22 junho 2014

O SÃO JOÃO EM MALCATA


 O São João e o São Pedro são dois dos santos mais populares celebrados pelos portugueses. Em Malcata o São João continua a festejar-se e no dia 24 de Junho o Rossio volta a ser o centro da festa.
 “Com algumas semanas de antecedência, os rapazes sinalizavam nos pinhais da freguesia o pinheiro suficientemente alto, direito e grosso, com muitas galhas, adequado para fazer o mastro.” 
                     in Malcata e a Serra, da autoria de José Rei
   Era assim no tempo passado, mas hoje as coisas fazem-se com menos tempo e mais depressa. Com tantos cabos e fios no Rossio, o mastro não pode ser demasiado alto e hoje um fio de nylon faz as vezes das galhas em carvalho que antigamente os rapazes seguravam no tronco do pinheiro que por ser uma madeira mais resistente, ofereciam maior segurança aos que subiam ao cimo do mastro para lá deixarem a boneca de trapos e iam descendo vestindo de rosmaninhos e enfeitando com bandeirinhas. 
   O Rossio ficava todo engalanado, como ontem ficou. Ontem, os mordomos andavam tão entretidos com o vestir do mastro, prender e esticar os arcos coloridos de tiras de papel e com o pendurar dos balões em papel colorido que se esqueceram de convidar o tocador da concertina para lhes dar mais ânimo. Noutros tempos, a música do acordeão nunca faltava. Como em todas as festas populares em Malcata, os rapazes faziam a “ronda” percorrendo as ruas principais da aldeia e iam pedindo ajuda para as despesas da festa. As raparigas não participavam, pois não se misturavam com os moços e tinham que contar com a companhia da mãe ou tia que tomavam conta delas enquanto durasse o baile que à noite se realizava à volta do mastro.
   “Depois de deitar o fogo ao mastro, quase sempre a meia-noite, o arraial era desfeito e acabava a festa.
   O queimar do mastro lançava no ar um cheiro a rosmaninho, convidativo à magia. Por esse facto, era hábito as raparigas, madrugada dentro, irem tomar banho ao rio Côa. Faziam-no antes do sol nascer e devidamente tapadas com a combinação, não fossem alguns rapazes mais atrevidos observarem o que não deviam.
   Também era hábito as moças colocarem um ovo escarchado à orvalhada, a fim de, quais adivinhas, interpretarem as formas que a gema e a clara adoptavam. Diziam que a forma de capela indicava namoro e casamento próximos. Caso a forma fosse um caixão, a morte podia ocorrer brevemente.
   Os mais velhos, na noite de São João, aproveitavam para adivinharem e estabelecerem o ano meteorológico. O local  de reunião era normalmente o sítio da Rasa. E então concluíam coisas do género:
pelo S.Miguel vai chover; pelo S.Francisco haverá castanhas como cisco; grande seca grande molha, ou Verão seco, Inverno molhado; lua com auréola amarela, ano muito húmido; nascer do sol alaranjado, ano seco(…).”
in “Malcata e a Serra”, da autoria do José Rei

   Estas são algumas das memórias que ajudam a compreender e a perpetuar as festas populares da nossa aldeia. Este ano, como já o tem sido nestes últimos anos, um grupo de homens e mulheres que não querem deixar morrer as suas memórias e a dos seus antepassados, por carolice e sã diversão, voltaram a unir esforços e vontades e organizaram as festas de São João. Ainda bem e só lhes posso desejar uns momentos alegres e que todos se divirtam até ao nascer do sol.
    

E para memória futura, aqui vos deixo estas fotografias dos preparativos da festa de São João deste ano, deixando ainda a informação que vão ser três dias de alegria, com música, com jogos populares, com sardinhas assadas e porco assado no espeto. Apareçam e divirtam-se.

 
























































  

2 comentários:

Anónimo disse...

OLA GENTE DE MALCATA
MUITO OBRIGADO PELAS GRANDES FESTAS QUE VOCES FAZEN ASSIN E QUE ECONTINUEN NESSE EMBIENTE CON MUITA ALEGRIA E SUDE
UN GRANDE ABRAçO PARA TODOS QUE NOS NAO ESQUECEMOS ESSA TERRA QEUE E A MAIS BUNITA DE PORTUGAL

ELISETE & TEIXEIRA DU CABECO

josnumar disse...

Elisete & Teixeira do Cabeço agradeço a mensagem que nos enviou.Pois é para aqueles que nasceram em Malcata e que lá vivem ou por qualquer canto do nosso mundo que mantenho esta página aberta.
Todos somos Malcata.