08 março 2010

MULHERES DA ALDEIA

   Hoje as mulheres celebram o seu Dia Internacional. Algumas recordam aquele grupo de mulheres, operárias numa fábrica de tecidos em Nova Iorque, gritavam por melhores condições de trabalho, incluindo a redução da carga horária de 16 horas para 10 horas, um ordenado igual ao que pagavam aos homens e serem tratadas com dignidade no local de trabalho. Estas operárias foram reprimidas violentamente e trancadas dentro da fábrica que depois foi incendiada. Aproximadamente, morreram carbonizadas 130 tecelâs.
   Em todo o Mundo, comemora-se hoje, o Dia Internacional da Mulher, data recordada desde 1910, mas que somente em 1975, através de um decreto, foi oficializado pela ONU.

Mulher camponesa
   

Em Portugal, o dia de trabalho para muitas mulheres continua a começar muito mais cedo e termina mais tarde do que o dos homens. Nas aldeias vivem mulheres puras e imaculadas, sem maldades escondidas por apitos de metais preciosos. São mulheres que continuam a desconhecer a vida das outras mulheres que vivem nas cidades. Tratam da casa, do gado, das batatas e das couves, não têm geito para pintar os lábios, nem costumam ir ao cabeleireiro uma vez por semana, mas são belas e singelas, mesmo com unhas riscadas e rugas nos rostos. Para elas vai a minha lembrança e o meu apreço.


A Gentil Camponesa






Tu és pura e imaculada,

Cheia de graça e beleza;

Tu és a flor minha amada,

És a gentil camponesa.





És tu que não tens maldade,

És tu que tudo mereces,

És, sim, porque desconheces

As podridões da cidade.

Vives aí nessa herdade,

Onde tu foste criada,

Aí vives desviada

Deste viver de ilusão:

És como a rosa em botão,

Tu és pura e imaculada.

És tu que ao romper da aurora

Ouves o cantor alado...

Vestes-te, tratas do gado

Que há-de ir tirar água à nora;

Depois, pelos campos fora,

É grande a tua pureza,

Cantando com singeleza,

O que ainda mais te realça,

Exposta ao sol e descalça,

Cheia de graça e beleza.

Teus lábios nunca pintaste,

És linda sem tal veneno;

Toda tu cheiras a feno

Do campo onde trabalhaste;

És verdadeiro contraste

Com a tal flor delicada

Que só por muito pintada

Nos poderá parecer bela;

Mas tu brilhas mais do que ela,

Tu és a flor minha amada.



Pois se te tenho na mão,

Inda assim acho tão pouco,

Que sinto um desejo louco:

Guardar-te no coração!...

As coisas mais belas são

Como as cria a Natureza,

E tu tens toda a grandeza

Dessa beleza que almejo,

Tens tudo quanto desejo,

És a gentil camponesa



António Aleixo, in "Este Livro que Vos Deixo..."

Sem comentários: