12 maio 2016

QUE FAZER COM A ALDEIA DE MALCATA?


   Que fazer com a aldeia de Malcata?
   Que fazer com o território da Malcata?
   Que estratégias estão a ser desenvolvidas pelos malcatenhos para desenvolver a aldeia e o seu território?
   É ou não importante criar uma marca e investir numa estratégia de marketing e comunicação?
   O presidente da Câmara Municipal do Sabugal, António Robalo, um dos participantes no debate “Que fazer com o país das aldeias?”, realizado na Bendada, nas conclusões dos trabalhos referiu a “necessidade de serem criados pólos de excelência rural. E que é necessário “identificar aldeias com uma génese idêntica e que consigam especializar-se numa determinada função e conseguir fazer dessa função a marca”.
   E no concelho do Sabugal existem já alguns exemplos: a aldeia de Sortelha, todos a conhecem como ALDEIA HISTÓRICA, os Fóios dizem que são ALDEIA TURISMO, a Bendada, começa a ser conhecida como a ALDEIA DA CULTURA.
   E a aldeia de Malcata?
   A população de Malcata tem um papel fulcral no desenvolvimento da aldeia e nos futuros projectos que possam vir a surgir à sua volta.
   Os malcatenhos têm que ser envolvidos na definição de uma estratégia que empurre a nossa terra para um “pólo de excelência”, uma aldeia diferenciadora e inovadora. Sem esse envolvimento da população, o desenvolvimento social e económico fica comprometido.
   É urgente preservar a identidade de Malcata e para isso precisamos de encontrar uma ou várias estratégias de desenvolvimento correctas, que efectivamente contribuam para o desenvolvimento da nossa aldeia.
   Há perguntas que os malcatenhos devem responder:
   Houve ou não crescimento económico e social significativo em Malcata com base na criação da Reserva Natural da Serra da Malcata, com a construção da Barragem do Sabugal e com a construção do Parque Eólico?
   Um olhar atento pela aldeia e à vida dos que habitam em Malcata leva-me a concluir que as estratégias seguidas até agora, não têm dado resultados. Há então a necessidade de criar e apostar em estratégias diferentes e mais inovadoras.
   Voltando às perguntas do princípio deste texto, é necessário, importante e urgente definir claramente os objectivos e o plano de desenvolvimento de uma marca para a nossa aldeia.
   Vamos criar a marca como Aldeia do Lince? Aldeia de Montanha? Aldeia Verde( Floresta )? Aldeia do Desporto de Natureza? Aldeia Serrana? Aldeia dos Carvoeiros? Aldeia do Contrabando? Aldeia do Cabrito?
   Que fazer com a nossa aldeia, as suas gentes e o seu território?

01 maio 2016

MÁ DESPESA E MÁ INFORMAÇÃO

    Cada vez mais as pessoas utilizam a internet e as suas mais diversas ferramentas para se comunicarem umas com as outras e também com as instituições públicas e privadas, sejam elas empresas, escolas, hospitais, paróquias, câmaras municipais ou juntas de freguesia.
   O uso da internet tem várias vantagens e uma delas é a de permitir responder mais atempadamente às necessidades do cidadão e fomentar uma maior confiança entre ambos.
   Criar boas relações, partilhar valores e informações, tirar dúvidas, divulgar o que a nossa aldeia tem e pode oferecer a quem nos deseja conhecer ou simplesmente visitar, são outras vantagens da internet.
   Numa altura em que Malcata até possui ligações através de fibra óptica, o poder local, nomeadamente a nossa Junta de Freguesia, parece que ainda não percebeu que deve ter uma presença mais assídua e mais actualizada nas diversas formas que a internet nos permite. Vejam as imagens seguintes, retiradas hoje, 1 de Maio de 2016, da página oficial na internet da Junta de Freguesia de Malcata. Dois exemplos de descuido, de quem não dá importância absolutamente nenhuma à importância e ao verdadeiro valor da informação e ao verdadeiro e bom serviço público. Já passaram quase sete anos, não são sete meses, segundo a informação dada pela página da Junta de Freguesia, no que diz respeito ao MOVIMENTO ASSOCIATIVO e EQUIPAMENTOS, nestes anos todos estamos como em Setembro de 2009!
   A isto eu chamo má despesa pública, mau serviço público. Os malcatenhos merecem mais e melhor.

   Imagens recortadas da página oficial da Junta de Freguesia de Malcata, a 1 de Maio de 2016

   

22 abril 2016

O PODER NÃO É ETERNO



O PODER NÃO É ETERNO
Há pessoas que não conseguem ou não querem largar a cadeira do lugar que ocupam há uma dezena de anos. Parece que vivem coladas ao assento e ainda temem que quando se levantarem de vez, não haverá quem faça bem o trabalho.
Não estará na hora de dar o lugar de comando a outras pessoas? A  pessoas de outra geração, com ideias diferentes, mas responsáveis?
Será que na maior parte das instituições não se pode apostar em novas gerações de gestores?
Então como é que se procederá uma renovação?

26 março 2016

A PÁSCOA EM MALCATA

  A igreja de Malcata antes de Domingo de Páscoa
apresenta-se despida 


    A Páscoa é um dos mais importantes eventos cristãos. Nesta época, comemora-se a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte por crucificação no dia de Sexta-Feira Santa.
   Quero saber o que costumam fazer os malcatenhos nesta quadra e/ou as experiências que vivem ou viveram nesta Páscoa ou noutras já passadas.

14 março 2016

EM MALCATA É POSSÍVEL ESTAR NUM LAR E SER FELIZ

No Lar da ASSM, em Malcata, luta-se para que o envelhecimento se torne belo
   Todos os anos a Associação de Solidariedade Social de Malcata faz um balanço acerca do ano que acaba relativamente ao plano anual de actividades. E normalmente a ASSM envia para publicação no jornal Amigo da Verdade. Foi neste jornal, na edição de 13 de Março, que tive conhecimento das actividades desenvolvidas ao longo do ano de 2015, tendo a ASSM destacado as seguintes:
- Visita ao Santuário de Nossa Senhora de Fátima, Senhora da Póvoa,
   Senhora da Ajuda, Santa Eufêmia e outras;
- Aniversário da ASSM ( 21º ) com celebração solene da Eucaristia;
- Festa da Sardinha, no mês de Agosto;
- Ceia de Natal com familiares, sócios, população, funcionários e direcção;
- Outras saídas quando e onde foram convidados ( Dia do Idoso, dos Avós…);
   “Estamos sempre prontos a associarmo-nos a novos projectos para que os idosos se sintam felizes, acompanhados e compreendidos. Chegámos ao fim de mais um ano e a ASSM faz um balanço do ano transacto, para tentar sempre melhorar cada vez mais o Plano Anual de Actividades para o ano seguinte, em prol de um envelhecimento activo dos nossos idosos.
   Em Malcata, trabalhamos para garantir que é possível estar num Lar 
e ser Feliz. 
   Lutaremos para que o envelhecimento se torne belo”.
   Foi desta forma que o Lar de Malcata deu a conhecer o balanço de 2015.

04 março 2016

AS FESTAS DE MALCATA

Cartazes das Festas em Malcata

  AS FESTAS DE MALCATA
 As Festas de Malcata ainda estão a uns meses de se realizar. Os últimos anos trouxeram muitas mudanças e actualmente, são bem diferentes o que não quer dizer que o povo deixou de participar e de se divertir. Mas que estão diferentes isso é reconhecido por toda a gente. Estão mais sofisticadas, mais animadas e talvez menos sentidas religiosamente. Penso que estão a desaparecer alguns valores tradicionais, culturais e religiosos.
  Quanto às Festas de Malcata, no meu entender, têm a sua tradição e o seu valor cultural e até patrimonial um pouco comprometido e parte disto devia ser considerado no plano de acção da Junta de Freguesia, da actual e das que se seguirem.
   Considero que a Junta de Freguesia de Malcata devia ser a responsável pela elaboração e organização das Festas de Malcata, com o desejado cuidado de preservar e garantir a sustentabilidade das festas, das suas tradições e demais referências festivas e culturais, mediante um processo de valorização, renovando, animando, melhorando os recursos festivos e culturais, não só para os malcatenhos, mas também para todos os que nessa altura nos visitam.

24 fevereiro 2016

QUEREM DECAPITAR MALCATA?

  Bandeira da Freguesia de Malcata

    A aldeia de Malcata tem o nome da Reserva Natural da Malcata. Está enquadrada na área da reserva natural e o seu próprio nome identifica e liga com naturalidade aos valores que também habitaram e ainda habitam: o lobo, o coelho, o javali, a águia, o grifo, o tordo, o gaio, o esquilo, a raposa, a lebre, o lagarto...e o lince da Serra da Malcata. Para que serviram os 6 milhões de euros já gastos na Reserva Natural da Serra da Malcata? É incompreensível que se venha agora, da noite para o dia, afirmar que a Serra da Malcata está excluída do Pacto Nacional para a Reintrodução do Lince Ibérico? Como é que um Ministro do Ambiente afirma que a Reserva da Serra da Malcata tem o habitat favorável ao lince, mas que lhe faltam coelhos para se alimentar? Porque razões um presidente e um vice-presidente de Câmara (Município de Penamacor, sede da Reserva Natural da Serra da Malcata), se esmifraram para conseguir o aprovamento de mais uma Zona de Caça Municipal, se já existem quase uma dezena delas? Li que ambos gostam de caça e são caçadores e interessados na gestão de zonas de caça associativa!


   Em que país vivemos nós?