29 outubro 2009

UMA JORNADA NOS FÓIOS


PARTICIPANTES NA JORNADA MICOLÓGICA
Eu e a minha família vivemos em Matosinhos. Soubemos através da internet que a Junta de Freguesia dos Fóios ia organizar umas jornadas micológicas, com almoço e tudo. O cartaz da jornada informava que os interessados podiam inscrever-se enviando um mail. E foi assim que eu fiz. A confirmação da minha inscrição e de mais três pessoas foi rápida e dada a prontidão da resposta fiquei ansioso que chegasse o dia 24 de Outubro.
Foi preciso acordar bem cedo, percorrer os trezentos quilómetros até que às 9 horas chegámos ao Centro Cívico dos Fóios. Após a caloroso e simpática recepcção que o senhor José Manuel Campos nos fez e a quem ia ao mesmo tempo chegando, aceitámos o seu convite para tomar um café e uns bolinhos.
E enquanto aguardava pela chegada da hora marcada para a saída de campo, encontrei três malcatenhos que também iam participar nesta jornada. A música ambiente que se ouvia no largo ajudava a criar nas pessoas que se agrupavam em pequenos grupos um espírito de alegria, de entusiasmo e cada um ia relembrando os apetrechos que ia usar para a apanha dos cogumelos. Quase todos vinham de cesta de verga na mão, um bordão de castanheiro oferecido pela organização e uma navalha ou pequena faca completava todo o material necessário.
Pelas conversas que ia escutando deu para perceber que também participavam pessoas do país vizinho.Não fiquei espantado pela sua presença, pois, o mundo e o negócio dos cogumelos feito pelos espanhóis, há muito que alguns vivem destes fungos e são eles os maiores compradores dos portugueses.
Á hora marcada e nos automóveis de cada um, lá subimos pela nova estrada que vai dos Fóios para o Soito e ao sinal do Presidente e do Engenheiro Gravito, estacionámos as viaturas à berma da estrada e o dia estava a começar.
Por lá andámos entre castanheiros e alguns pinheiros até cerca do meio dia.Seguindo sempre o engenheiro Gravito todos escutávamos com atenção as suas palavras, os seus conselhos e a cada descoberta de cogumelo havia uma surpresa que nos era revelada.
Depois de descobertas, cortes, explicações, conselhos e de algumas entrevistas para a televisão, por muito que estivessemos a disfrutar, tivémos que deixar o local e antes de nos dirigirmos para o restaurante, fomos levados a conhecer e a visitar o Sabugal Velho. É um local mesmo velho, a necessitar urgentemente de maior cuidado e de maior investimento. As paisagens que se avistam desse local são espectaculares, mas o Sabugal precisa mesmo de olhar para este sítio e revalorizar o espaço que tanta importância histórica tem para o concelho do Sabugal.
Com as paisagens na mente lá descemos todos até ao largo dos Fóios e seguimos logo para o restaurante El Dorado. Saboreei uns bons cogumelos, uma boa morcela, não esqueci a fatia de melão e presunto. E que dizer do Javali, acompanhado com a batata cozida, seguindo-se o cabrito. Ai o cabrito assado, para mim estava no ponto e quentinho. Carne desta só mesmo nas terras da raia. E de cozinha é conhecedor o senhor Valdir, chefe de cozinha de renome, que ao meu lado me segredou que o cabrito estava mesmo "gourmet" e lhe fez a boca em água.
Foi um almoço bem animado, com vários brindes, vários agradecimentos, muitos elogios à organização. No fim foi a surpresa: cantou-se o hino dos Fóios. Foi a cereja em cima da sobremesa.
Depois todos se dirigiram para o Centro Cívico, onde decorreu a exposição e demonstração dos diversos cogumelos colhidos e também outros que pela sua importância a organização achou por bem colocar na mesa.
Foi uma jornada em cheio e muito bem conseguida. Adorei e regressei feliz com a minha família a casa e todos nós agradados pelo dia diferente que passámos nos Fóios.

Sem comentários: