31 outubro 2012

A MORTE É CERTA


  

 “O culto aos mortos deve ser controlado, para não exceder a nossa capacidade emocional e não ficarmos prisioneiros das emoções. A vida é bonita e complexa porque tem no seu âmago ternura, amor, recordações, mas, principalmente, tem muito de imprevisível e inesperado que nos choca, entristece, deslumbra, fazendo-nos sucumbir ante tanto sofrimento. São as frustrações e o sofrimento, consequentes da vida. Por isso, temos que saber viver com sobriedade, gerindo inteligentemente essas emoções.
   Não devemos ficar deslumbrados e desnorteados com as alegrias ou com as dores, como a borboleta perante a luz.   O homem tem a tentação de ser guloso da vida, pensando que será permanentemente adoçado com o torrão de mel que, de vez em quando, a vida lhe proporciona. O ser humano tem de aceitar que terá de suportar dor e amargura, constantes da vida.   No cemitério devemos privilegiar o respeito e a meditação para nos tornarmos melhores, ante as memórias benditas que os entes queridos nos legaram.   O ódio e o rancor são desperdícios que, infelizmente, só mais tarde sentimos. Estes sentimentos positivos são como depósitos numa conta bancária que somos nós próprios, a débito, porque só os fazem mal. Já os sentimentos positivos são créditos nessa conta e se aí efectuarmos muitos depósitos de paz, compreensão, perdão, alegria, auto-estima, seremos enormes capitalistas da vida.”

   Autor deste texto:  Manuel Martins Fernandes
                                no livro "Memórias de Infância...Raízes do Coração"


Sem comentários: