olhar e pensar e tal como eu descrevo aqui os meus sentimentos, gostaria que outros o fizessem também. Continuarei sempre a escrever e a dar a minha opinião, não escrevo a pedido de ninguém, escrevo sobre o que vejo, o que leio, o que penso e sinto, sobretudo quando é sobre o meu sítio onde nasci: Malcata.
  

      

4 comentários:

Anónimo disse...

Alterar texto a meio do campeontato não da com nada! existem prints do que se escreve! =)

josnumar disse...

Caro Anónimo, não pratico qualquer desporto, não participo em nenhum campeonato e o que escrevo está escrito. Sim, às vezes escrevo mais depressa e cometo erros de ortografia que tento corrigir, mas não, fique descansadinho que lhe deixo ganhar seja lá o que quer ganhar. Mas faça-me um favor, sabe, adoro dialogar mas com pessoas mesmo que as ideias sejam diferentes. Detesto é responder aos anónimos que escrevem neste meu espaço. Se não for muita maçada, identifique-se na próxima vez que aqui escrever.
Passe bem.

Anónimo disse...

Peço desculpa pelo anonimato . Há pessoas que só estaõ bem quando estão a lavar roupa suja . Sempre os mesmos Porém ainda não percebi a razão , ou talvez já , porque o fazem Será por maldade ou por medo ? Dizem dos outros aquilo que eles são ? Ha'pessoas que não aprendem com as lições que vão recebendo

josnumar disse...

Continua no anonimato. Não há desculpa!
A minha mãe lavava a roupa suja com água e sabão, como não havia água em casa e não tinha máquina de lavar roupa, ia lavar para o Campinho, ali perto das Fragas.
Portanto, não se trata de lavar roupa. Trata-se de pensamentos diferentes sobre os mesmos assuntos! Se é a isto que chama lavar roupa, então é porque ainda não compreendeu o comportamento humano: somos todos diferentes! Viva a divercidade.
Vá, mostre que não tem medo de pensar e que também não é por maldade que se esconde atrás do anonimato. Vivemos numa sociedade livre e democrática. E quando estou com tempo, como tem sido estes dias, estou a tratar da minha saúde e portanto dedico algum tempo a exercitar o meu cérebro, dizem que faz bem e é como ir a um ginásio!