02 Setembro 2014

AS FESTA DOS SANTOS

Procissão dos Santos(Foto de Júlio Cruz)
 
 Malcata é uma aldeia do enorme concelho que é o Sabugal. Freguesia com Junta e Assembleia, que para já, continuam a representar o poder político e administrativo do Estado.
A aldeia é também paróquia, integrada na Diocese da Guarda e sob o seu Bispo, é ao padre que cabe a responsabilidade de orientar esta comunidade de fiéis.
Tanto a Junta de Freguesia como a Paróquia são duas instituições que ao longo dos tempos servem de pilar da vida das pessoas que aqui nasceram e  vivem.
Ambas têm prestado um serviço ímpar e têm sido o elo de ligação deste povo.
   Os fregueses de Malcata são então membros de duas grandes instituições: a Junta de Freguesia e a Paróquia. A primeira faz parte do poder político e administrativo do nosso país e é a legítima representante do Estado. Os seus membros directivos são escolhidos pelo povo, através de eleições que se realizam de quatro em quatro anos. Já o mesmo não acontece com a escolha do pároco da comunidade religiosa de Malcata. É escolhido pelo Bispo Diocesano e sem haver consulta ao povo.
   Parece que somos um rebanho sem pastor…o novo padre é senhor de uma personalidade autoritária e está a ter dificuldade em manter o seu rebanho no seu curral uma vez que as ovelhas parecem renitentes em serem domesticadas, como por exemplo, quando vão nas procissões e o pastor lhes pede para formarem duas filas bem alinhadas e não caminharem todos juntos, atrás do andor do seu santo devoto, parecendo mais um rebanho de carneiros. Essa foi uma das dificuldades sentidas pelo padre , pois está a ser difícil manter o equilíbrio na balança de forças e sobretudo em conter os sentimentos reprimidos de alguns paroquianos.
   Para além da ordem na procissão vem ainda a ordem de durante a missa festiva levar os andores para o adro da igreja e dessa forma as pessoas poderem ocupar esses espaços até então ocupados pelos andores e participarem mais activamente nas cerimónias religiosas.
   Aparecer com esta ideia no sábado, véspera do dia da festa e sem que tenha existido um diálogo prévio, só poderia ter o desfecho que teve e as cerimónias ocorreram como nos outros anos. No dia da festa a igreja é realmente pequena e muitas pessoas ficam no exterior ocupando o adro, os degraus das escadas de acesso ao coro e ao campanário e até a sacristia fica superlotada.
   Tal como noutras aldeias, os habitantes de Malcata têm um forte apego e identificação cultural e religioso com a sua terra. Nas conversas de rua ou de café, sobressai o enorme apego, amor e identificação com Malcata, um certo sentimento de necessidade e até emocional de reviver o passado, o qual se torna mais visível nas festas do mês de Agosto. 
   Um acontecimento donde se pode concluir e medir as diferenças nas vivências e significados da religiosidade é a festa de Malcata. Enquanto no passado e até aos anos oitenta a festa, organizada rotativamente pelos mordomos do Sagrado Coração de Jesus e de Nossa Senhora do Rosário, representava o momento auge da vivência religiosa da aldeia e as manifestações “profanas” eram muito poucas, pois para além da arrematação das oferendas ( Ramo ) e do baile animado pela banda filarmónica e tocador de acordeão, hoje estas são bem diversas e mais prolongadas no tempo. E hoje as colaborações que antigamente eram em bens alimentares agora são entregues em dinheiro. As festas de Malcata eram pagas com as contribuições de cada família e das quotas das Irmandades.  De  um dia de festa, que era o domingo, os gastos religiosos eram os dos padres que durante três dias vinham pregar à comunidade e no domingo da festa o pregador fazia o seu eloquente sermão, seguia-se o arranjo dos andores e da igreja, a banda da música filarmónica e os foguetes. Agora os gastos multiplicaram-se e a festa transformou-se numa competição e numa manifestação de prestígio, êxitos e poder que cada grupo de mordomos quer alcançar.      De um dia de festa, agora festejam-se  até 5 dias, com jogos populares, jantaradas, bandas musicais, discotecas móveis, festas da espuma e das pipocas, reconstituições medievais, acrobacias desportivas…levando o povo a embebedar-se de tanta festa. Ou seja, a festa religiosa continua cada vez mais engolida pela festa profana e nota-se uma certa sobre macia do laico sobre o religioso.
A aldeia de Malcata sofreu nestes últimos anos profundas mudanças e as repercussões reflectem-se na organização da freguesia e da paróquia, o que abrange a vida política, social e religiosa dos malcatanhos. A emigração, a Associação Cultural e Desportiva de Malcata, as próprias relações entre os residentes na terra e os que fora dela trabalham levou também a uma mudança e a uma maior influência da aldeia ao que se passa no mundo.
   Em Malcata, o poder está mudado e é disputado entre as várias forças existentes, estando o poder religioso a perder cada vez mais influência, surgindo sinais de discordância sobre quem deve ou não deter o poder sobre os espaços, os equipamentos, as festas e dinheiros que elas geram. E há muitos que querem o poder de poder sem pensarem que exercer  bem o poder é servir bem o povo.











  


25 Agosto 2014

MINHA QUERIDA ALDEIA

A mini é a bebida de eleição

Malcata, uma aldeia com perto de 300 habitantes recebe, durante o mês de Agosto, cinco ou seis vezes mais pessoas que vêm passar uns dias. A maioria são filhos da terra que chegam de várias partes de Portugal, mas a maioria chegam de França. Toda esta gente vem dar outra vida à aldeia que cada vez cada ano vai ficando com menos residentes e muitas casas com portas e janelas fechadas.
Os carros com matrícula francesa ocupam os currais e as bermas das ruas. As pessoas, principalmente as crianças, têm que andar com mais cuidado e atenção aos automóveis e à proliferação das moto-quatro trazidas pelos emigrantes e que passam o tempo para lá e para cá, muitas vezes esquecendo as crianças e pessoas que, por falta de passeios, têm que andar pelas calçadas.
A festa de Malcata, que todos os anos é realizada no 2ºdomingo de Agosto, ainda continua a servir de vinda quase obrigatória para muitos daqueles que trabalham  bem longe da aldeia. As saudades da família e dos amigos, dos jogos populares organizados pela associação cultural e desportiva, a que se junta a festa que todos os anos o Lar oferece aos emigrantes, são o chamariz para que muitos apareçam na terra e até fim do mês de Agosto por cá fiquem.
Enchem-se as ruas, os cafés não têm mãos a medir e a espera de vaga de mesa nas esplanadas é feita de forma serena e sem pressas, porque todos compreendem que em Agosto é assim mesmo.
Aos domingos a igreja enche-se de fiéis e o que nos outros dias do ano parece grande e espaçoso, torna-se pequeno e apertado. Muitos acabam por ficar no adro da igreja ou nas escadas do campanário, porque até a sacristia fica cheia de pessoas, melhor dizendo, de homens, pois na sacristia e no coro, continuam a ser espaços para eles. Uma questão de somenos importância, mas que mostra um pouco a mentalidade e a tradição desta gente.
Claro, com a igreja cheia as cestinhas do ofertório enchem-se e aumenta a colecta, deixando o padre e a paróquia mais rica!
Também os outros negócios vêem aumentar as suas vendas. O mini-mercado, como é único, está quase sempre com pessoas na fila para serem atendidas. Já referi que os cafés também estão sempre com gente. É aqui o ponto de encontro das pessoas. Enquanto uns tomam o seu habitual café, ao lado formam-se grupos de homens para jogar as cartas. A sueca continua a ser o jogo mais jogado, seguido do jogo do “imbido” que, apesar de ser um jogo tradicional argentino, em Malcata e nos Fóios existem uns quantos CR’7s que limpam sempre tudo e quem os desafiar. E enquanto jogam lá vão saindo umas minis, uns cai-bem ou umas águas Castelo, sim ainda se bebe dessas águas em mini garrafinhas de vidro. O tempo passa com alegria e diversão, sem pressas e até que chegue o 31 de Agosto é diversão, comer e dormir.
No fim do mês, tudo muda e a aldeia regressa à normalidade de quem anseia um dia também ter família, casa, carro e dinheiro.
Termino com uma pergunta:
O que é a felicidade?

