07 agosto 2017

CAUSA E EFEITO

    Não há arma que corte a raiz ao pensamento que se esconde na mente de cada pessoa. Tudo começa com um pensamento, uma ideia que progressivamente se torna real. Vivemos num mundo em que as ideias, boas ou más, têm resultados bons ou maus. Qualquer problema com que nos temos que enfrentar, qualquer que seja a nossa situação em que nos encontremos, é o efeito de uma causa. E para encontrar a causa devemos procurar dentro de cada um de nós, dentro da comunidade os nossos pensamentos mais dominadores e persistentes. 
 


Em Malcata as coisas funcionam assim: se questionas ou discordas da condução da gestão pública, seja qual for o assunto, és logo rotulado como sendo do contra. Bem podes perguntar por quê que nunca te vão responder. Nada de espantar, até porque na maior parte dos assuntos são muito poucos aqueles que te sabem dar uma resposta. Porque desconhecem o tema ou porque já estão de pé atrás contigo. E também porque ao não responder às tuas perguntas sentem-se leais ao poder dominante e dessa forma podem manter e assegurar tachos e outros benefícios, mesmo que lá bem no íntimo até discordem de algumas das atitudes e decisões.
     Alguns neste momento já devem estar a roer-me na casaca e a murmurar para o vizinho do lado que lá estou eu a deitar abaixo o que os outros fazem com tanto amor e dedicação. Ou então a dizer que se eu critico o que fazem ou deixam de fazer, por que não vou eu para Malcata e mostrar obra melhor!
    Tenho uma resposta para essas gentes que é esta: não custa trabalhar, custa mais é saber e ter capacidade para fazer e trabalhar melhor! Mais, reconheço e aplaudo o trabalho, o empenho e a dedicação às causas públicas de muitas pessoas da nossa aldeia, bem como dos que por ela vão andando ou estão ligados. Bem-haja por tudo o que têm feito. Mas como não sou cópia de ninguém, sou um ser único, logo sou eu e só eu, penso por mim e tenho ideias boas e outras menos boas com a boa intenção de contribuir para o desenvolvimento socioeconómico e de bem-estar das nossas gentes. Sei que nem todos acreditam no que acabo de dizer, mas é com esse propósito que escrevo estas minhas crónicas.


    

Sem comentários: