14 maio 2015

PRECISAMOS DE ESPAÇOS VERDES EM MALCATA

 
A nossa aldeia é conhecida por muitos por causa da Serra da Malcata, uma floresta natural que um dia foi decretada "reserva natural". Na serra abundam árvores de várias espécies, mas o pinheiro é rei e senhor.
   A serra é um lugar apetecível para a realização de muitas actividades lúdicas e para descontrair. Mas para as pessoas mais idosas e as crianças, fica longe e não é lá muito atractivo ir para tão longe.
   A existência de pequenos espaços verdes no espaço urbano da nossa aldeia permitiriam que os habitantes usufruíssem de espaços mais aprazíveis para confraternizar, para conversar, jogar umas cartas, ver os netos a brincar...
   A ausência de espaços verdes é notório. Para além do pequeno espaço verde junto à sede da Junta de Freguesia, no miolo da aldeia, não conheço outro.
   Uma aldeia saudável e fresca também passa por proporcionar aos seus moradores momentos de descontracção, espaços para o lazer e promoção de boa vizinhança. Os espaços verdes, sejam eles ajardinados ou não, ajudam no desenvolvimento sustentável da nossa terra. E o desenvolvimento sustentável pode começar também por isto, ou seja, pela criação de pequenos espaços verdes. Ganha a comunidade de Malcata e cada um dos seus habitantes e torna a nossa aldeia mais tranquila e acolhedora para quem nos visita. A responsabilidade de criar mais espaços verdes em Malcata passa pela Junta de Freguesia e também pelos empresários da terra que deveriam ser os melhores e os primeiros promotores na criação de uma aldeia mais sustentável e mais desenvolvida.
   

12 maio 2015

MALCATA VIVA

   

Malcata, a nossa querida aldeia, é continuamente tema de notícia nos jornais e nas televisões. Já não é só falada por causa do lince ibérico, mas pela albufeira da barragem do Sabugal, pela existência do Parque Eólico e das pessoas que mostraram que Malcata não é um deserto, é uma aldeia onde também vivem pessoas. Que em Malcata há espírito de entre-ajuda e de comunhão, é uma realidade que só não a sente quem não vive ou não viu como o povo se une para que os eventos realizados na aldeia tenham êxito. Organizam-se caminhadas, corridas de atletismo, maratonas de bicicletas, festas da carqueja, magustos e ciclos do pão. Quando o povo é chamado a colaborar aí estão eles e elas prontas a dar a sua ajuda. Que força é esta meus amigos e amigas? Onde aprenderam esta nobre forma de viver em comunidade? Haja quem me responda!

07 maio 2015

AS OPORTUNIDADES SÃO PARA SE APROVEITAR

  Estamos na Primavera e pelos montes e vales nascem flores de todas as cores a que se junta a frescura dos lameiros e a água fresca das fontes.  Os dias agora nascem mais cedo e adormecem mais tarde. Faz de conta que temos mais horas para aproveitar o dia. Sair de casa, caminhar pelos caminhos e veredas que nos levam para lugares tranquilos e floridos. O tempo anda devagar e somos empurrados pelos cheiros e aromas campestres. Lá para a serra a natureza anda nos preparativos para a festa que está para chegar. A natureza sabe que os malcatenhos sobem à serra para celebrar e louvar o Criador pela carqueja e sua bonita flor. Talvez, sem o saberem, os malcatenhos já estão a aprender que é importante salvaguardar os recursos naturais e o ambiente.
   Malcata vai receber esta sexta-feira gente que diz ser a favor do desenvolvimento sustentável e do turismo sustentável. No programa dessa reunião lê-se que interessa a três municípios e que estarão representados no 1ºFórum de Turismo Sustentável da Malcata, a saber: Almeida, Penamacor e Sabugal.
   Turismo Sustentável na Malcata não é só para a nossa aldeia, mas para toda a região abrangida pela Serra da Malcata. Foi feliz a escolha de Malcata para a realização deste primeiro encontro. É um tema e uma oportunidade única que a nossa aldeia tem para mostrar o valor e a riqueza que a região da Malcata pode significar para o presente e o futuro do turismo alternativo, do turismo de natureza. Não somos o Algarve e nem devemos pretender sê-lo. O turismo sustentável é uma actividade que gera desenvolvimento e contribui activamente na melhoria económica das famílias, respeitando sempre a natureza, o meio ambiente, reconhece e respeita as culturas e as tradições locais ( no nosso caso, as pessoas, as culturas e tradições de Malcata ), é também reconhecido o valor que tem a água e a energia.
   Ora, à volta de Malcata, temos muita água, muita floresta e energia eólica. Temos casas florestais espalhadas pela serra, actividades de caça e pesca e muitas outras poderão ser realizadas. Há fornos, moinhos, percursos pedestres, parques de merendas, fontes e muitos caminhos. Os malcatenhos só têm a ganhar com o desenvolvimento sustentável e do turismo ecológico. Este é um dos investimentos que aliado à melhoria da nossa hospitalidade, trará para Malcata uma mudança qualitativa que beneficiará a todos e ajudará a melhorar a vida de todos nós.
   Este é o momento. Saibamos aproveitar esta oportunidade.

06 maio 2015

1ºFÓRUM DE TURISMO SUSTENTÁVEL DA MALCATA



Carta de Turismo Sustentável da Malcata?
Isso é o quê? Que interesse tem para Malcata e para os seus habitantes?
A resposta a estas perguntas vai ser ouvida na próxima sexta-feira, 8 de Maio de 2015 pelos que participarem no 1ºFórum de Turismo Sustentável da Malcata. A Serra da Malcata estende-se pelos concelhos do Sabugal e Penamacor. A serra modificou-se com a criação da Reserva Natural da Serra da Malcata, com a construção das barragens da Meimoa e do Sabugal. Mais recentemente, a instalação do parque eólico com 19 aerogeradores,  actualmente em funcionamento, mas a empresa promotora tem planos para a instalação de mais seis aerogeradores. O processo encalhou porque o Movimento Malcata Pró-Futuro  levou às autoridades competentes as preocupações do povo e desde então é o tema das conversas de café, dos jornais e das televisões.
O Movimento Malcata Pró-Futuro defende um desenvolvimento sustentável e tem a noção da responsabilidade que têm estas entidades no futuro desta região. O desenvolvimento sustentável aliado a um turismo também sustentável, são ferramentas que podem ajudar a população de Malcata a viver melhor e a aprender a conservar o seu mundo rural. O desenvolvimento sustentável e o turismo sustentável, segundo a Organização Mundial de Turismo, proporcionam novas oportunidades de desenvolvimento e vão de encontro às necessidades dessas regiões. Quer isto dizer, Malcata tem ou vai ter oportunidade para se desenvolver e oferecer ao mundo aquilo que tem de natural e humano. Vamos lá ver se é desta vez que Malcata agarra esta oportunidade. A realização do Fórum do Turismo Sustentável da Malcata no salão da Associação de Solidariedade Social ( Lar ) é um primeiro passo. Um longo caminho, começa com um primeiro passo.


29 abril 2015

FONTES E NASCENTES



FONTES E NASCENTES 
Antes de 1937 onde iam as pessoas de Malcata buscar a água para beber, para a sua higiene pessoal, para cozinhar e para alimentar o gado?
Bem, antes da construção da Fonte da Torrinha em 1937, a algum lado as pessoas deviam ir. Talvez fossem encher os cântaros de barro à Fonte Velha, na Rua da Fonte e que é uma fonte de mergulho que já existia. Ou então, na Fonte das Fontainhas, muito perto das casas da Moita.
A Fonte da Torrinha é de construção em granito, sem grandes floreados, muito simples e funcional. Possui duas saídas de água e que cai num pequeno tanque, passando depois para outros três tanques maiores. A Fonte da Torrinha é um dos monumentos emblemáticos da aldeia. A água sempre foi fresca e de boa qualidade. Os que vivem em Malcata e aqueles que já lá viveram, sabemos que antes da existência do sistema de água ao domicílio, a água que se bebia em casa ou que se dava aos animais, vinha desta fonte. Ia-se buscar a água nos cântaros que eram colocados na cantareira. A água que se bebia vinha directamente desses cântaros, retirada com a ajuda de um copo, um copo usado por toda a gente, que depois era pousado sempre no mesmo sítio para usar quando necessário.
Hoje em dia, com a chegada da água canalizada e das torneiras, desapareceram as cantareiras das casas e vão ficando esquecidas as memórias desses objectos e dessa forma de consumir a água. Quando era necessária água para o gado, iam encher  os caldeiros de lata ao tanque pequeno, pois toda a gente sabia que era aí que o gado bebia quando ali passava nas idas ou vindas do campo.
Porque não recordar estes tempos?
Porque não recordar as fontes e as nascentes esquecidas?
Outrora, eram locais onde muitos namoros se iniciaram. Eram locais de encontros e grandes conversas. Mas hoje em dia, as fontes e nascentes ou fontaínhas, pouco dizem à maioria das pessoas porque já nasceram no tempo em que basta abrir uma torneira para beber água ou tomar um banho de água quente.

15 abril 2015

ALTERAÇÃO AO PLANO DA BARRAGEM DO SABUGAL


Foi publicado há uns dias no "Capeia Arraiana" um texto a propósito da Barragem do Sabugal. O seu autor, Dr.Ramiro Matos, ex-Presidente da Assembleia Geral da C.M.Sabugal, pessoa conhecedora do assunto, revela-nos a sua preocupação acerca do futuro dos terrenos que foram vendidos, a baixo preço, para a construção do "hospital" a construir lá para a Rasa. Vale a pena ler e reflectir sobre o assunto.
Escreve assim o Dr.Ramiro Matos:
A alteração ao Regulamento do Plano de Ordenamento da Albufeira do Sabugal pode transformar-se num grande imbróglio!…
O Plano de Ordenamento da Albufeira do Sabugal foi aprovado em 2008 e alterado em Abril de 2015, sendo a alteração mais relevante o facto de que as novas construções a licenciar nos «espaços de recreio e lazer» podem localizar-se a 150 metros do Nível de Pleno Armazenamento (NPA), que, na versão original, era de 250 metros.
Esta alteração seria, e é, uma coisa boa, mas pode conduzir a uma situação com a qual não poderei estar de acordo.
Em 2008, apareceu no Sabugal um arrivista que se propunha transformar o Sabugal no oásis do interior, através de um investimento mirabolante, de nome Ofélia Clube.
Propunha-se, então, construir um empreendimento em Malcata na área da saúde, polivalente, integrando: Residência medicalizada multiservisos; Colónia para jovens deficientes mentais; Creche; Equipamentos desportivos e de lazer; Mini Centro Comercial; e Habitações, destinadas a activos independentes da terceira idade, podendo beneficiar de todos os serviços destacados nas residências medicalizadas, criando 201 postos de trabalho diretos e 43 como consultores.
Era, a ser verdade, e no meu entender, uma aposta muito importante para o Concelho e, por isso, embora tenha levantado desde o início reservas à viabilidade do empreendimento, nunca assumi uma posição de rejeição do mesmo.
Mas o projeto necessitava de solos disponíveis e, por isso, o Executivo Municipal aprovou em Janeiro de 2009, adquirir os terrenos necessários a 0,60€/m², ficando ainda esclarecido que, se o investimento se não concretizasse, da indemnização que a Câmara recebesse (valor em dobro), 50% desse valor será distribuído por todos os proprietários dos terrenos vendidos, sendo que os terrenos ficariam sempre propriedade da Câmara.
Face ao interesse aparente do investimento para Malcata, muitos dos proprietários de terrenos rurais abrangidos aceitaram vender os mesmos ao município por um preço baixo, se se atendesse ao fim em vista.
Saliente-se que, embora o Plano de Ordenamento permitisse as construções previstas (na altura com a condicionante dos 250 metros), tal só seria verdadeiramente permitido se, conforme o artigo 39º, os planos municipais de ordenamento do território existentes à data da entrada em vigor do Plano (nomeadamente o PDM), fossem objeto de alteração. Isto é, o Município deveria ter procedido à alteração do uso do solo, para permitir as construções previstas no Plano de Ordenamento e no tal Ofélia Club.
Abortado o Ofélia, fica a questão dos terrenos entretanto adquiridos a preço baixo e que são atualmente propriedade do Município, e é aqui que reside o problema principal.
É que, não havendo o investimento proposto, o Município pode ser tentado a entrar num processo de venda dos mesmos para ali se construir, por exemplo, um estabelecimento hoteleiro, ou um aldeamento turístico.
Mas tal desvirtua o motivo por que os proprietários aceitaram vender os terrenos, pelo que, no meu entender, a verificar-se esta situação os proprietários originais têm direito a receber parte, ou mesmo a totalidade, do lucro que o município vier a arrecadar.
Cá estarei para falar quando for o momento…
Nota: podem ler este artigo e os comentários aqui:



28 março 2015

VALORIZAÇÃO DO PATRIMÓNIO AMBIENTAL DE MALCATA

Contra as espécies de crescimento rápido que invadiram a serra

   No seu livro “Malcata e a Serra”, José Rei apresenta-nos uma proposta para valorizar a serra e o povo de Malcata, que se pode também aplicar às outras aldeias que estão próximas da serra da Malcata.
   Passo a apresentar, então a proposta de valorização do património ambiental da serra da Malcata:
   “A nossa proposta assenta numa valorização que passa pela sua ligação à vivência das populações e às expectativas de todos aqueles que visitam a nossa região.
   A defesa do nosso património ambiental passa pela sua valorização que deve ter em atenção os interesses do povo e admitindo um certo desenvolvimento baseado nos parâmetros convencionados pela modernidade.
   Mas como conciliar desenvolvimento com preservação?
   Será isso viável?
   Talvez! Possivelmente através de um ordenamento do território que entre em linha de conta com os interesses das pessoas que vivem e residem em Malcata, como também com a tendência actual da humanidade.
   E qual a importância económica da serra da Malcata?
   Propomos o seu aproveitamento económico, dada a sua importância, mas conforme os modelos tradicionais. Somos contra aqueles que defendem um desenvolvimento económico baseado na plantação de espécies de crescimento rápido. Assim, devem ser incentivados os rebanhos de cabras, a apicultura, pontualmente a cultura de cereais. De igual modo pode ser rentabilizada a serra da Malcata através da florestação, mas apenas recorrendo a espécies autóctones e árvores que produzam madeira de qualidade e não provoquem a poluição genética e degradação dos solos. Bons exemplos são os carvalhos, os sobreiras, as azinheiras, os castanheiros, as nogueiras…Dos lucros obtidos através da exploração silvícola, que uma boa parte das verbas seja utilizada na limpeza, manutenção e construção das estruturas tradicionais ( sebes, caminhos-vicinais, moinhos…) que devem ser preservados. Optando-se pela reflorestação nos moldes propostos, que se eliminem os corta-fogos de terra batida, substituindo-os por prados de montanha, os quais poderão permitir uma diminuição da poluição visual que os corta-fogos actuais provocam, facilidade de circulação, pastos para os gados e, em particular, redução da erosão dos solos.” InMalcata e a Serra”, de José Rei.