06 Agosto 2014

COMO SERÁ MALCATA DAQUI A 1O ANOS?

Contentores e ecoponto

   Há já uns anos que as gentes da aldeia aprenderam a despejar o lixo nestes contentores espalhados pelo povo. Antes da chegada destes contentores o lixo doméstico pura e simplesmente quase que não se via nas ruas. No mês de Agosto a população de Malcata aumenta consideravelmente e como consequência do aumento do consumo, aumentam os resíduos orgânicos e outros tipos de lixos.
   A Câmara Municipal e bem no meu entender reforça o serviço de recolha e preocupa-se em manter as nossas terras com ar limpo e sem maus cheiros.
   Lembram-se os malcatenhos do modo de vida que alguns emigrantes levavam nos primeiros anos lá por terras de França? Trabalhar na "povela" era saber que podiam encontrar surpresas, aquelas coisas inúteis para os franceses e muito úteis para os emigrantes: roupa, calçado, bicicletas, televisores...portanto para muitos era um trabalho que os satisfazia. Aqui onde moro quem anda a abrir estas caixinhas de surpresas são os emigrantes oriundos de países do Leste e africanos. Eles procuram surpresas que lhes possam garantir algum ganha pão.
   Em Malcata o despovoamento continua e a debandada ainda não parou. A falta de oportunidades de trabalho e as falsas promessas de potenciais empregos, sendo o empreendimento Ofélia Club o que mais dói, não deixa outra alternativa às pessoas.
   Apesar das grandes mudanças ocorridas na nossa aldeia ainda não são suficientes para parar a saída de pessoas. A aldeia hoje tem saneamento básico, água canalizada, ruas calcetadas, com uma rede eléctrica reforçada e que aguenta sem quebras de energia, uma rede de internet que muitas outras aldeias não possuem. Que nos falta então para que as pessoas se interessem em viver em Malcata?  A aldeia antiga morreu e nasceu uma nova. Na aldeia antiga existia o "pego" onde os garotos e rapazes davam mergulhos. Hoje os nossos avós e pais lembram-se das indemnizações que receberam pela venda dos terrenos ocupados pelas águas da albufeira da barragem. Os mais novos anseiam pisar as tábuas da piscina e dar uns mergulhos ou passear de barco até aos pilares da nova ponte.
   Malcata deixou de ser uma terra de casas de aspecto rude e sem estilo. Até os belos soutos de castanheiros desapareceram, restando dois ou três testemunhos, um deles nos jardins do Lar, apesar de já se tentar classificá-lo como árvore de interesse nacional, vai acabar por desaparecer sem o merecido reconhecimento.E não é aquele velho e seco tronco que melhor serve para perpetuar na memória dos nossos filhos e netos que nesta terra já foram grandes árvores.
   Como gostariam de ver Malcata daqui a 10 anos?
   É o desafio que vos deixo. Em 2014 estamos como estamos. E em 2025 ?
   Aceito propostas e planos, mesmo que sejam apenas sonhos, porque lá dizia um amigo meu
que "a realidade é a realização progressiva de um sonho".

