06 agosto 2014

COMO SERÁ MALCATA DAQUI A 1O ANOS?

Contentores e ecoponto

   Há já uns anos que as gentes da aldeia aprenderam a despejar o lixo nestes contentores espalhados pelo povo. Antes da chegada destes contentores o lixo doméstico pura e simplesmente quase que não se via nas ruas. No mês de Agosto a população de Malcata aumenta consideravelmente e como consequência do aumento do consumo, aumentam os resíduos orgânicos e outros tipos de lixos.
   A Câmara Municipal e bem no meu entender reforça o serviço de recolha e preocupa-se em manter as nossas terras com ar limpo e sem maus cheiros.
   Lembram-se os malcatenhos do modo de vida que alguns emigrantes levavam nos primeiros anos lá por terras de França? Trabalhar na "povela" era saber que podiam encontrar surpresas, aquelas coisas inúteis para os franceses e muito úteis para os emigrantes: roupa, calçado, bicicletas, televisores...portanto para muitos era um trabalho que os satisfazia. Aqui onde moro quem anda a abrir estas caixinhas de surpresas são os emigrantes oriundos de países do Leste e africanos. Eles procuram surpresas que lhes possam garantir algum ganha pão.
   Em Malcata o despovoamento continua e a debandada ainda não parou. A falta de oportunidades de trabalho e as falsas promessas de potenciais empregos, sendo o empreendimento Ofélia Club o que mais dói, não deixa outra alternativa às pessoas.
   Apesar das grandes mudanças ocorridas na nossa aldeia ainda não são suficientes para parar a saída de pessoas. A aldeia hoje tem saneamento básico, água canalizada, ruas calcetadas, com uma rede eléctrica reforçada e que aguenta sem quebras de energia, uma rede de internet que muitas outras aldeias não possuem. Que nos falta então para que as pessoas se interessem em viver em Malcata?  A aldeia antiga morreu e nasceu uma nova. Na aldeia antiga existia o "pego" onde os garotos e rapazes davam mergulhos. Hoje os nossos avós e pais lembram-se das indemnizações que receberam pela venda dos terrenos ocupados pelas águas da albufeira da barragem. Os mais novos anseiam pisar as tábuas da piscina e dar uns mergulhos ou passear de barco até aos pilares da nova ponte.
   Malcata deixou de ser uma terra de casas de aspecto rude e sem estilo. Até os belos soutos de castanheiros desapareceram, restando dois ou três testemunhos, um deles nos jardins do Lar, apesar de já se tentar classificá-lo como árvore de interesse nacional, vai acabar por desaparecer sem o merecido reconhecimento.E não é aquele velho e seco tronco que melhor serve para perpetuar na memória dos nossos filhos e netos que nesta terra já foram grandes árvores.
   Como gostariam de ver Malcata daqui a 10 anos?
   É o desafio que vos deixo. Em 2014 estamos como estamos. E em 2025 ?
   Aceito propostas e planos, mesmo que sejam apenas sonhos, porque lá dizia um amigo meu
que "a realidade é a realização progressiva de um sonho".

Sem comentários: