18 dezembro 2014

MALCATA CONTESTA EÓLICAS




Habitantes de Malcata
Contestam Expansão de Parque Eólico!


 Parque Eólico de Penamacor 3B
( Até os animais da Quinta do Ramalhas deixaram de ter sossego)






Ler mais em: 
http://www.cmjornal.xl.pt/cm_ao_minuto/detalhe/habitantes_de_aldeia_do_sabugal_contestam_ampliacao_de_parque_eolico.html

E também podem ler aqui:
Ler mais: http://visao.sapo.pt/habitantes-de-aldeia-do-sabugal-contestam-ampliacao-de-parque-eolico=f804761#ixzz3MI8MfrZG
Também é importante saber que:
Em 2011 o Parque Eólico de Penamacor produziu 269.263 MWh o que corresponde a uma facturação de 27.255M€. Quanto deste dinheiro beneficiou a aldeia de Malcata?
A Lestenergia iniciou em 2010 os procedimentos necessários ao sobreequipamento ( expansão ) do Parque Eólico de Penamacor. O Parque de Penamacor é composto por vários Subparques e o de Malcata é designado por Sub-Parque de Penamacor 3B. Neste momento já estão instalados e em laboração 19 aerogeradores. E apesar de a Lestenergia escrever no seu relatório de actividades de 2011 a expansão do Parque de Penamacor, os habitantes da aldeia de Malcata foram mantidos no esquecimento e só em 2014 é que conheceram as verdadeiras intenções dos promotores do parque eólico. Embora no que diz respeito ao licenciamento do sobreequipamento, a Câmara Municipal do Sabugal tivesse solicitado a elaboração de um Estudo de Impacto Ambiental, o povo não foi devidamente informado. Para além do atraso do início desta obra por causa da exigência da Câmara do Sabugal, que atrasou o processo de licenciamento, no Relatório de Actividade de 2011 da Lestenergia também podemos ler que a empresa teve dificuldade na obtenção de financiamento.


14 dezembro 2014

PERGUNTAS DIFÍCEIS


PORQUÊ?

Na aldeia e por muitos outros lugares há pessoas que levaram as mãos à cara e fizeram a temida pergunta: porquê? Porquê ela e assim como foi? Porquê?
Porquê três funerais numa semana? 
Grande mistério que mesmo vivendo longe e afastado me faz pensar na morte de tanta gente querida e que partiu. 
É difícil esquecer e não pensar na morte. A verdade é que a filha da mãe leva as pessoas amigas e aquelas que nasceram no mesmo lugar que eu e muitas vezes nem nos avisa, nem uma simples sms, apesar de ser gratuito e rápido. Valha-nos os amigos que nos avisam pelo facebook!
Há coisas na vida que a minha inteligência não me consegue explicar.
Disseram-me tantas vezes que Deus é Amor!
Tão difícil acreditar quando é Ele que decide tudo.
Apetece gritar e perguntar: Porquê? Ainda tinha tanto para viver, ainda tanto tempo para servir a comunidade paroquial...mas não adianta. É mesmo verdade o que aconteceu na minha terra que parece ter sido escolhida para não fazer mais nada que passar o tempo a andar o caminho que ninguém deseja já, logo, amanhã ou depois do Natal. Que distraídos andamos a maioria de nós! Um dia...será mesmo e não adianta escapar.
Por favor, vós que chegastes primeiro, dai um beijinho à minha mãe!

02 dezembro 2014

FAZER O BEM


  Malcata é uma aldeia como tantas outras do nosso país. Cada terra tem o seu personagem que todos conhecem e sempre que passa é apontado e rotulado de tontinho, de pessoa sem acareios, de mausinho e toda a gente se ri à custa dos seus disparates, mas ninguém gosta que seja da sua família, sempre faz parte de outras famílias e não da minha, da vossa. 
   Estamos a lidar com pessoas que são vítimas de doenças mentais, de imperfeições físicas, mas que os outros apenas lhes apontam os defeitos e nunca as qualidades.   Em Malcata também viveram, vivem e viverão tontinhos e tontinhas. Cuidado, porque desequilíbrios mentais involuntários nenhum de nós está livre de um dia também vir a sofrer, por exemplo, de uma depressão mais ou menos profunda. Por isso, cada um de nós, independentemente do que faz hoje, do que sente hoje e da vida que vive hoje, está sujeito a passar por situações limite e de um momento para o outro a vida dá uma volta completa.
   Para levar uma vida feliz gozar de uma boa saúde mental é essencial para viver com alegria e em harmonia com o mundo que nos rodeia.