03 Agosto 2014

HÁ FESTA NA ALDEIA

Festas de Malcata há muitos anos
 

   As festas em Malcata já são uma tradição de há muitos anos e pouco se diferenciam das festas das outras aldeias vizinhas. O mês de Agosto é escolhido pela maioria das aldeias para celebrarem os seus Santos e Santas. Com o passar dos anos vão ficando diferentes e cada vez mais compridas.
   Como é difícil aguentar os dias da festa de Malcata! São muitos, mas as coisas mais imprevisíveis vão acontecendo e os mordomos têm que estar sempre presentes.
   Ficar até às cinco ou seis da manhã, horas a que costumam terminar os bailes. Segue-se a tarefa de encher as arcas frigoríficas com minis, sumos e outras bebidas, para que estejam frescas quando forem abertas, muitas caixas para arrumar, varrer e lavar a Praça do Rossio e só depois  ir para casa tentar descansar umas horitas.
   Votos para que as festas deste ano corram bem e todos se divirtam.


24 Julho 2014

ROUPA NOVA PARA A FESTA


 Festa de Malcata 2014



  A festa da aldeia está a aproximar-se. Este ano será dedicada ao Sagrado Coração de Jesus. Nos idos anos cinquenta, à medida que o dia festivo se abeirava havia o costume de ir comprar roupas novas e bonitas. Um dia, Sabino foi a Valverde Del Fresno comprar um par de meias para cada irmã. Ele sabia que as tinha que acautelar, o mais possível, porque os carabineiros eram intransigentes e não deixavam passar nada na fronteira, apesar de ser "cura".
   Vivia-se naquela altura em Espanha, fruto da guerra, um certo anticlericalismo exacerbado. Por isso, quis acautelar-me, não fosse o diabo tecê-las, pensou.
   No regresso a casa, parou para matar a sede, numa fonte manhosa e foi atrás de umas canaveiras, aproveitando para urinar e atar os três pares de meias de vidro à cintura.
   Mal se pôs de pé apareceram dois carabineiros que lhe colocaram a espingarda à cara, para denunciar todo o contrabando que trazia. Para além das meias atadas à cintura trazia um trigo espanhol e uma caixa de galhetas, tendo o Sabino de jurar ali mesmo que não trazia mais nada. O padre perante as várias ameaças e insultos dos carabineiros lá confessou:
   "Bem, bem de facto, da cintura para cima não trago nada...da cintura para baixo, tenho um presente que as mulheres gostam muito"...(tratava-se das meias, claro)!

in "Três Vidas Ao Espelho", de Manuel da Silva Ramos
 
Tem alguma história interessante para contar e partilhar? Venha lá essa história!

10 Julho 2014

MALCATA: PASSADO E PRESENTE COM FUTURO


Crianças na Fonte da Torrinha



Malcata é uma terra cada vez mais conhecida e o seu nome vem quase sempre ligada à serra com o mesmo nome e ao Lince da Serra da Malcata.
As recentes mudanças e melhorias ocorridas na pacata aldeia do interior têm contribuído enormemente para manter viva uma aldeia bem portuguesa e as pessoas que nela vivem, ainda acreditam num futuro melhor.
Muitos de nós recordamos aqueles tempos, não muito longínquos, em que se ia à Fonte da Torrinha ou à Fonte Velha com os cântaros de barro buscar a água para cozinhar, para lavar o corpo, para beber e claro, também para o gado.
Agora a aldeia tem saneamento básico e água nas torneiras, as curvas perigosas da velha estrada para o Sabugal desapareceram e a viagem faz-se com mais segurança e conforto, graças às obras de requalificação da via. Com a construção da barragem, surgiu uma enorme albufeira que até agora só tem servido os agricultores da Cova da Beira e leva a água às casas de muita gente. Os Caminhos Rurais de Malcata para o Meimão e de Malcata para Quadrazais foram arranjados e permitem uma ligação bem melhor. Também as comunicações telefónicas e a internet são agora uma melhoria sentida por aqueles que quiseram ligar-se ao mundo. Mas apesar de ser uma ajuda para vencer distâncias, por si só, não estão a ser capazes os custos da interioridade manifestada num êxodo das suas gentes e que levou ao encerramento da creche-infantário, da escola primária, de comércios, da queijaria e agora o desemprego está a atingir quem trabalhava na construção civil. 




 Cemitério de Malcata(ampliação)


Lar da Assm-pólo a ser inaugurado brevemente


A triste sina de Malcata é assistirmos às obras de ampliação do cemitério e do Lar de idosos. As consequências desta realidade estão à vista: as crianças e os jovens são obrigados a sair da aldeia e acabam por ficar pelas cidades que lhes proporcionam um melhor futuro. Com a escola está desactivada e servindo agora para outros fins,  os pais das crianças têm que deixar levar os seus filhos para outras escolas abertas noutra terra e acabam por lá ficarem todo o tempo da escolaridade obrigatória, que são muitos anos, levando-as inconscientemente a optar por “esquecer” a sua aldeia e viver a sua vida em qualquer outro lugar que lhes ofereça melhores empregos e um futuro  mais risonho.
Perante tantas dúvidas e tantas incertezas pergunto:
 Malcata tem futuro?
O passado de Malcata é ou não importante para compreender o presente e projectar o futuro?

04 Julho 2014

O PÃO DAS BOCHAS




Bocha de pão ainda em crescimento

      Todos conhecemos a importância do pão na alimentação. Conheço até quem não coma a refeição se faltar pão na mesa. Hoje para comer uma fatia de pão não dá lá assim muito trabalho, há muitas padarias próximas de Malcata que diariamente nos levam o pão a casa. Antigamente era necessário pôr mãos à obra e começar a trabalhar em  Novembro para em Junho ou Julho se poder ceifar o pão, malhá-lo, entregar as sacas ao moleiro e depois marcar um dia para o cozer no forno do povo.
   Sendo eu filho de Malcata e não sendo a minha família muito abastada em terras agrícolas nem por isso deixou de semear pão e trigo, nomeadamente ao Poceirão e na Relva das Casas, terrenos cuja área e clima eram propícios para cereais.
   José Rei, no seu livro "Malcata e a Serra" no capítulo "As actividades de subsistência" na página 44 dedica a sua atenção à Ceifa. Durante os meses de Junho e Julho poucas horas de descanso havia para as gentes da nossa aldeia. Quase todas as famílias semeavam a sua bocha com pão ( centeio ) ou trigo.
   A ceifa era uma actividade que dava trabalho a muita gente. Em Malcata apareciam pessoas vindas de outras terras, vindas do lado de Castelo e que trabalhavam em grupo até acabar a ceifa. Mas em Malcata acontecia algo que merece ser lembrado e que mostra uma característica singular da vida comunitária da aldeia: como alguns agricultores não tinham dinheiro para pagar a esses ranchos de ceifeiros, "o mais comum era o rancho ser feito em modo de torna-dia, sendo o dia pago com outro dia de trabalho".("Malcata e a Serra, pág.44,José Rei).
   E então pelo raiar da manhã, todos se reuniam à porta do lavrador e após o matabicho partiam para o trabalho. 

        Os ceifadores iam para o campo bem aviados levando ferramentas, roupas e outros acessórios que lhes garantiam segurança e bons resultados no seu trabalho e em que destaco estes:



Dedeira e foice

Chapéu de palha

   "Chegados à bocha depois de verificada a direcção do vento e o trajecto do sol, os ceifeiros colocavam-se lado a lado, de acordo com as suas preferências  e começavam a ceifa. Alguns, metiam dedeiras na mão esquerda, a fim de se protegerem de eventuais cortes. que poderiam ocorrer a qualquer momento, dada a rapidez com que cortavam o cereal que agarravam com aquela mão". pág.46 do livro "Malcata e a Serra,de José Rei.