04 julho 2014

O PÃO DAS BOCHAS




Bocha de pão ainda em crescimento

      Todos conhecemos a importância do pão na alimentação. Conheço até quem não coma a refeição se faltar pão na mesa. Hoje para comer uma fatia de pão não dá lá assim muito trabalho, há muitas padarias próximas de Malcata que diariamente nos levam o pão a casa. Antigamente era necessário pôr mãos à obra e começar a trabalhar em  Novembro para em Junho ou Julho se poder ceifar o pão, malhá-lo, entregar as sacas ao moleiro e depois marcar um dia para o cozer no forno do povo.
   Sendo eu filho de Malcata e não sendo a minha família muito abastada em terras agrícolas nem por isso deixou de semear pão e trigo, nomeadamente ao Poceirão e na Relva das Casas, terrenos cuja área e clima eram propícios para cereais.
   José Rei, no seu livro "Malcata e a Serra" no capítulo "As actividades de subsistência" na página 44 dedica a sua atenção à Ceifa. Durante os meses de Junho e Julho poucas horas de descanso havia para as gentes da nossa aldeia. Quase todas as famílias semeavam a sua bocha com pão ( centeio ) ou trigo.
   A ceifa era uma actividade que dava trabalho a muita gente. Em Malcata apareciam pessoas vindas de outras terras, vindas do lado de Castelo e que trabalhavam em grupo até acabar a ceifa. Mas em Malcata acontecia algo que merece ser lembrado e que mostra uma característica singular da vida comunitária da aldeia: como alguns agricultores não tinham dinheiro para pagar a esses ranchos de ceifeiros, "o mais comum era o rancho ser feito em modo de torna-dia, sendo o dia pago com outro dia de trabalho".("Malcata e a Serra, pág.44,José Rei).
   E então pelo raiar da manhã, todos se reuniam à porta do lavrador e após o matabicho partiam para o trabalho. 

        Os ceifadores iam para o campo bem aviados levando ferramentas, roupas e outros acessórios que lhes garantiam segurança e bons resultados no seu trabalho e em que destaco estes:



Dedeira e foice

Chapéu de palha

   "Chegados à bocha depois de verificada a direcção do vento e o trajecto do sol, os ceifeiros colocavam-se lado a lado, de acordo com as suas preferências  e começavam a ceifa. Alguns, metiam dedeiras na mão esquerda, a fim de se protegerem de eventuais cortes. que poderiam ocorrer a qualquer momento, dada a rapidez com que cortavam o cereal que agarravam com aquela mão". pág.46 do livro "Malcata e a Serra,de José Rei.


   
   

Sem comentários: