11 janeiro 2015

MALCATA QUE FUTURO ?

 



  A energia eólica está em expansão no nosso país e um pouco por toda a Europa. Fazem-nos acreditar que se trata de uma fonte de energia limpa e amiga do meio ambiente, das pessoas e reduz a emissão de CO2 para a atmosfera.
   São vantagens  em favor da instalação de torres eólicas e claro, do investimento na construção dos parques eólicos .
   E será que não tem desvantagens? Por exemplo, a construção desenfreada de parques eólicos ocupando os cumes das serras portuguesas, na sua maior parte, situadas no interior do país, não terá também impactos ambientais, sociais e económicos? Já pensaram na quantidade de coisas que se têm que fazer, desde o fabrico das torres eólicas à instalação dos parques eólicos? Começa logo por todos os promotores recorrerem à ajuda da União Europeia, fonte de dinheiros para pagar os investimentos e a oportunidade dada não pode ser desperdiçada, mesmo que essa energia não seja necessária, ou se determinado parque eólico, por erros de projecto, se veja forçado a aumentar o seu número de aerogeradores, aumentando dessa forma os lucros dos investidores. E claro, como os parques estão construídos em terras das regiões rurais, os agricultores, coitados, velhos e cansados, sempre que lhes acenam com uma “ventoinha”  que passará a ser a sua galinha poedeira, mas desta vez nem sequer a tem que alimentar com milho ou farelo, pois todos os anos no ninho ( conta bancária ) ser-lhe-ão depositados os ovos dourados em euros, mesmo que sejam de classe mais abaixo do merecido, torna-se fácil convencer a opinião pública  das vantagens e só vantagens, da existência dos parques eólicos.
   Começamos pelos contratos feitos com os agricultores. São sempre favoráveis aos angariadores, logo vão agradar também às empresas promotoras. Alguns dos agricultores mal entendem o que estão a assinar e apenas lhes é dito que é tudo legal e que todos os anos receberão uma renda por terem permitido plantar a “ventoinha” naquela terra lá longe, ali junto à serra e que até já não cultivavam e por isso a encheram de pinhos. E se em vez de pinhos, que sempre dão alguma despesa para manter o pinhal limpo e afastar um possível e imprevisível incêndio, lhe plantam uma torre em ferro para dar luz ao país e mesmo sem sair de casa, ganhar alguns cobres, que se dane tudo e que ponham lá a tal ventoinha!
   Quem não gostou da invasão das torres eólicas, do movimentos das suas hélices e dos ruídos que provocam quando estão em funcionamento, foram as aves, as abelhas, os coelhos, os lobos, as perdizes, os gaios, os milhafres, os grifos, as águias e nunca mais o lince voltará a sentir-se bem na casa que em tempos lhe foi oferecida, a Reserva Natural da Serra da Malcata.
   Querem mais impactos negativos?
   Sabem quantas toneladas de ferro são necessários para aguentar de pé, hirta e segura,  uma torre eólica? Parece que são necessárias 60 toneladas de ferro, 450 m3 de cimento, 40 viagens de camiões de transportes especiais e camiões “betoneira”, 150.000 litros de água…e muito mais, muito mais!
   Tudo isto não altera a paisagem? Façam uma visita à aldeia histórica de Sortelha e observem o que vêem quando andam lá em cima das muralhas. Prossigam viagem até à Serra da Malcata, mas não entrem por Penamacor. Façam mais uns quilómetros e apanhem a Estrada Nacional 233, sigam em direcção a Malcata, Serra da Malcata. Basta andar uns 500 metros e olhar a paisagem que vai surgindo aos nossos olhos. É assustador o que observamos  e  o que para uns é desenvolvimento e progresso, para outros é destruição, violação, desassossego .
   E dizem que é o progresso.
   Se o progresso é não respeitar a vontade daqueles que se expressam contra a instalação de mais 6 torres eólicas, porque se estão a sentir incomodados com as 19 que já existem, porque lhes roubam o direito a uma vida sossegada, calma e tranquila e porque desejam continuar a viver com saúde e não precisam que os atormentem mais do que os tormentos que já passaram quando lhes alagaram as terras, quando construíram a barragem, lhes impedem e exigem que respeitem os limites da reserva natural, pondo-lhes sempre dificuldades para realizarem anualmente o encontro com a serra, na tradicional festa da carqueja, exigindo autorização para tudo e com respostas lentas, sabendo todo o povo o desleixo a que deixam as casas florestais e a apatia total pela invasão desta nova energia limpa...só me resta perguntar: o que ganha Malcata?

4 comentários:

Amilcar Fernandes disse...

Bonito texto José.

Anónimo disse...

Estão lixados! Esta tropa das ecotretas verdalhusca está completamente viciada no dinheiro dos subsídios. Enquanto não plantarem mais umas eólicas, não vos vão dar descanso. E no fim vão ganhar, o Ministro Moreira da Silva jamais vos irá defender (como nunca irá defender os contribuintes contra os vigaristas das ecotretas)...
José

Anónimo disse...

Amigo José.

Tem toda a razão quanto às ecotretas,quanto aos subsidios a partilhar sabe-se lá!!,quanto ao Ministro defender aqueles desgraçados que como diz correm o risco de engulir as ecotretas e ainda nunca se opurá a quem quiser partilhar seja o que for.Muito bem visto da sua parte.

NIEVES disse...

Concordo totalmente.Foi um engano para os aldeões.
As vantagens para quem?.
Terra fértil,ar puro,paisagem ..Tudo , vai ser lindo!!!
Estão a estragar o património natural.
Os nossos netos não poderam usufruir de aquilo que nos foi legado.
Isso não vai ter remédio nenhum.O que acontecerá depois de 20 anos ?
Mais uma lixeira legal ou ilegal.Vamos ver como fazem o aterro ,a icineração...?Será que esta energia limpa vai deixarmos a zona como estava,ou será como quem para limpar a sua casa tem de sujar a alheia?
O ouro da zona é a paisagem.

Nieves_espanhola de Navasfrias Desde a minha aldeia percebo com tristeza a fealdade na serra.