    A Associação Solidariedade Social de Malcata ( Lar ) felizmente tem contribuído e ajudado algumas pessoas da nossa aldeia, ajudando-as a tomar a sua medicação diária ( necessária ), ajudando-as na alimentação e até no apoio emocional. Sabemos que o nosso Serviço Nacional de Saúde não consegue ajudar todos os que sofrem e muito menos aqueles que vivem em aldeias como a nossa. Daí a importância do apoio do Lar no empenhamento em prestar a ajuda que tanta falta faz.

29 novembro 2014

ASSM: UM LAR COM ALMA

   Num concelho fortemente envelhecido, foi com naturalidade que nasceu em 1995 a Associação de Solidariedade Social de Malcata, presidida pelo senhor Carlos Clemente. Esta instituição prima pela sua dinâmica e a sua interacção com as pessoas mais idosas, na sua maioria nascidas em Malcata.
   A ASSM tornou-se uma instituição importante na vida das pessoas que acolhe e também na vida dos colaboradores que nela trabalham. Continuar o trabalho e o serviço prestado à comunidade é o lema desta associação sem fins lucrativos.
   Carlos Clemente tem sido o rosto mais visível da ASSM e sinal disso é a sua disponibilidade desde o início até hoje, para presidir aos destinos desta instituição.
   Eu, sempre que a oportunidade surge, visito o Lar da Rua da Moita. É uma casa exemplar, limpa e asseada, com um bonito espaço exterior ajardinado onde sobressai o centenário castanheiro, um autêntico testemunho da vida longa de muitos utentes que ali são acolhidos.
   Desde 1996 que o Lar oferece aos que acolhe, um clima de bem-estar, conforto e segurança que não teriam nas suas próprias casas. Quando ali entro é fácil perceber a dedicação dos colaboradores para com os idosos que ali estão. Hoje são cerca de cinquenta idosos que recebem o carinho e a atenção dos colaboradores da ASSM, uns no Lar, outros no Centro de Dia e ainda um grupo de idosos que recebem diariamente o apoio domiciliário. Este apoio ao domicílio conta com a entrega das refeições para o almoço e jantar, lavagem da roupa e limpeza da casa. Podem também contar com o apoio da instituição sempre que necessitem de ir ao médico, ir à farmácia e outras necessidades que surjam.
   Está construído e abrirá brevemente o novo pólo para acolher mais 25 idosos. Este novo edifício foi construído ao lado do Pavilhão Multiusos da ASSM, na Rua Carvalheira do Jorge, a cerca de 500m da casa mãe. Com estas novas instalações a associação deseja colmatar as necessidades de procura que tem tido e proporcionar uma maior qualidade aos que já lá estão.
   Para quem já trabalhou na ASSM, para todos os que lá trabalham vai o meu merecido aplauso e agradecimento por tudo o que fizeram e fazem para proporcionar aos idosos condições de bem-estar, um fim de vida mais confortável, mais seguro e com muito amor e carinho ajudando os idosos a sentirem-se mais felizes. Eles, os mais velhinhos, são merecedores do carinho e da gratidão por tudo o que fizeram por nós, pelos sacrifícios que passaram nas suas vidas para que beneficiássemos duma vida melhor do que a deles. A eles lhes devemos o que temos de melhor e por isso, merecem todo o nosso apoio, todo o nosso cuidado, todo o nosso amor e carinho enquanto ainda vivem entre nós, usufruindo duma boa qualidade de vida num Lar que os faz sentir felizes e a nós orgulhosos.
   A todos os que ajudaram e ajudam a ASSM um Bem Hajam.

25 novembro 2014

NÃO A MAIS EÓLICAS EM MALCATA

   Não sou contra as energias renováveis e amigas do ambiente, logo não sou contra os parques eólicos. O que não entendo é a localização de alguns desses parques eólicos e de algumas decisões tomadas quanto à expansão desses mesmos parques.
   As 19 torres eólicas que avistamos nos montes de Malcata parece que vão ganhar mais 6 novas espécies e desta vez ainda mais altas e mais perto das habitações da aldeia.
   Malcata, terra conhecida pela Reserva Natural da Serra da Malcata, cujo 31ºaniversário da sua criação foi recentemente lembrado a 16 de Outubro, está a passar por momentos difíceis no que respeita ao seu ambiente natural. Hoje todos sabemos que o Lince Ibérico escapou para as florestas espanholas e por Malcata restam algumas memórias que os mais velhos guardam desses outros tempos. Os habitantes de Malcata ainda não esqueceram a acusação que sobre eles foi feita quanto à destruição e descaracterização da serra provocada pelo fabrico do carvão, pelo corte de madeira, pelas caçadas ao javali, aos coelhos e outras espécies. Desde a criação da Reserva Natural muita coisa mudou e os habitantes de Malcata foram os que mais souberam  respeitar a floresta, a fauna e a flora que rodeia a aldeia. O mesmo já não podem dizer os promotores e os defensores da energia eólica. Basta olhar para o cume dos montes, olhar para a serra da Malcata, ali nos Alísios e muito perto da Machoca e rapidamente percebemos que não foram respeitadas as leis.


   Esta obra ( a expansão do Parque Eólico ) foi motivo de uma queixa apresentada à Comissão Europeia pela Sociedade Portuguesa Para o Estudo das Aves. A verdade é que as novas 6 torres eólicas que querem implantar obrigou a empresa a proceder a uma Avaliação de Impacto Ambiental.
É mais que sabido que a pressão é enorme para a aprovação deste sobreequipamento. O povo já mostrou o seu desacordo e deu a conhecer às autoridades as razões dessa posição contrária à expansão do parque eólico.
   Para além dos benefícios das rendas que estão a receber os proprietários dos terrenos onde as torres eólicas estão ( ou vão estar ) e do benefício de 2,5% que recebe a Câmara Municipal do Sabugal, que outras contrapartidas ganhou a freguesia? Que se saiba, a freguesia de Malcata não recebe nada. Mas se o que escrevo não é verdade, é importante que seja dado a conhecer os benefícios recebidos devido à instalação destas torres eólicas.
   Os efeitos negativos que esta obra provocou na paisagem de Malcata, o facto das pessoas terem que viver a ouvir aqueles ruídos que, embora digam ser uns zumbidos ou assobios, dada a sua existência durante longos períodos do dia e da noite, podem causar más interferências na saúde das pessoas que residem mais perto das torres ou que porque possuem campos de cultivo para aqueles lados e têm de por ali passar horas seguidas, dizia eu que, são questões a ser faladas e a serem estudadas. Um ambiente natural, verde, sossegado, está a ser transformado num pólo industrial barulhento que serve para aumentar os lucros da Tecneira e não traz mais valias para Malcata e para os seus habitantes.
   É por isto que eu sou contra a expansão do Parque Eólico em Malcata.

22 novembro 2014

MALCATA: SÃO MARTINHO 2014

 
   Não resisto à transcrição deste texto publicado no Jornal Cinco Quinas ( versão on-line ):
"Cumprindo a tradição, o São Martinho passou por cá e o evento decorreu como era esperado: sem chuva (contrato antecipado com o santo), com muita castanha assada, lanche ajantarado, e com muita animação.
   São Martinho em Malcata: convívio, partilha, alegria.
   Foi no dia 15 passado. Cumprindo a tradição, o São Martinho passou por cá no intuito de reunir as gentes deste povo e de alguns amigos fojeiros para em conjunto celebrarem a sua festa de 11 de Novembro. O evento decorreu como era esperado: sem chuva (contrato antecipado com o santo), com muita castanha assada e lanche ajantarado, e com muita animação. A grande admiração à chegada foi o assador gigante repleto de castanhas que os amigos dos Fóios quiseram partilhar. Depois foi o convívio salutar da refeição recheada de castanha assada, jeropiga, vinho, sumos, carnes assadas e pão. Por fim vem o baile e a animação, a cargo do Grupo de Concertinas “ Estrelas da Serra” que muito entusiasmaram os presentes “obrigando-os” a bater as mãos e os pés, sentados ou em passos de dança durante três horas seguidas.
   É esta a grande força da festa: partilhar e celebrar a vida com alegria, unir as pessoas que tantas vezes andam de costas viradas, criar laços de amizade entre os povos. A Associação Cultural e Desportiva e a Junta de Freguesia tudo fizeram para que nada faltasse. A colaboração das instituições foi mais uma vez fortificada. É para isso que existimos: servir o povo de que fazemos parte.
   Um grande obrigado a todos os que participaram na festa, e um agradecimento especial aos amigos dos Fóios que, com a sua disponibilidade (castanhas e assador) e presença, mais uma vez fazem prova da amizade e intercâmbio entre os nossos dois povos.

   Vivam os Fóios! Viva Malcata! VIVA O SÃO MARTINHO!…."


16 novembro 2014

OS RUÍDOS QUE INCOMODAM E NÃO SE OUVEM

OS RUÍDOS QUE INCOMODAM E NÃO SE OUVEM

   O sobreequipamento, ou ampliação, do Parque Eólico de Penamacor 3B, fica localizado na freguesia de Malcata, concelho do Sabugal e da freguesia de Meimão, no concelho de Penamacor. Estas duas freguesias vizinhas e amigas estão actualmente rodeadas pelos moinhos eólicos. Dada a localização das duas aldeias, Malcata está muito mais próxima das torres eólicas que a população do Meimão. Tendo em conta que as 19 torres eólicas que actualmente constituem o parque eólico estão mais próximas  das habitações de Malcata, os moradores desta pataca aldeia beirã estão em polvorosa e a perder a paciência porque a empresa promotora do parque eólico quer instalar mais 6 torres eólicas, agora ainda mais perto da povoação.
E pelas notícias que me chegaram, as movimentações já começaram a sentir-se e os malcatanhos preparam-se para se oporem, cada vez mais, ao projecto do aumento do parque eólico.
   Os moradores de Malcata que se interessam e preocupam com a vida em comunidade, com a paisagem e o ambiente natural que rodeia a aldeia, que desejam continuar a viver uma vida calma e tranquila, estão a ficar indignados com o que se está a passar nos gabinetes da Agência Portuguesa do Ambiente, nos gabinetes da Câmara Municipal do Sabugal e também nos escritórios da Tecneira, através da sua Lestenergia que tanto quer expandir o negócio das energias renováveis.
   O Sobreequipamento em causa, dada a localização e a dimensão total do parque, obriga a que se faça uma Avaliação de Impacto Ambiental para obrigar a empresa a respeitar o ambiente, o ordenamento do território e que o projecto contribua para promover um desenvolvimento sustentável e equilibrado dos recursos naturais e contribua também para a qualidade de vida da população de Malcata.
   Palavras bonitas de escrever, mas que pelo que está a acontecer Malcata tem uma batalha para enfrentar. Ao contrário do que dizem e escrevem, as entidades públicas e os gabinetes de consultadoria parece que estão mais interessados em levar para a frente a continuação da destruição da paisagem e a degradação da qualidade de vida desta população humilde e muito resignada ao que os poderosos lhes mostram como a solução de um final de vida mais sereno e mais rentável. E é natural que assim pensem algumas pessoas que vivem em Malcata, pois a sua idade e a sua saúde já não lhes dá para recusar rendas que nunca sonharam receber. Mas não podemos esquecer a existência de outros cidadãos que nasceram nesta terra e escolheram livremente aqui viver. Contudo, são pessoas conscientes dos valores naturais e ambientais que rodeiam Malcata e também sabem os deveres e os direitos que têm, como os têm os outros portugueses.
   Ora, perante tamanha invasão dos territórios e da qualidade de vida os cidadãos de Malcata mostraram o seu desacordo quanto à obra da construção de mais seis torres eólicas.
   Começaram por ir ouvir os senhores espertos. Ouviram mas deram a sua opinião e assinaram para que se soubesse a real intenção das pessoas. Mas o inesperado aconteceu, pois a sua posição de considerarem negativo os efeitos na saúde das pessoas sobre  Ruído e a Paisagem, pura e simplesmente não foram considerados, porque não consideraram razões suficientes para parar o projecto.
   Ainda bem que há pessoas em Malcata que não se deixaram intimidar. Ainda bem que há pessoas em Malcata que duvidam dos estudos e dos resultados desses estudos que lhes falam como sendo bem feitos e sérios. Só quem não conhece os locais onde já instalaram as 19 torres eólicas e agora querem instalar mais seis, pode concluir que não há impactos negativos na saúde das pessoas, animais e aves e graves prejuízos no meio ambiente e na qualidade de vida das pessoas. Não acreditem, pois quem conhece Malcata sabe perfeitamente que nos estão a enganar e a deitar areia para os olhos. Mas porque tanto insistem em colocar mais eólicas onde já existe uma grande concentração? Porque não apresentam locais alternativos? Lá para Penamacor, mais próximo dos gabinetes da Lestenergia, não arranjam  terrenos para as lá colocarem? É que o Parque de Penamacor 3B está mesmo, mas mesmo instalado no limite do concelho de Penamacor, ficando a maioria das torres eólicas em terrenos do concelho do Sabugal. Ora esperto foi o autarca de Penamacor ao empurrar o parque para os limites do seu território, ali ao lado da Reserva Natural da Serra da Malcata. Mas porque existe um caminho em terra que separa este refúgio natural das torres invasoras, não desrespeita  a Rede Natura 2000, não viola as directivas comunitárias dos habitates do Lince Ibérico, do milhafre e do grifo. E se fossem pentear macacos?
   Quanto à necessidade de aumentar o actual parque eólico, pergunto se a instalação de 6 novas torres de 100m, é a única solução? Estudaram outras alternativas? Não sou perito na matéria, nem pouco mais ou menos, mas uma breve pesquisa pela internet deu para perceber que hoje em dia existem técnicas alternativas para o maior aproveitamento dos aerogeradores existentes num parque, por exemplo, recorrendo a baterias acumuladoras, modificação nas pás dos aerogeradores, etc. que permitem o sobreequipamento do parque eólico de penamacor sem a necessidade de construção de mais torres eólicas.
   A questão do ruído e da influência na saúde das pessoas também não podemos de nos interrogar sobre os estudos que fizeram ou que ainda vão fazer e que poderão continuar a fazer durante a exploração do parque. A verdade é que depois do mal feito, é mais difícil de o corrigir, pois já não há volta a dar e apenas se pode remediar.
   Os efeitos na saúde humana do ruído emitido pelos aerogeradores eólicos está devidamente estudado em Portugal? Já alguém se interessou em estudar a fundo os efeitos que estes ruídos podem provocar nas pessoas de Malcata, nos animais domésticos e nos animais selvagens que diariamente, dia e noite, têm que viver próximo do parque eólico? Dizer da boca para fora que a questão do ruído não se coloca, porque se fizeram medições em seis pontos estratégicos da povoação, só isso mesmo com apresentação de números, só isso não chega. Para começar, as medições foram efectuadas sem a presença das 6 novas torres eólicas. Ora é evidente que dessa forma os resultados só servem para registar os ruídos que se ouvem agora. Os valores reais do ruído só vão ser analisados após a instalação das 6 novas eólicas, apesar de tecnicamente poderem fazer projecções futuras. Mas que raio, depois de enterradas as eólicas, mesmo que sejam ruidosas e nefastas, mais complicado vai ser arranca-las e mandar o material para a sucata.
   Lá pela Dinamarca os autarcas decidiram não erguer mais torres eólicas até que o Governo apresente  estudos independentes sobre os efeitos na saúde das pessoas por causa do ruído das eólicas. Tudo começou porque os cidadãos dinamarqueses mostraram o seu descontentamento sobre os efeitos na saúde das pessoas.
   Em Portugal, porque é que o Governo, através dos Ministérios da Saúde e do Ambiente ,não patrocina um estudo transversal sobre os efeitos na saúde das torres eólicas?