08 dezembro 2010

ANPC DESRESPEITA OS BOMBEIROS DO SABUGAL

 Assinatura do Protocolo na sede da ANPC
   A fotografia é verdadeira e retrata a assinatura dos Protocolos de Cedência da VSAT ( Viatura de desencarceramento) à Associação Humanitária dos Bombeiros de Sabugal.  Outras duas corporações de bombeiros também estavam presentes para assinarem os seus "protocolos". Nada correu bem e aquela cerimónia vai ficar na memória dos dirigentes dos Bombeiros Voluntários do Sabugal. Imagino a alegria e a satisfação com que viajaram até à sede da ANPC, em Carnaxide, Lisboa, pois, finalmente iriam receber a viatura que há muito tinha sido prometida e que tanta falta faz para aumentar a capacidade de melhor ajudar quem dela necessita. Tudo estava bonito, bem encenado, com todos os convidados presentes, tendo mesmo a presença do senhor ministro Rui Pereira para sorrir e abraçar os nossos bombeiros. Até chegaram a entregar as chaves da viatura. Tudo nela era novo, desde os pneus até às antenas. Quando quiseram experimentar o "brinquedo" o material recusou-se a trabalhar! Os "rapazes" nem puderam experimentar e teve que ser recambiada para a oficina que, através de concurso directo( ver aqui:
 lá conseguiu ganhar uns bons milhares de euros.


VSAT-Bombeiros Voluntários de Sabugal

   E o que sucedeu com a viatura VFCI ( Veículo Florestal de combate a incêndios) que os bombeiros Voluntários de Milfontes tanto desejavam levar para o seu quartel? Será que também os bombeiros de Alcácer do Sal ficaram de queixo caído?
   É de louvar a postura dos representantes dos Bombeiros do Sabugal. Pelo que consegui investigar, foram os únicos a denunciar esta situação. As outras duas corporações nada disseram nos seus "sítios" informáticos.
Mas no Sabugal há quem não se conformasse e escreveu :

«Após todas as peripécias já conhecidas, de falta de informação, concursos feitos e anulados, na sexta feira 3 de Dezembro, o Presidente da Direcção, acompanhado mpelo Presidente da Assembleia Geral, sob o olhar do Presidente da ANPC e do Secretário de Estado da Protecção Civil, assinaram o protocolo de cedência de uma viatura de socorro e apoio táctico (VSAT) que poderá tornar mais eficaz o socorro no que a acidentes (rodoviários sobretudo) diz respeito.
E digo poderá, porque, não é que o material montado na viatura, mesmo sendo novo, se recusa a trabalhar?
Parte do material  não aguentou sequer as demonstrações para instrução da "rapaziada", pelo que vai já ter que ser recambiado para a oficina que o montou. Material e viatura, para que venha montada "como Deus manda".
Após tanto tempo de espera, até dei de barato que a organização falhasse e tivesse um protocolo preparado para ser assinado por directores específicos e se tivessem esquecido de no-lo comunicar para que esses directores se deslocassem lá ou fossem atempadamente substituídos, em caso de impossibilidade. Até dei também de barato que estivesse lá todo o staff desde ministro a secretário de estado, governadores civis (dos distritos contemplados), e a ANPC quase em peso, e mesmo assim acontecesse aa peripécia de Vila Nova de Milfontes 
No grupo das quatro viaturas que deviam ser entregues nesse dia, encontrava-se um VFCI (Veículo florestal de combate a incêndios) que deveria ser entregue aos bombeiors de Vila Nova de Milfontes, que para o efeito se deslocaram a Carnaxide. Quis o destino, ou a imcompetência, que apenas ali fossem informados que não poderiam levar a viatura (nem assinar o protocolo) por esta ter defeitos de montagem na transformação, mas também de motor.
Fiquei, mesmo dando barato, e acho que ficaria qualquer um, revoltado com o desrespeito pelos homens que fizeram a viagem em vão; ou será que só se descobriu na hora de entregar?
Se se sabia e não se informou, confirma o desrespeito que a ANPC há muito tempo vem demonstrando pelos Bombeiros, e sobretudo pelas Associações e seus dirigentes.
Se não se sabia antes, demonstra que a fiscalização  da produção das viaturas falhou, por falta de sentido profissional, ou incompetência.
Se toda a gente tira uma tarde de folga, para festejar, porque ao fim de três anos se entregam (mal) as primeiras 3 das 95 prometidas (e se aprazam as restantes para um espaço de cerca de 60 semanas - mais de m ano), não admira que o tempo escasseie para a preparação e fiscalização. Os bombeiros que ali se deslocaram, na sua maioria, tiraram o dia, mas das suas férias ou do seu salário, por isso a festa, sabe um pouco a azedo».

Já não há paciência para tanta incompetência!

Sem comentários: