PESQUISA

07 fevereiro 2019

MALCATA: UM BÊCO SEM SAÍDA?



     


  A ideia foi apresentada à entidade parceira. Com ela pretendia-se que naquele dia fosse uma excelente oportunidade de negócio para quem os tem. A nossa aldeia necessita de vida, de visitantes, de iniciativas que tragam e acrescentem valor. Quando se planeia um projecto para a nossa aldeia, que vai envolver cerca de 80 pessoas, jovens estudantes universitários e seus professores, que vêm pela primeira vez conhecer o espaço e tudo aquilo que pode ser incluído no “trabalho universitário” e que contribua para uma nota de excelência, nós, os que nos dizemos malcatenhos, só temos de recebê-los bem, como se cada um desses jovens fosse à casa de cada um de nós. Mostrar alegria, convidá-lo para a mesa, conversar um pouco enquanto se vai comendo.
Sendo os malcatenhos bons anfitriões, sei que logisticamente falando, ía ser uma trabalheira para todos serem bem recebidos nas casas. Por isso, pensámos noutra ideia mais leve e mais vantajosa, principalmente para o comércio local da nossa aldeia. E a ideia do José foi-me revelada e com ela concordei, vindo até a enriquecê-la com umas achegas. O plano estava definido e apenas estava a faltar a aprovação por parte da outra entidade, com quem estava acordado, previamente e atempadamente, o seu apoio incondicional ao evento.
  Então qual era a ideia que tanto gostei de ouvir? Ora bem, fizemos uma análise ao que temos na aldeia e a conclusão foi que não há restaurante para dar de comer a tanta gente. Ora sabendo nós que existe um espaço com condições para a refeição, outras vezes já utilizado para almoços, jantares e outros convívios, o salão da freguesia ( e sede da ACDM) era uma boa escolha. Quanto à refeição propriamente dita, acordávamos com os comerciantes locais a forma de eles serem os fornecedores da comida, bebidas, sobremesas, cafés…num dia, trabalhando em rede, ganhávamos todos alguma coisa, principalmente os proprietários dos cafés e mini-mercado. Que bom, pensei eu para mim, isto é a “economia circular” a funcionar! Vamos então ao trabalho e dar corda aos sapatos para que tudo esteja pronto na data que for. Até o mês de Fevereiro já tínhamos apontado como o ideal para alunos e professores, ficou apenas o dia por confirmar pela universidade e os parceiros de Malcata encarregar-se-iam do transporte e toda a logística necessária (comes e bebes…).
  Que vos parece esta nossa ideia? Tem ou não pernas para andar? Tem ou não vantagens?
 
                                                                                  José Nunes Martins
                                                                                                                                         (josnumar@gmail.com)




Sem comentários: