01 setembro 2011

TÂNIA, A MENINA POETISA

 Tânia






"E, de repente, a Tânia, que não falou na viagem toda, declamou um poema. De memória. Com uma intensidade que não é só voz, é corpo, gestos, gritos. No estúdio de televisão, a terra tremeu. Ó rapariga do poema encravado na garganta! Que soltaste o poema, no momento da surpresa. Depois correste a beijar a Maria José. Um abraço de séculos de amor e ternura.E eu escondi a cara para chorar (sempre achei indecoroso chorar na televisão!).

Passei 7 horas numa carrinha com a Tânia, vítima de paralisia cerebral, e mais alguns companheiros. Todos enigmáticos, todos diferentes. Aprendi mais nesta viagem do que em anos de conversa fiada. Os companheiros da Tânia (Marco, Tiago, Ana, João) mais o seu mundo a tiracolo ensinaram-me muito. Ou, pelo menos, eu julgo que aprendi a lição. Chamam-lhes deficientes... mas todos somos deficientes nesta sociedade desumanizada, normalizada e padronizada. Os mundos daqueles meus companheiros de viagem são secretos e, nalguns casos, impenetráveis. Mas os meus companheiros são excelentes seres humanos, capazes de amar e ser amados.

A Tânia não falou na viagem (ou eu não reparei na sua voz). O programa de televisão estava quase a terminar. Foi, então, que a Tânia disse aquele poema. Exagerando na emoção. Gesticulando tanto. As palavras a ressoarem. Os apresentadores (habituados a tudo, mesmo a cantores que vendem as... pernas) abriram a boca de espanto. E eu, ali perdido, estremeci".
Li  aqui:
http://cafe-mondego.blogspot.com/2011/02/tania-e-o-poema.html

Sem comentários: