30 novembro 2012

MEMÓRIAS DE MALCATA: JORNADAS DO CARVÃO

Cartaz da Jornada do Carvão

OS CARVOEIROS DE MALCATA
   
Quem ainda se lembra dos carvoeiros de Malcata?
Em termos económicos, por volta dos anos sessenta, o negócio do carvão foi uma actividade que teve bastante importância na freguesia. Eram célebres os carvoeiros que exploravam a serra da Malcata e que se deslocavam de burro para comercializarem o seu produto nas freguesias vizinhas, e tinham como alvo preferencial os ferreiros. Antes do fenómeno da emigração na década de 60, que afectou bastante a freguesia e toda a região, era frequente o contrabando de alguns produtos, como azeite, ferramentas, tecidos e outros, comprados em Espanha e vendidos em Malcata por habitantes da aldeia, geralmente com grandes dificuldades económicas. O transporte dos produtos era feito a pé ou utilizando o burro. Além do caminho ser muito árduo, havia ainda o perigo de serem apanhados pela guarda fiscal. A mercadoria apreendida aos contrabandistas era leiloada em praça pública.
                                                               Braseira a carvão
                                                            (Museu de Malcata)

   Eram tempos em que a aldeia ainda não tinha electricidade e o carvão era muito utilizado no Inverno, tempo sempre frio e chuvoso. Para além do carvão que vendiam aos ferreiros, em quase todas as casas havia uma braseira que era alimentada a carvão. Lembro-me ainda vagamente de algumas mortes causadas pelo mau uso deste método de aquecer as casas e os serões passadas com os pés em cima da braseira e o candeeiro de petróleo aceso.
   O meu avô, o Ti João Pires, chegou ainda a falar das viagens que ele fazia com o seu burro carregado de carvão. Tive ainda a feliz oportunidade de assistir um dia ao fabrico do carvão. Lembro-me de termos ido lá para os lados da Porqueira, arrancou uns toros, fez um buraco na terra e despejou lá a lenha dentro. Deitou-lhe o fogo e lentamente tapou tudo com terra. A lenha ali ficou a queimar e eu a ver o fumo a sair debaixo da terra. Mais tarde, não sei depois de quantas horas, o meu avô retirou a terra e ali estavam os troncos negros, sujavam as mãos todas de preto e vai de meter nas sacas de pano e depois do burro carregado regressámos a casa.
   Esta é uma memória minha, talvez até nem tenha sido mesmo assim, mas por alguma razão eu tenho estas imagens na minha mente. Outras pessoas terão outras memórias e que seria importante recolher e guardar para memórias futuras. Louvo esta iniciativa da Associacção Cultural e Desportiva de Malcata, que com a ajuda da Junta de Freguesia decidiram organizar esta jornada.
   Mais uma vez não vou poder estar a participar, com muita pena minha. Contudo, bem que adorava que algum dos participantes recolhesse fotografias, vídeos e até histórias de pessoas que viveram estas coisas e que ainda estão entre nós.
   Desejo que corra tudo  bem e que o reviver desta jornada dos carvoeiros contribua para uma maior aproximação das pessoas da aldeia. Por Malcata, sempre!







Sem comentários: